terça-feira, 7 de março de 2017

Santa Catarina, atolada na merda, anuncia investimentos de R$ 350 milhões em obras de saneamento em Florianópolis


O governo de Santa Catarina, a prefeitura de Florianópolis e a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) anunciaram nesta terça-feira (7) o investimento de R$ 350.712.239,00 no saneamento básico da capital catarinense. Nesta quarta-feira (8), inaugurarão uma obra na parte continental de Florianópolis e divulgarão o início de outras quatro, que serão feitas com a verba. Segundo a Casan, os valores foram obtidos através de financiamentos, ou seja, endividamento dos órgãos públicos. Dos R$ 350 milhões, cerca de R$ 20,5 milhões são financiamentos com a Caixa Econômica Federal. O restante, com a agência de fomento japonesa Jica. Com esses novos trabalhos, a capital catarinense terá 72% de cobertura de saneamento em dois anos, afirmou a Casan. Atualmente, são 56%. Ou seja, isso equivale ao reconhecimento oficial de que no mínimo metade da população da capital catarinense não tem serviços de coleta e tratamento de esgoto. O cálculo da empresa é que 189.552 moradores sejam beneficiados. Isso é quase a metade da população de Florianópolis. Portanto, pode se dizer com toda segurança que no mínimo é lançada no mar toda a merda produzida por cerca de 200 mil moradores de Florianópolis, fixos ou turistas. E que essa quantidade de gente (é quase o triplo disso no verão) continuará a jogar suas merdas ao mar no mínimo pelos próximos dois anos. A obra que será inaugurada nesta quarta-feira é a ampliação do Sistema de Esgotamento Sanitário da Área Continental (SES Continental), que vai atender os bairros Capoeiras e Abraão. Com isso, essa parte da cidade passa a contar com 98% de cobertura de esgoto. Atenção, apenas essa parte da cidade. O investimento foi de R$ 20.507.575,00 segundo a Casan. Também haverá a entrega da ordem de serviço para o início dos trabalhos na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Sistema de Esgotamento Sanitário do Bairro Campeche. O investimento é de R$ 59.754.191,00. O Campeche é um dos bairros campeões do "esmerdeamento" em Florianópolis. No verão 20015/16, a prefeitura alugava uma frota de caminhões que todos os dias sugavam, estocavam e transportavam a merda coletado em Campeche que era jogada em riacho na praia de Ingleses, contaminando todas as águas da praia do norte da ilha. Para o Norte da Ilha, a Casan vai "anunciar" (atenção, é só "anunciar", ninguém sabe garantir se efetivamente essas obras serão realizadas) obras do Sistema de Esgotamento Sanitário (SES) dos bairros Ingleses e Santinho, com trabalhos previstos para começar em abril. O investimento é de R$ 84,5 milhões . Na mesma região haverá o anúncio das obras de implantação do Sistema de Esgotamento Sanitário dos bairros Saco Grande, João Paulo e Monte Verde. O projeto inclui Estação de Tratamento para receber o esgoto coletado das redes já implantadas nos bairros Cacupé, Santo Antônio de Lisboa e Sambaqui. Isso quer dizer que a rede existe nesses bairros, mas não tem a menor serventia, porque não existe para onde enviar a merda que seria coletada. Portanto, continua tudo como antes. O investimento previsto é de R$ 78.462.510,00. Por fim, será lançado o edital de licitação para obras de ampliação da Estação de Tratamento de Esgoto Insular (ETE Insular). O projeto prevê implantação de rede coletora para os bairros José Mendes e Morro da Lagoa e emissários que irão transportar o esgoto coletado da rede nos bairros Itacorubi, Parque São Jorge, Jardim Anchieta, Córrego Grande, Pantanal e Carvoeira. O investimento é de R$ 107.487.963,00. Segundo a Casan, com as obras, todas as unidades de esgoto de Florianópolis terão tratamento do tipo terciário, que remove inclusive fósforo e nitrogênio, além dos coliformes, no processo de depuração. O Plano Florianópolis de Saneamento faz parte de um conjunto de investimentos em esgotamento sanitário que, no momento, contempla 45 obras da Casan em 31 municípios catarinenses. Segundo a empresa, tudo deve ser concluído no final de 2018. Quando isso ocorrer, a previsão é que Santa Catarina saia da 18ª posição do ranking nacional de cobertura de esgoto para o quarto lugar, com 49% de cobertura. Leia novamente esse número, porque ele é de arrepiar. Quando todas as obras supostamente estiverem concluídas, dentro de dois anos, então o Estado de Santa Catarina passará a ter 49% de cobertura nos serviços de coleta, tratamento e destinação final de suas merdas. Somente dentro de dois anos menos da metade da população e das localidades terão esses serviços. E Santa Catarina praticamente vive do turismo. É inacreditável, é patético. Deve ser por isso que Florianópolis é chamada de Ilha da Magia, porque todo mundo consegue esconder a merda.

