sábado, 2 de dezembro de 2017

Polícia Federal diz que Procuradoria da República impediu continuidade de investigação sobre o neocoronel Renan Calheiros

A Polícia Federal informou ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, que uma das investigações sobre o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) foi interrompida porque a Procuradoria Geral da República, durante a gestão de Rodrigo Janot, não devolveu o inquérito para continuidade da apuração. Em ofício de 30 de outubro passado, o delegado federal Alessandro Maciel Lopes, lotado no Ginq (Grupo de Inquéritos do STF), uma unidade da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado, informou que a Procuradoria Geral da República ofereceu uma denúncia contra Renan Calheiros e outras pessoas sem aguardar os resultados da investigação sobre uma série de documentos apreendidos em uma das medidas cautelares deflagradas na Operação Catilinárias, deflagrada em dezembro de 2015.

"Solicitamos então cópia do inquérito e verificamos que nela não foram contemplados os fatos objetos da ação cautelar 4027, deixando para trás um vasto material que estava sob análise da Polícia Federal", escreveu o delegado. "Na verdade, as investigações no inquérito 4215 foram desencontradas, realizadas de forma fragmentária pela polícia e pelo Ministério Público, com a produção de informações e provas que não comunicam entre si", afirmou Lopes.

O delegado explicou que o inquérito 4215 nasceu de outro inquérito, o de número 3984, que apurava quatro fatos distintos. A apuração 4215 teve como foco inicial o senador Renan Calheiros e o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) "no que tange à empresa Transpetro", uma subsidiária da Petrobras, sob suspeita de pagamento de propinas relativas a contratos. Ao novo inquérito foram anexadas duas ações cautelares, 4027 e 4030, ambas deflagradas na Catilinárias. A primeira ação teve por foco a apreensão de documentos relativos à construção do Estaleiro Rio Tietê. A Polícia Federal esteve em vários endereços de pessoas e empresas, incluindo seis estaleiros, além do diretório estadual do PMDB no Estado de Alagoas, base eleitoral de Renan Calheiros.

Todo esse material apreendido passou a ser analisado pela Polícia Federal e pelos peritos criminais federais do órgão. No meio da apuração, a Procuradoria Geral da República fechou acordos de colaboração premiada com o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, e com Felipe Parente, apontado como "operador" do PMDB.

Porém, segundo o delegado da Polícia Federal, os termos dos acordos das delações não foram anexados ao inquérito enquanto o caso estava sendo acompanhado pela Polícia Federal. Sobre a delação de Sérgio Machado, o delegado disse que só tomou conhecimento do seu teor "por meio da imprensa". O delegado contou que tentou intimar Felipe Parente para depor, mas ele se negou a falar com a Polícia Federal "sob o argumento de que havia firmado acordo de colaboração com o Ministério Público".

Lopes disse que a Polícia Federal  continuou investigando o material apreendido e concluiu que eles "apresentam indícios de condutas criminosas". Em 26 de janeiro, a Polícia Federal peticionou ao Supremo Tribunal Federal para pedir uma prorrogação do prazo da investigação. Desde então, contudo, o inquérito não retornou mais aos policiais, segundo o delegado. "Por diversas vezes mantivemos contato com a Procuradoria-Geral da República, tanto por telefone quanto em duas reuniões na sua sede. As respostas eram sempre no sentido de que haveria desmembramento de alguns fatos e que o feito retornaria à Polícia Federal, para continuidade da apuração", escreveu o delegado.

Ele disse que "havia diligências a serem realizadas a partir dos elementos obtidos na análise do material da ação cautelar 4027". O delegado afirmou, porém, que sem o inquérito em mãos ele não poderia fazer tais diligências, "sob pena de se produzir investigação informal". "Não se coaduna com o sistema vigente a realização de uma investigação extra-autos, pois ela repele todas as formas de controle do ato investigatório, notadamente o controle jurisdicional dessa Corte, e contraria os termos expressos do artigo 230-C do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal." "Desde fevereiro aguarda-se o retorno dos autos à Polícia Federal para prosseguimento das investigações, o que não aconteceu", apontou o delegado.

Nesse meio tempo, contudo, o então procurador-geral Rodrigo Janot ofereceu denúncia no inquérito 4215 contra diversas pessoas, incluindo Renan Calheiros, os ex-senadores Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) e Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-presidente José Sarney (PMDB-AP). Essas circunstâncias, que supostamente decorrem da denominada acumulação quântica de poder, a qual 'rompe o equilíbrio perseguido no âmbito das estruturas acusatórias', prejudicam o desenvolvimento das apurações e desviam-se do caráter subsidiário da investigação pelo Ministério Público", escreveu o delegado da Polícia Federal. Por fim, o delegado encaminhou ao ministro Fachin os resultados das análises e laudos técnicos relativos ao material apreendido na ação cautelar.

