sábado, 18 de novembro de 2017

Operação Lava Jato no Rio de Janeiro já denunciou 134 pessoas e cobra devolução de R$ 2,3 bilhões roubados dos cofres públicos

Em 17 meses de operação, a força-tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal no Rio de Janeiro ajuizou 25 ações penais contra 134 pessoas, sendo que 15 acusações são contra o ex-governador Sérgio Cabral, da organização criminosa PMDB. O balanço foi divulgado na sexta-feira (17) pela Procuradoria da República no Estado. Ao todo, foram 17 operações em conjunto com a Polícia Federal, 15 acordos de colaboração premiada, 57 prisões preventivas, 12 temporárias, 34 conduções coercitivas e 211 mandados de busca e apreensão cumpridos. Mais de R$ 450 milhões já foram ressarcidos e pagos em multas compensatórias decorrentes de acordos de colaboração, sendo que o Ministério Público Federal pede mais R$ 2,3 bilhões em reparação pelos danos provocados pela organização criminosa. O ex-governador peemedebista Sérgio Cabral já foi condenado em duas ações penais na Justiça Federal do Rio de Janeiro no âmbito da Lava Jato. Há um ano ele está preso, inicialmente em Bangu, e depois no presídio de Benfica, na zona oeste da capital fluminense. Outras 30 pessoas também já foram condenadas na Lava Jato no Rio de Janeiro. Somadas, as penas ultrapassam 377 anos de prisão. Os principais crimes cometidos pela organização criminosa foram: fraude a licitações, corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, organização criminosa, falsidade ideológica, evasão de divisas, crime contra a ordem econômica (cartel), crime contra o sistema financeiro, embaraço a investigação de organização criminosa e tráfico de influência.

Chile condena primeiro civil por crimes durante a ditadura de Pinochet

A Corte Suprema do Chile confirmou na tarde de sexta-feira (17) a sentença de 20 anos de prisão para Juan Luzoro Montenegro, ex-presidente de uma associação patronal de empresas de caminhões, acusado de quatro homicídios cometidos em 18 de setembro de 1973. Ou seja, sete dias após o golpe militar que derrubou o então presidente socialista Salvador Allende, dando início à ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990). Foi a primeira condenação de um civil no Chile por crime de abuso de direitos humanos cometidos durante o regime. 

Segundo o advogado das vítimas, Nelson Caucoto, Montenegro era "o chefe dos civis que, no interior do Paine (província de Maipo), se organizaram junto à polícia local para exercer a repressão". A condenação já havia sido emitida em 31 de março, por uma juíza local, mas a vítima apelou e o caso foi parar na Corte Suprema, que apenas ratificou a decisão inicial. Além da pena de prisão, a Corte condenou, ainda, o Estado chileno a pagar uma indenização aos familiares das vítimas. Segundo cifras oficiais e de organismos de direitos humanos foram mortos durante a ditadura 3.200 chilenos em mãos do Estado. Destes, 1.192 seguem desaparecidos, enquanto 33 mil foram torturados.

Nível de água do Açude do Castanhão, no Ceará, atinge volume morto

O volume de água no Açude do Castanhão, no Ceará, responsável pelo abastecimento de água da região metropolitana de Fortaleza, onde vive quase metade da população do Estado, atingiu o seu volume morto, quando o nível da água fica abaixo da captação normal. O reservatório tem capacidade para acumular 6,7 bilhões de metros cúbicos (m³) de água. De acordo com o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), órgão responsável pela administração do açude, o volume morto foi alcançado no último dia 13. Nesse dia, “o Castanhão atingiu cota de 68,73, que corresponde ao volume de 228.599.505 m³, abaixo da cota 71, que corresponde ao início de seu volume morto”, informou o Dnocs.

A redução do nível de água do Castanhão é consequência de seis anos de seca na região que fez com que diminuísse a vazão da Bacia Hidrográfica do rio Jaguaribe. Este ciclo de estiagem atingiu também outros açudes do Estado, entre eles, Orós e Banabuiú. As águas do Castanhão abastecem também oito cidades ao longo de um trecho de 100 quilômetros do Jaguaribe, que foi perenizado pela obra do açude, além dos municípios que ficam ao longo do Eixão das Águas e do antigo Canal do Trabalhador.