Executivo delator da empreiteira propineira Odebrecht afirma que pagou campanhas do marqueteiro baiano e petista João Santana no Exterior


Marqueteiro petista baiano João Santana
Em depoimento prestado à Justiça Eleitoral nesta segunda-feira, o executivo delator e ex-chefe do departamento de corrupção da empreiteira propineira Odebrecht, Hilberto Silva, confirmou repasse de dinheiro da empresa criminosa para as campanhas do marqueteiro baiano petista João Santana no Exterior. Segundo ele, as disputas eleitorais do marqueteiro brasileiro em El Salvador, Angola, Venezuela, República Dominicana e Panamá foram todas financiadas pela Odebrecht. João Santana teria recebido recursos em dinheiro e era um dos cinco maiores recebedores do departamento de propinas da Odebrecht, chefiado pelo próprio Hilberto Silva. 

Embraer lança maior jato comercial produzido no Brasil


A Embraer apresentou nesta terça-feira (7) o E195-E2, a maior aeronave comercial já produzida no País. O vôo inaugural está previsto para os próximos meses e o jato entrará em serviço no primeiro semestre de 2019. A aeronave E195-E2 tem três fileiras a mais de assentos quando comparado ao E195 da atual geração, podendo ser configurado com 120 lugares em duas classes de serviço, ou até 146 em classe única. Segundo a companhia, a aeronave também teve aumento significativo de alcance, de mais de 800 quilômetros (450 milhas náuticas), o que possibilitará viagens de até 4.500 quilômetros (2.450 milhas náuticas) de distância. A avião possui uma asa desenvolvida especialmente para o modelo, com o maior alongamento entre jatos de corredor único, “aumentando a eficiência de consumo de combustível”, segundo comunicado da companhia. “O E195-E2 tem potencial de mudar significativamente o perfil de frota das companhias aéreas em todo o mundo. Tendo custo por viagem 20% menor e custo por assento similar ao de aviões maiores, o E195-E2 torna-se o avião ideal tanto para crescimento de empresas regionais como complementação de frota de empresas de baixo custo e de linhas principais”, diz, em nota, o presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial, John Slattery. Luís Carlos Affonso, vice-presidente de Operações da Embraer Aviação Comercial, explica, em nota, que foram introduzidas na plataforma de e-jets todas as novas tecnologias que agregam valor aos clientes. “O avião terá uma economia de até 24% de consumo e 20% nos custos de manutenção por assento quando comparado ao atual E195. Parte dessa economia será atingida pela nova tecnologia de motores, mas o grande diferencial competitivo do E195-E2 está na otimização da estrutura e dos seus vários sistemas”, comenta. A Embraer vai utilizar dois aviões na campanha de certificação do E195-E2. O primeiro protótipo será usado nos ensaios de aerodinâmica e desempenho, enquanto o segundo avião, que também deve realizar o vôo inaugural até o fim deste ano, será empregado na validação de tarefas de manutenção e de interior. Desde o lançamento, os E2 alcançaram 690 pedidos, dos quais 275 firmes, sendo 90 para o E195-E2, e de 415 opções e direitos de compra, tendo entre seus clientes companhias aéreas e empresas de leasing. Atualmente, a família de e-jets opera com cerca de 70 clientes em 50 países, sendo líder global no segmento até 130 assentos, com mais de 50% de participação de mercado, de acordo com a Embraer. Com investimento de 1,7 bilhão de dólares, o programa E2 foi lançado em junho de 2013, visando a manutenção da liderança da Embraer no segmento de aviões de 70 a 130 assentos.