IBGE diz que a expectativa de vida do brasileiro alcançou 75,8 anos

Em 76 anos, de 1940 a 2016, a expectativa de vida dos brasileiros ao nascer aumentou em mais de 30 anos e hoje é de 75,8 anos –um acréscimo de 3 meses e 11 dias em relação a 2015. Os dados constam da Tábua de Mortalidade de 2016 e foram divulgados nesta sexta-feira (1º) pelo IBGE. Em 2015, a expectativa de vida no País era de 75,5 anos.

O pesquisador Fernando Albuquerque disse que, a partir de 1940, com a incorporação dos avanços da medicina às políticas de saúde pública, o País experimentou uma primeira fase de sua transição demográfica, caracterizada pelo início da queda das taxas de mortalidade. Um pouco mais à frente, segundo ele, fatores como campanhas de vacinação em massa, atenção ao pré-natal, incentivo ao aleitamento materno, contratação de agentes comunitários de saúde e programas de nutrição infantil contribuíram para o aumento da expectativa de vida do brasileiro ao longo dos anos.

Na verdade, ele esqueceu de citar o mais gigantesco ganho na saúde pública do País, que foi a instalação do SUS - Sistema Único de Saúde, instituído pela Constituição de 1988, que universalizou o atendimento médico gratuito para toda a população.

De 1940 até 2016, o aumento foi de exatamente 30,3 anos. Apesar desse crescimento contínuo na expectativa de vida, o Brasil ainda está abaixo de países como Japão, Itália, Singapura e Suíça, que em 2015 tinham o indicador na faixa dos 83 anos. “No pós-guerra, começou a haver um intercâmbio muito grande entre os países. Os avanços em termos de programas de saúde pública e programas de saneamento que os países desenvolvidos já tinham alcançado foram transferidos para os menos desenvolvidos. Nesse instante é que começa a diminuir a mortalidade no Brasil”, ressaltou Alburquerque.

Segundo o pesquisador, inicialmente os grandes beneficiados foram as crianças. “No Brasil, em 1940, de cada mil crianças nascidas vivas, 156 não atingiam o primeiro ano de vida. E hoje em dia estamos com uma mortalidade infantil de 13 por mil. Depois, a queda das taxas de mortalidade foi expandida para a toda a população”, ressaltou.

A Tábua de Mortalidade 2016 constatou que, entre os Estados brasileiros, Santa Catarina é o que apresenta a maior esperança de vida, com 79,1 anos; seguido do Espírito Santo (78,2 anos); Distrito Federal (78,1 anos); e São Paulo, Estado onde a expectativa de vida é de 78,1 anos.

Ainda com indicadores superiores à média nacional aparecem, pela ordem, o Rio Grande do Sul, onde a expectativa de vida ao nascer em 2016 era de 77,8 anos; Minas Gerais (77,2 anos); Paraná (77,1 anos); e Rio de Janeiro (76,2 anos).

No outro extremo, com as menores taxas de expectativas de vida, estão os Estados do Maranhão, com 70,6 anos, e do Piauí, com 71,1 anos. Os resultados da pesquisa são usados como um dos parâmetros para determinar o fator previdenciário, no cálculo das aposentadorias do Regime Geral de Previdência Social.

Pelos dados da Tábua de Mortalidade 2016 constata-se que mulheres vivem em média mais do que homens. Enquanto a expectativa de vida dos homens, em 2016, era de 72,9 anos, a das mulheres atingiu 79,4 anos. “Esse comportamento nacional se repetiu em todos os Estados, sendo que a maior diferença foi registrada em Alagoas, onde as mulheres vivem, em média, mais 9,5 anos do que os homens; em seguida, vem a Bahia (9,2 anos) e Sergipe (8,4 anos)”, diz o informe do IBGE.

Nos Estados de Santa Catarina, Espírito Santo, Distrito Federal, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais, a expectativa de vida das mulheres ultrapassou os 80 anos, enquanto nos Estados do Maranhão, Alagoas e Piauí a expectativa de vida masculina foi de 66,9 anos, valor bem inferior à média nacional. Albuquerque explica que “a diferença nas expectativas de vida entre homens e mulheres reflete os altos níveis de mortalidade, principalmente de jovens, por causas violentas, que incidem diretamente na esperança de vida ao nascer da população masculina”.

