sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Indústria de Caxias do Sul dá robusto sinal de recuperação econômico


Os números revelados esta semana pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul (Simecs) apontam para uma recuperação firme do cenário econômico. Assim como os demais setores da economia caxiense, o setor metalmecânico também começa a se recuperar. A produção industrial fechou o período de janeiro a setembro com alta de 4,11%. A projeção de faturamento para este ano é de R$ 11,74 bilhões, o que representa uma alta de 4,54% em relação a 2016. No acumulado dos 12 meses, o resultado das receitas ainda é negativo, com queda de 3,04%. Os segmentos automotivo e eletroeletrônico ainda apresentam resultados negativos, de -5,72% e -5,18%, respectivamente. A queda nas receitas se deu de forma acentuada no mercado externo, com recuo de 17,71% nas exportações em 2017. As vendas domésticas, dentro e fora do Estado, cresceram respectivamente em 14,05% e 9,04% no acumulado até setembro.

Caxias do Sul não voltará a ter os índices de emprego registrados em 2012, quando tinha 180 mil trabalhadores com carteira assinada. A indústria e a construção civil somavam quase 92 mil vagas. Em 2012, o setor industrial contabilizava 55 mil postos de trabalho. Atualmente, são 33,6 mil. A cidade perdeu 20,7 mil vagas no período, somente neste segmento. 

Inova, de Caxias do Sul, volta a produzir a pleno e está contratando pessoal


A Inova Sistemas Eletrônicos Ltda, empresa localizada em Caxias do Sul, na Serra do Rio Grande do Sul, é um atestado de que o Brasil realmente saiu da recessão econômica e está em pleno processo de recuperação da produção industrial. Ela fabrica controladores industriais eletrônicos, para o setor automotivo, e está contratando pessoal, o que é uma excelente notícia para a população caxiense, gravemente afetada pelos três anos de recessão produzido pelo desastre do regime petista. A Inova funciona na rua Rua Ito Ruschel Rauber, 212 - no bairro Planalto,

Perto SA, em Gravataí, está com sua linha de produção funcionando a pleno


A Perto SA, Tecnologia para Bancos e Varejo, de Gravataí, cidade localizada na Região Metropolitana de Porto Alegre, não pode se queixar da economia brasileira neste momento. Ela produz caixas eletrônicos para bancos, roletas para estações de metrô, ônibus, estádios de futebol, entre outras equipamentos, e está com sua linha de produção produzindo a toda força. A empresa fica localizada na rua Nissin Castiel, 640, no Distrito Industrial de Gravataí, quase às margens da Auto-estrada Oswaldo Aranha, a Freeway, que liga Porto Alegre ao litoral norte do Rio Grande do Sul.

Inacreditável..... a greve dos professores gaúchos prossegue, dois meses sem aulas, e anda acontece


A greve dos professores ligados ao comuno-petista Cpers/Sindicato, que já dura dois meses, ganhou mais um capítulo na terça-feira (7). Em reunião no fim da tarde, em Porto Alegre, o governo do Estado apresentou ao sindicato respostas à proposta com 10 solicitações encaminhada pelos professores ao Piratini durante a manhã. O encontro acabou sem definição sobre o fim da paralisação. A reunião foi marcada após um grupo de docentes invadir, pela manhã, o gabinete do deputado e líder do governo na Assembleia Legislativa, Gabriel Souza (PMDB). Os professores exigiam o encontro até o fim do dia com o Piratini para discutir a paralisação. O deputado concordou com a reunião, mas somente depois da desocupação do gabinete, que ocorreu à tarde.

Entre as reivindicações entregues pelos professores ao Piratini está a que pede a garantia de 45 dias de férias entre janeiro e fevereiro. Na resposta ao Cpers, o governo classificou a solicitação como "pedagogicamente absurda".  O secretário da Educação, Ronald Krummenauer, disse que a questão das férias gerou a maior discordância no encontro, mas declarou que há opções para que o calendário de 2017 seja concluído sem postergação nas atividades de 2018: "Os professores, por exemplo, poderão tirar 30 dias no verão e 15 no inverno. Há expectativa de retomar a normalidade".

A presidente do Cpers, Helenir Aguiar Schürer, declarou que a realização de uma eventual assembleia para discutir o fim da greve depende de alterações no texto apresentado pelo Piratini. Para encerrar greve, Cpers propõe ao governo que parte da recuperação das aulas ocorra em 2018. A categoria disse que não abre mão de um período de férias de 45 dias. Paralisação já dura mais de dois meses.


O Cpers-Sindicato fez uma proposta com vários pontos ao governo gaúcho para tentar pôr fim à greve dos professores estaduais, que se estende por mais de dois meses. Os docentes sugeriram que parte das aulas seja recuperada em 2017 e o restante em 2018. Entretanto, os professores não abrem mão de um período de férias previsto em lei de 45 dias entre os meses de janeiro e fevereiro. Sendo assim, o calendário letivo de 2017 terminaria em meados de março e parte das atividades letivas de 2018 seriam postergadas. 

Além disso, a proposta prevê o pagamento do 13º salário até o dia 20 de dezembro, garantia de fim de parcelamento dos salários e manutenção da data de pagamento dos salários do funcionalismo. Os professores também não querem a extinção da licença-prêmio e da alteração do tempo de serviço para contribuição previdencial. Essa é uma proposta de morrer de rir. 

Fábrica SounDigital, de Gravataí, está vendendo para o mundo inteiro, um exemplo do Brasil que dá certo


A SounDigital é uma pequena empresa de Gravataí, município localizado na Grande Porto Alegre, que está se notabilizando. Ela fabrica módulos amplificados de som para todo tipo de veículos. A fábrica está com uma carteira de exportação tomada para seis meses. No momento, seus donos estão buscando novidades e acompanhando tendência na Feira de Eletrônica de Las Vegas. A empresa começou com um pessoal caseiro de Gravataí, montando amplificadores. A SounDigital tem uma página no Facebook no endereço a seguir https://www.facebook.com/SounDigitalBrasil/ E ela está procurando funcionários especializados.

A coreana HT Micron, em São Leopoldo, tem carteira de pedidos garantida de três meses e produz com força



A empresa coreana HT Micron, instalada em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, na região metropolitana de Porto Alegre, que estava quase parada, está produzindo a todo vapor. Tem uma carteira cheia de pedidos garantindo a produção de três meses pela frente. Ela produz memórias para notebooks e celulares. E está contratando mão de obra especializada.