Economia encolhe 7,2% em dois anos e volta ao patamar de 2010


O Produto Interno Bruto (PIB) acumulou queda de 7,2% no biênio 2015-2016, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira. Só no ano de 2016 a retração foi de 3,6%. Na série de crescimento econômico do IBGE, iniciada em 1948, foi a primeira vez que houve dois anos seguidos com queda anual do PIB. Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, diz que é possível afirmar que essa é a pior recessão da história da economia brasileira. Já o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi mais incisivo. “Não há dúvida que é a maior crise desde que o PIB começou a ser medido. Isso não foi construído em pouco tempo. Aconteceu em anos, quando a economia foi perdendo grau de confiança”, disse. Conforme os cálculos do IBGE, o PIB encerrou 2016 no mesmo nível do terceiro trimestre de 2010. “É meio como se estivesse anulando 2011, 2012, 2013, 2014, que tinham sido positivos”, afirmou Palis. Em entrevista após reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico Social, o Conselhão, o ministro classificou como “queda enorme” a retração vista nos investimentos. Meirelles explicou que a retração é resultado da queda da confiança e do aumento da presença do Estado na economia brasileira e que, atualmente, esse processo está sendo revertido. A queda de 2,5% no PIB brasileiro no quarto trimestre de 2016 ante o mesmo período do ano anterior foi o 11º trimestre consecutivo de recuo. Apesar da manutenção dos resultados negativos, a perda foi a menos intensa desde o primeiro trimestre de 2015, quando o PIB caiu 1,8%. “A gente continua com taxas negativas, mas taxas menores. A queda veio desacelerando”, definiu Rebeca Palis. O mesmo movimento foi percebido na indústria. A queda de 2,4% no PIB industrial do quarto trimestre de 2016 ante o mesmo trimestre do ano anterior foi a mais branda em 11 trimestres consecutivos de perdas. No PIB da agropecuária, o recuo de 5,0% foi o quarto consecutivo, mas o menos intenso do período. Já o consumo do governo teve ligeira redução de 0,1%, menor recuo em sete trimestres seguidos de perdas. A retração de 2,9% no consumo das famílias no quarto trimestre de 2016 ante o mesmo trimestre de 2015 completou oito trimestres consecutivos de quedas, mas foi o menos intenso desde o segundo trimestre de 2015. A Formação Bruta de Capital Fixo, que indica o cenário de investimentos, despencou 5,4%, mas teve o recuo menos intenso em 11 trimestres seguidos de perdas. Com a queda de 2,4%, o PIB de Serviços recuou por oito trimestres consecutivos. Já as exportações brasileiras tiveram recuo de 7,6% no quarto trimestre de 2016 ante o mesmo trimestre do ano anterior, a primeira queda após sete trimestres seguidos de altas. A redução de 1,1% nas importações foi o menor recuo em nove trimestres seguidos de perdas.

Dmae vai pagar R$ 65,9 mil por cafezinhos servidos em 2017, mordomia para a burocracia estatal


O aperto de cinto contado em prosa e verso pelo prefeito Marchezan Júnior (PSDB) não alcança o Dmae, a jóia da coroa da prefeitura de Porto Alegre. É que o Dmae (Departamento Municipal de Águas e Esgoto) acaba de assinar o quarto termo aditivo ao contrato que tem com a Core Services, para que ela forneça cafezinho durante um ano. Serão pagos R$ 65.920,00. É algo deplorável que o contribuinte de Porto Alegre tenha que pagar o cafezinho de burocrata púbico. Se o funcionário quer tomar cafezinho, então que pague do seu próprio bolso. Enquanto gasta dinheiro com cafezinho para burocrata, a prefeitura de Porto Alegre não tem dinheiro para colocar carne na refeição dos alunos da rede municipal de ensino, os quais recebem alimentação limitada a um prato de feijão e arroz. Nelson Marchezan Junior, sai do teu gabinete refrigerado e vai despachar nesses órgãos burocratizados na prefeitura. Vai verificar in loco o que estão fazendo com o povo da cidade. Vai despachar em uma escola municipal, vai despachar na emergência de algum hospital que atende pelo SUS. Nelson Marchezan Junior, vai tomar um banho de realidade.