Justiça manda prender 30 policiais acusados de envolvimento com o PCC

Trinta e seis pessoas, incluindo 30 policiais civis de São Paulo, um ex-policial, uma advogada e quatro traficantes tiveram a prisão preventiva decretada nesta semana sob acusação de envolvimento com a organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). A decisão, em segunda instância, foi tomada pelo desembargador Otávio Rocha, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, e atendeu a pedido do Ministério Público do Estado de São Paulo.

 O processo tramita na 3ª Vara Criminal de São José dos Campos, município da região do Vale do Paraíba. Os acusados vinham agindo desde agosto de 2015, especialmente na zona sul de São José dos Campos, no bairro Campo dos Alemães, e contavam com a ajuda dos policiais para não serem flagrados, em troca de pagamento de propina, segundo as investigações do Gaeco (Grupo de atuação Especial de Combate ao Crime Organizado).

Durante a apuração foram descobertos laboratórios de refino de drogas e apreendidos quase meia tonelada, incluindo pasta de cocaína, R$ 2 milhões em dinheiro e armamento pesado, como fuzis. Além de serem acusados por dar proteção aos criminosos, os policiais foram denunciados por participação em um esquema de lavagem de dinheiro. Entre os policiais presos estão agentes lotados no 7º e 3º Distrito de Polícia de São José dos Campos e também na Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes e na Delegacia de Investigações Gerais.

Petrobras revê política e reduz preço do diesel

A Petrobras anunciou nesta sexta-feira (1º) uma revisão no cálculo do preço do diesel, alegando que precisa recuperar mercado perdido para importadores privados no combustível. O novo cálculo vai provocar uma queda no preço do diesel no País. A estatal anunciou corte de 5,7% e a expectativa é que novas reduções sejam feitas. Em nota, a Petrobras afirmou que a revisão tem o objetivo de adequar o preço do combustível "às mudanças de fluxo logístico e entrada de produtos importados no País", mas que continuará operando com margem de lucro na venda do produto.

"A decisão mantém inalterada a política de preços em vigor, reafirmando o compromisso da companhia de operar sempre com margem positiva acima da paridade internacional", afirmou a companhia. Os preços dos combustíveis são calculados por fórmula que considera as cotações internacionais, a taxa de câmbio, o custo de importação e a margem de lucro da estatal.

A direção da empresa avalia que pode reduzir a parcela do preço referente ao custo de importação, já que seus concorrentes têm ganhado maior competitividade neste segmento, com o uso do modal ferroviário, por exemplo. O aumento das importações reduziu sua fatia no mercado de diesel de uma posição quase monopolista a 72% das vendas internas.

A competição vem levando a companhia a operar suas refinarias com capacidade reduzida: ao fim do terceiro trimestre, estavam com 22% de ociosidade média. "A expectativa é que a nova precificação do diesel não tenha impacto na receita da companhia em virtude da perspectiva de ganhos de mercado", afirmou a empresa. No mercado de gasolina, a estatal tem 88% das vendas.

Operação policial prende membros de torcidas organizadas no Rio de Janeiro

Uma operação da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática e do Ministério Público com o Juizado Especial do Torcedor foi às ruas na manhã desta sexta-feira (1º) para cumprir mandados contra dirigentes de clubes e integrantes de torcidas organizadas do Rio de Janeiro. O presidente da torcida Young Flu, Manuel de Oliveira Menezes, e o vice Luiz Carlos Torres Júnior foram presos. Além deles, Ricardo Alexandre Alves, presidente da Força Flu, também foi detido. Foram quatro mandados de prisão, oito de condução coercitiva —dos quais dirigentes de clubes do Rio de Janeiro foram alvos—, e 14 de busca e apreensão. A operação começou para investigar a relação entre clubes e organizadas.

A polícia identificou que mesmo torcidas banidas dos estádios recebiam regularmente os ingressos, que eram repassados para cambistas. Foram conduzidos coercitivamente para prestar depoimento Pedro Abad, presidente do Fluminense; Eurico Brandão, vice-presidente de futebol do Vasco e filho do presidente Eurico Miranda; e Anderson Simões, vice-presidente do Botafogo. Na busca realizada no estádio Nilton Santos, a polícia apreendeu dois facões na sala do dirigente alvinegro. "Esses facões podem ter sido qualquer coisa, inclusive recolhidos após serem abandonados. Preciso conversar com ele", disse Carlos Eduardo Pereira, presidente do Botafogo, sobre Simões.

Eurico Brandão tentou se descolar de um eventual beneficiamento com o repasse de ingressos "Eu estou aqui como testemunha. Não como envolvido. Vou ver se eu posso ajudar em alguma coisa". A alta cúpula do Fluminense soube da ação com antecedência. Por volta das 6 horas, Abad já estava na casa de Roberta Fernandes, diretora jurídica do clube, para formular sua linha de defesa. O clube tricolor afirmou que "ninguém no Fluminense sabia da operação" e que "o presidente Pedro Abad esteve em sua casa até por volta das 8h30, quando saiu para encontrar os advogados". 