Segundo dados do Ministério da Integração Nacional, o Castanhão é o maior reservatório público do País para múltiplos usos. Concluído em 2003, sua barragem fica localizada no município de Alto Santo e constitui importante reserva estratégica de água. É utilizado para irrigação, abastecimento urbano, piscicultura e regularização da vazão do rio Jaguaribe.

Ex-diretor geral da Assembleia Legislativa do Paraná é preso em operação do Gaeco

O ex-diretor geral da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), Abib Miguel, conhecido como “Bibinho”, foi preso nestaa sexta-feira (17), em operação do núcleo de Curitiba do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná. Segundo a liminar expedida pela 4ª Vara Criminal de Curitiba, Bibinho deverá ser recolhido ao Complexo Médico-Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, onde estão boa parte dos bandidos presos na Operação Lava Jato. A prisão está relacionada a fatos da Operação Castor, deflagrada nesta semana pelo Ministério Público do Paraná. O trabalho de investigação é um desdobramento da Operação Argonautas e apura a extração ilegal de madeira em imóveis pertencentes ao ex-diretor, localizados no município de Rio Azul, que estão sob sequestro judicial por ordem da 4ª Vara Criminal de Curitiba.

Ainda sobre o ex-diretor geral da Assembléia paranaense, na quinta-feira, 16 de novembro, a 9ª Vara Criminal de Curitiba proferiu sentença condenatória contra Bibinho. Ele foi condenado a 23 anos, 3 meses e 29 dias de reclusão e a 205 dias-multa, pelos crimes de peculato (apropriação de dinheiro público), formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. A sentença refere-se ao caso que ficou conhecido como “Diários Secretos”, pelo qual o Ministério Público do Paraná denunciou o ex-diretor por comandar uma quadrilha que desviou pelo menos R$ 200 milhões dos cofres da Assembleia.

Argentina mantém as buscas por submarino desaparecido com 44 tripulantes e Brasil manda três navios para ajudar


O governo argentino continua hoje (18) as buscas pelo submarino ARA San Juan, com 44 tripulantes, que desapareceu dos radares na última quarta-feira (15). O porta-voz da Armada Argentina, Enrique Balbi, informou que “não descarta nenhuma hipótese”, mas acredita que o submarino “esteja em superfície”. A busca pelo submarino está sendo feita pela água e com ajuda de aviões e, segundo Balbi, metade de área de operação já foi rastreada. Entre os equipamentos utilizados na busca há um avião P-3 da Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), que sobrevoou a área do Golfo San Jorge, próximo à Península de Valdez, de onde o submarino enviou sua última localização.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores e Culto da Argentina, “os governos do Chile, dos Estados Unidos e do Reino Unido ofereceram apoio logístico e intercâmbio de informações nesta busca humanitária”. Pelo Twitter, o presidente da Argentina, Maurício Macri, manifestou o compromisso de utilizar todos os recursos nacionais e internacionais para encontrar o submarino ARA San Juan o mais rápido possível” e disse estar em contato com as famílias da tripulação do submarino “para informá-los e apoiá-los”. O papa Francisco, que é argentino, disse estar em “oração fervorosa” pelos 44 tripulantes do submarino San Juan. Em mensagem enviada neste sábado a autoridades religiosas argentinas, Francisco manifestou solidariedade às famílias dos marinheiros e às autoridades civis e militares do país “nestes momentos difíceis”. Na mensagem, enviada pelo cardeal secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, o papa ainda incentiva os esforços para encontrar o submarino e recomenda às autoridades que mantenham a “esperança cristã” nesta situação.

O Brasil está participando dos esforços da Marinha da Argentina para encontrar e resgatar o submarino. Segundo o ministro Raul Jungmann (Defesa), o Brasil enviou três embarcações para a região das buscas: o navio de socorro submarino Filinto Perry, a fragata Rademaker e o navio polar Maximiano. Jungmann disse também que o Comando da Aeronáutica colocou à disposição dos argentinos um avião C-105 de busca e salvamento e um quadrimotor de patrulha marítima de longa distância P-3. 