Marco Polo Del Nero foi o único presidente de federação ausente em Moscou, se sair do Brasil ele será preso a pedido do FBI

O presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, foi o único dirigente de um participante da Copa fora do sorteio dos grupos desta sexta-feira (1º), no Kremlin, em Moscou. Mesmo com a Fifa enviando um pacote de luxo, com direito a passagem na classe executiva e hospedagem em um dos melhores hotéis de Moscou, o brasileiro preferiu ficar no país. Na verdade ele está preso dentro do Brasil. Se sair do País, deve ser preso a pedido da Interpol. Desde maio de 2015, quando o FBI começou a prender cartolas envolvidos em corrupção, Del Nero não viaja ao Exterior. Ele é acusado na Justiça dos Estados Unidos de participar de um esquema de recebimento de propina com cartolas da América do Sul.

José Maria Marin, seu antecessor, é julgado na Corte Federal do Brookly, em Nova York, nos Estados Unidos, por extorsão, fraude financeira e lavagem de dinheiro. Os presidentes de federações dos outros 31 países da Copa estão hospedados no antigo Hotel Ucrânia, que fica à beira do rio Moscou e foi encomendado pelo ditador Joseph Stálin. Até 1976, o Ucrânia era o hotel mais alto do mundo, com 198 metros de altura. Uma suíte embaixador tem diária de R$ 1.300,00. Oficialmente, a Fifa não se pronunciou sobre a ausência de Del Nero. Apesar de ter sido diplomático, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, deixou claro que a situação do cartola pode se complicar após o julgamento de Marin nos Estados Unidos. "Vamos deixar o processo seguir. A Justiça dos Estados Unidos tem mais mecanismos. Seja qual for a decisão, teremos processos na Fifa e não vamos hesitar em tomar medidas". Del Nero alega que não foi à Rússia por causa do trabalho na CBF e nega envolvimento no escândalo de corrupção. É um anjinho.

Ministro da Fazenda culpa agricultura pelo não crescimento maior do PIB no terceiro trimestre

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira (1º) em rede social que a alta do PIB entre julho e setembro, de 0,1%, "pode parecer" baixa, mas que é forte sem a agricultura, que caiu por razões típicas do período. A alta de 0,1% veio abaixo da esperada pelo mercado, que apostava em um crescimento de 0,3%. "O crescimento do PIB entre julho e setembro, de 0,1% contra o trimestre anterior, pode parecer baixo, mas é forte se analisado por setores. Sem a agricultura, que caiu por razões sazonais, o crescimento foi de 1,1%", declarou o ministro em rede social. Ele destacou que a produção industrial avançou 0,8% no terceiro trimestre, com destaque para a indústria de transformação, que cresceu 1,4% no período.

"O avanço acumulado no ano até setembro é de 0,6%, número que já supera a previsão inicial dos economistas para 2017. Isto mostra que o Brasil segue uma trajetória de crescimento", escreveu. Ele destacou ainda que o investimento teve crescimento de 1,6% no terceiro trimestre. "Foi o primeiro resultado positivo após 15 trimestres seguidos de queda. O avanço mostra otimismo em relação ao futuro". No primeiro trimestre, a economia brasileira interrompeu a sequência de oito quedas e cresceu 1,3% do PIB, favorecida pela forte safra agrícola. O principal fator para o resultado positivo no primeiro trimestre foi o desempenho do setor agropecuário, que cresceu 13,4% no período, embalado por safras recordes de grãos.

Meirelles, apontado como candidato a presidente nas eleições de 2018, vem sofisticando sua comunicação nas redes sociais, com a publicação de vídeos de seus compromissos e fotos com frases sobre a economia. Nesta sexta-feira, publicou um gráfico com a comparação do desempenho do PIB entre o terceiro trimestre deste ano e os mesmos períodos de 2015 e 2016, quando a economia caiu 1,6% e 0,8%, respectivamente. 

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, também comentou o desempenho do PIB em rede social. De acordo com ele, se o ritmo atual de expansão da economia for mantido, o PIB subirá 1% em 2017 –a estimativa oficial de crescimento hoje é de 0,5%, e o Banco Central projeta alta de 0,7%. "Dados do terceiro trimestre mostram que a recuperação da economia está consolidada com o crescimento do consumo das famílias (+4,8%) e do investimento (+6,7%)", disse Oliveira. "Pela primeira vez após quatro anos, os dois principais componentes da demanda, consumo das famílias e investimento, registram crescimento positivo no mesmo trimestre".