O ARA San Juan estava em um exercício de vigilância na zona econômica exclusiva marítima argentina a cerca de 400 km a leste de Puerto Madryn, na Patagônia (sul do país). Ele se dirigia de volta à sua base em Mar del Plata, ao norte, quando as comunicações foram interrompidas. A Argentina aceitou ajuda ainda dos Estados Unidos, que enviou o avião P3 explorador da NASA, que estava estacionado na cidade do sul de Ushuaia e se preparava para partir para a Antártica. O Reino Unido também ofereceu apoio nas buscas pelo ARA San Juan e disponibilizou um avião Hércules que opera nas ilhas Falklands. 

Outros países que manifestaram ajuda ao governo argentino foram Uruguai, Chile, Peru, e África do Sul. "A detecção tem sido difícil apesar da quantidade de barcos e aeronaves" envolvidos na busca, disse o porta-voz da Marinha argentina, Enrique Balbi, observando que ventos fortes e altas ondas estão complicando as buscas. Há relatos na imprensa local de que houve um incêndio nas baterias do barco, mas a Marinha argentina não confirma a informação. 

Na sexta-feira circulou m boato de que o barco havia sido encontrado, mas ele foi negado pelo porta-voz da Marinha. "Esperamos que esteja na superfície", disse Balbi. O San Juan foi completado em 1985, e passou por uma longa revisão para lhe dar mais 30 anos de vida útil, que acabou em 2013.

O PMDB vai ironizar a mulher sapiens petista, Dilma Rousseff, "saudando a mandioca"

Em novo filme de sua propaganda partidária, aprovado neste fim de semana pelo presidente Michel Temer, o PMDB vai ironizar a ex-presidente petista Dilma Rousseff, a "mulher sapiens", em um discurso no qual ela saúda a mandioca como "uma das maiores conquistas do Brasil". O vídeo será veiculado em rede nacional a partir de terça-feira (21). Ele é a 12ª peça da série "O Brasil segue em frente", criada pelo publicitário Elsinho Mouco. Temer estava relutante quanto ao conteúdo do filme - que relembra um discurso de Dilma que se espalhou nas redes sociais e foi muito utilizado por seus adversários para mostrar a incapacidade de articulação dela. Segundo aliados, porém, o presidente foi convencido por sua equipe de comunicação de que era importante mostrar as diferenças de gestões e de que não é possível "esquecer o que foi feito com o País". "Não dá pra esquecer: 2016, com a economia em frangalhos, Dilma Rousseff anunciava a mandioca como uma das mais importantes conquistas do País", diz a apresentadora do programa. O discurso, porém, foi feito em junho de 2015, durante a abertura dos Jogos Indígenas. "O PT de Dilma desenterrou a mandioca e enterrou o País. Estava mesmo na hora de tirar o País do vermelho", completa a narradora em uma analogia à cor do PT, partido de Dilma. Os outros filmes atacam a delação da JBS e a "trama" para "tentar derrubar" Temer, em uma referência indireta ao ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que apresentou duas denúncias contra o presidente. Ambas, por corrupção passiva, organização criminosa e obstrução da Justiça, foram barradas pela Câmara.

Curador do Queermuseu, a exposição profanadora e pedófila do Banco Santander, vai ser conduzido à força para depor em CPI dos Maus Tratos em Crianças

Crianças foram conduzidas por escolas públicas para ver quadros escabrosos como este ao lado, que mostra cenas de zoofilia e um menino negro fazendo felação num e sendo objeto de sexo anal com outro. O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, liberou na última sexta-feira a condução coercitiva do curador da exposição Queermuseu, realizada em Porto Alegre pelo Banco Santander, para prestar depoimento na “CPI dos Maus Tratos em Crianças e Adolescentes”, em Brasília. A exposição foi fechada em Porto Alegre um mês antes do previsto após denúncias que acusavam a exposição e apologia à pedofilia e à zoofilia. O curador, o gaúcho Gaudêncio Fidelis, pediu para anular o pedido de condução coercitiva, feita pelo presidente da CPI, o senador Magno Malta (PR-ES), mas não levou. Isso significa que o curador gaúcho Gaudêncio Fidelis pode ser levado à força para depor. Dirigentes do Santander também terão que falar na CPI.

Partido Novo lança financista João Amoêdo à Presidência da Repúbica


No final da manhã deste sábado subiu ao palco, em São Paulo, o mais novo membro do Partido Novo, o economista e financista Gustavo Franco, um dos criadores do Plano Real, e que saiu há pouco tempo do PSDB. Ele falou para cerca de 1.300 convencionais e dirigentes partidários, na convenção que lançou o nome do financista João Amoêdo para a Presidência da República. Amoêdo foi sócio do banco BBA e vice-presidente do Unibanco. Ele é sócio do instituto Casa das Garças. Cada convencional pagou R$ 130,00 para participar do encontro nacional do partido. Uma delegação do Rio Grande do Sul viajou para São Paulo. Mateus Bandeira, candidato do Novo ao Piratini, foi escalado para falar durante a convenção. Mateus Bandeira é um ex-auditor de carreira da Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul, ex-diretor da Despesa da Secretaria da Fazenda no governo de Yeda Crusius (PSDB), ex-secretário de Planejamento do Rio Grande do Sul, ex-presidente do Banrisul, mas antes disse serviu como assessor dos petistas Antonio Palocci (no Ministério da Fazenda) e de Aloizio Mercadante (na assessoria da bancada do PT no Congresso Nacional). O Instituto Casa das Garças, do qual Amoêdo é sóccio, é uma instituição que reúne representantes do setor financeiro nacional, como: 
ANTÔNIO DE PÁDUA BITTENCOURT NETO | Sócio e Membro do Conselho Diretor
Fundador e diretor do Instituto de Estudos de Política Econômica da Casa das Garças (desde agosto de 2003). Diretor da Paineiras Investimentos, responsável pelas estratégias macro e de câmbio (desde janeiro 2007). Foi trader de câmbio de 1990 a 1992, diretor responsável pela área de câmbio de 1993 a 2001 e sócio de 1992 a 2001 do Banco Icatu. Foi diretor da Icatu Finance and Investments Inc. (Cayman Islands) de 1997 a 2007. Formado em Economia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
CRISTINA CAMPELLO | Sócia e Membro do Conselho Diretor
EDMAR LISBOA BACHA | Sócio Fundador e Diretor
Edmar Lisboa Bacha é sócio fundador e diretor do Instituto de Estudos em Política Econômica/Casa das Garças. Nascido em Lambari, Minas Gerais, vive no Rio de Janeiro e é casado com a antropóloga Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti. É membro da Academia Brasileira de Letras e da Academia Brasileira de Ciências. Foi membro da equipe econômica do governo responsável pelo Plano Real. Foi também presidente do BNDES, do IBGE e da Anbid (atual Anbima). Foi professor de economia em diversas universidades brasileiras e americanas. Tem inúmeros livros e artigos publicados sobre economia brasileira e latino-americana e sobre a economia internacional. É bacharel em economia pela UFMG e Ph.D. em economia pela Universidade de Yale, EUA.
LUIZ CHRYSOSTOMO DE OLIVEIRA FILHO | Sócio e Diretor
Sócio da NEO Investimentos, Diretor da ANBIMA e do Instituto de Estudos de Política Econômica – Casa das Garças. Foi Diretor Geral dos Bancos de Investimentos JPMorgan e Chase Manhattan (1999-2004), onde era Membro do Comitê Executivo para o Brasil e para a América Latina. Foi Sócio dos Bancos Cindam (1993-1996) e patrimônio de Investimentos (1997-1999), tendo chefiado o Gabinete de Desestatização do BNDES (1990-1992). Entre 1987 e 1991, lecionou nos Departamentos de Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e da Universidade Federal Fluminense (UFF). É mestre e bacharel em Ciências Econômicas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, com especialização em Administração pela Wharton School, EUA.
JOSÉ CARLOS CARVALHO | Sócio e Diretor
José Carlos Carvalho é sócio da Paineiras Investimentos desde 2009. Anteriormente, foi chefe de pesquisa macroeconômica no Banco Pactual e na gestora JGP, onde também foi sócio-fundador. Formou-se bacharel em economia na UFRJ, mestre em economia na PUC/RJ, e Ph.D em economia pela Universidade de Yale, EUA.
Os empresários brasileiros, em sua grande e expressiva maioria, viveram sempre à sombra do Estado no Brasil, desfrutando do chamado capitalismo pára-estatal, em que o Estado entra com o capital, os capitalistas com a vontade de mamar e os brasileiros ficam encarregados de pagar a conta. Agora, depois de terem apoiado entusiasticamente o petismo durante todo o regime corrupto, criminoso, do PT, ele resolveram que é hora de assumir diretamente o poder, sem intermediação de partidos e políticos. Liberalismo no País, até agora, tem sido uma integral piada. Exemplo acabado disso é o empresário Jorge Gerdau Johannpeter. Na década de 80, em Porto Alegre, ele fundou o Instituto de Estudos Empresariais. O instituto deveria funcionar como uma escolinha do pensamento liberal para os jovens herdeiros de homens de negócios gaúchos. Todo mundo estudando desde Adam Smith até Mises, mas na hora dos negócios correm para o bolsa empresário, paga pelos brasileiros, e associam-se com o Estado. Jorge Gerdau Johannpeter ainda tem uma agravante: durante décadas se fez passar pelo arauto no Brasil dos programas de qualidade e produtividade da iniciativa privada aplicados à atividade publica. Viu-se um bom exemplo da sua ação nesse campo no conselho de administração da Petrobras, onde uma de suas máximas iniciativas consistiu na aprovação da compra inqualificável da refinaria de Pasadena. Se fizesse algo similar a isso no Grupo Gerdau seria chutado a pontapés na bunda porta afora pelos acionistas do grupo. 
Além disso, como partido do capital financeiro, os membros do Partido Novo vivem do Estado, vivem dos títulos públicos. Para eles é preciso que o Estado esteja sempre se endividando, e o público pagando, para que eles continuem ganhando muito dinheiro. 

PCdoB lançou Manuela D'Ávila à Presidência do Brasil

A deputada estadual gaúcha Manuela D’Ávila foi aclamada pela militância do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) como pré-candidata à Presidência da República durante a abertura do 14º Congresso da legenda, realizado em Brasília, nesta sexta-feira em Brasília, reunindo 600 delegados de todo o País. Manuela D'Ávila tem sido campeã de votos nas disputas que fez para legislativos, mas fracassou completamente ao disputar a prefeitura de Porto Alegre. O PCdoB é herdeiro das piores ações políticas empreendidas pelos comunistas brasileiros, tendo abraçado a luta armada para implantar a ditadura no Brasil. Isso ocorreu a partir de 1965, já no regime militar, mas quando o País ainda vivia sob relativa liberdade. O pior momento já passou a acontecer em dezembro de 1969, com a decretação do AI 5, Nesse período, o PCdoB já deslocava militantes para a região do Araguaia, onde pretendia implantar uma guerrilha. O partido é seguidor das piores tradições do comunista e cultua assassinos como Stalin, Mao Tse Tung e o albanês Enver Hoxa. Manuela D'Ávila representa o atraso do atraso para o País, algo que é cultuado religiosamente pelas esquerdas. 

Criança de oito anos desmaia de fome em escola do Distrito Federal



A Secretaria de Educação do Distrito Federal apura o caso de um menino de oito anos de idade que a desmaiou de fome em uma escola do Cruzeiro, região administrativa do Distrito Federal, na segunda-feira, 13. Segundo uma funcionária da Escola Classe 8, onde o episódio ocorreu, a família do garoto já é acompanhada pelo Conselho Tutelar há alguns anos. Os detalhes e as razões do auxílio à família são sigilosos, mas a principal causa é a vulnerabilidade social, de acordo com uma servidora do Conselho Tutelar da região do Complexo Habitacional Paranoá Parque, onde a criança mora. Os apartamentos foram construídos pelo Governo do Distrito Federal para abrigar pessoas de baixa renda. Segundo a funcionária, o local tem muitas famílias com grande número de filhos. Com a chegada desses moradores, a população da região cresceu rapidamente e ficou sem a assistência necessária, como escolas e postos de saúde suficientes. 

A Escola Classe 8, onde o menino estuda, fica a cerca de 39 quilômetros de sua casa. Assim como ele, outras 200 crianças do Complexo Habitacional Paranoá fazem o mesmo trajeto para estudar em outras duas escolas de Cruzeiro. As matrículas só foram conseguidas após pressão dos moradores. Cerca de duzentas crianças são distribuídas em duas escolas de Cruzeiro, porque no Paranoá não tem escola suficiente. Há uma fila de pendências a serem atendidas, são pessoas muito pobres, muitas vão à escola em busca da merenda. As crianças saem muito cedo de casa, às 9h30, e tomam só um café da manhã fraquinho, que é o que eles têm em suas casas, e depois só voltam a comer às 15h30. A escola que foi prometida aos moradores ainda não saiu do papel. Há apenas duas creches no local e salas de aula improvisadas em um galpão: “Temos aproximadamente duzentas crianças em uma escola que funciona em um galpão, mas não sabemos até quando, porque o proprietário já pediu o imóvel.” 

A Secretaria de Comunicação do Governo do Distrito Federal informou que a criança foi atendida pelo Samu e que, segundo relato do técnico em enfermagem, “a criança estava ‘molinha’ quando a equipe chegou”, mas que, “ao examiná-la, o técnico não verificou nenhum problema”. Ainda de acordo com o governo, a escola ofertou um alimento e, após comer, a criança sentiu-se melhor. 

Para a Diretora do Sindicato dos Professores do Distrito Federal e da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Rosilene Corrêa, o desmaio do aluno é preocupante porque “vai além dos portões da escola” e “se agrava com o fato de muitos destes alunos serem transportados de uma cidade a outra para terem acesso à escola”. Para Corrêa, o sistema educacional do País é falho e não garante a qualidade de merenda escolar aos alunos. “Houve redução nos valores destinados à merenda e muitas crianças vão à escola na expectativa de chegar a hora do lanche. Em idade nenhuma é recomendável ficar cinco horas só com biscoito e suco, principalmente para uma criança que está em fase de desenvolvimento e em processo de aprendizado, fatores que exigem dela uma concentração e um grande consumo de sua capacidade intelectual".

Segundo Corrêa, as más condições oferecidas durante a fase escolar da criança podem ter consequências severas. “Isto compromete o aspecto pedagógico da criança e ela acaba condenada a ter problemas em seu crescimento intelectual e físico”, conclui. 

Picciani nomeou a filha de Lula na Assembléia fluminense, e o PT livrou Picciani da cadeia

No dia 6 de novembro o Diário Oficial do Rio de Janeiro publicou a nomeação de Lurian Cordeiro Lula da Silva para CC (cargo em comissão) da Assembléia Legislativa, ganhando R$ 7.326,00 mensais. O ato já havia sido assinado no dia 1º de novembro por Jorge Picciani, presidente da Assembléia, o mesmo deputado do PMDB que foi preso na quinta-feira e solto na sexta-feira Picciani foi solto porque a maioria dos deputados - 39 a 19 - votou contra a prisão determinada pela Justiça Federal. Entre os que votaram a favor de Picciani, pai do ministro do governo Lula, Luciano Picciani, estão os deputados do PT. Lurian sai de CC para CC. É clara a troca de favores entre os lulopetistas e o chefe do PMDB do Rio de Janeiro, presidente da Assembléia, mas a troca não é a única que une as organizações criminosas do PMDB e do PT.

Associação dos Magistrados entrará com recursos no Supremo contra libertação de deputados no Rio de Janeiro

A Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) vai questionar no Supremo Tribunal Federal as decisões de assembleias legislativas estaduais que liberaram parlamentares da prisão ou do cumprimento de cautelares, como a que soltou os deputados Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo, todos do PMDB do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira. A prisão dos três havia sido determinada pelo Tribunal Regional Federal da 2.ª Região, na véspera, como parte da Operação Cadeia Velha, um desdobramento da Lava Jato. Segundo o presidente da AMB, Jayme Oliveira, os legislativos estaduais estão utilizando um dispositivo da Constituição restrito aos parlamentares do Congresso Nacional. É nisso que resultou a decisão que libertou o senador Aécio Neves.