Ele destacou que a indústria de transformação, as exportações e o comércio tiveram o terceiro trimestre consecutivo de crescimento. "Isso significa uma expansão gradual e continuada desses setores". Oliveira disse ainda que o PIB só não foi melhor pelo crescimento das importações. "O que não deixa de ser boa notícia, pois confirma que a economia doméstica está mais aquecida e é mais um sinal de retomada". O ministro do Planejamento ainda lembrou a necessidade de reformas. "A trajetória positiva do PIB para os próximos trimestres mostra a necessidade de aprovação das reformas, principalmente a da Previdência, para tornar o crescimento sustentável."

Superávit da balança comercial atinge marca inédita de US$ 62 bilhões no ano


Em mês tradicionalmente marcado por baixas vendas ao mercado externo, o superavit da balança comercial caiu em novembro. Em outubro, o País exportou US$ 3,54 bilhões a mais do que importou, informou nesta sexta-feira (1º) o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O saldo positivo é inferior ao superavit de US$ 4,75 bilhões registrado em novembro do ano passado.

Apesar do recuo, a balança comercial atingiu uma marca inédita. Nos 11 primeiros meses do ano, as exportações superaram as importações em US$ 62 bilhões. Esse é o melhor resultado para o período desde o início da série histórica, em 1989. De janeiro a novembro do ano passado, a balança comercial tinha registrado superavit de US$ 43,26 bilhões. O saldo positivo até novembro supera todo o superavit comercial registrado em 2016: US$ 47,7 bilhões, até então o melhor resultado da série histórica. 

De acordo com o ministério, a expectativa é que a balança comercial encerre 2017 com superavit entre US$ 65 bilhões e US$ 70 bilhões. Em novembro, o Brasil exportou US$ 16,68 bilhões, alta de 2,9% sobre o mesmo mês do ano passado pelo critério da média diária. O aumento decorreu principalmente da valorização das commodities (bens primários com cotação internacional) no mercado externo. A recuperação da economia, no entanto, fez as importações subir em ritmo maior. No mês passado, o País comprou US$ 13,14 bilhões do exterior, alta de 14,7% na mesma comparação também pelo critério da média diária. 

Em relação às exportações, as vendas de produtos básicos aumentaram 26,5% em relação a novembro do ano passado. As vendas de produtos semimanufaturados subiram 3,1%. No entanto, as exportações de produtos manufaturados caíram 14,2% na mesma comparação. O crescimento das importações foi puxado pelas compras de combustíveis e lubrificantes (+69,2%), de bens de consumo (+20%), de bens de capitais (máquinas e equipamentos para produção), com alta de 10,8%, e de bens intermediários (+6,7%). De janeiro a novembro, o país exportou US$ 200,15 bilhões, com alta de 18,2% sobre os 11 primeiros meses do ano passado pelo critério da média diária. As importações, por sua vez, totalizaram US$ 138,14 bilhões, crescimento de 9,6% em relação ao mesmo período de 2016, também pela média diária.

Petrobras eleva em 5,3% preços do GLP para uso industrial e comercial, vem mais aumento de alimentos por aí


A Petrobras reajustou em 5,3%, na média, preços de comercialização às distribuidoras do GLP (gás liquefeito de petróleo) destinado aos usos industrial e comercial. O aumento entrou em vigor neste sábado (2). De acordo com a Petrobras, a alteração é necessária por causa do aumento das cotações internacionais do produto, que acompanharam a alta do petróleo do tipo Brent, comercializado na Bolsa de Londres e que tem referência óleo extraído no Mar do Norte e no Oriente Médio. Esse é o valor de referência do petróleo no mercado europeu.

O reajuste, no entanto, não se aplica aos preços de GLP destinado ao uso residencial, comercializado pelas distribuidoras em botijões de até 13 quilos conhecido por P13 ou por gás de cozinha. O Sindigás (Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo) calculou que, acompanhando as informações passadas pela Petrobras às distribuidoras, o aumento de preço será entre 5,1% a 5,5%, dependendo do pólo de suprimento das refinarias.

Para o sindicato, o sobrepreço do GLP destinado a embalagens acima de 13 quilos, e a granel, adquiridas prioritariamente pelo segmento empresarial, “tem impactado de forma crucial os negócios que operam com uso intensivo de GLP”. O sindicato acrescentou que, considerando o reajuste deste sábado, “o preço praticado pela Petrobras é 41,8% mais alto do que o praticado no mercado internacional”. Segundo o Sindigás, o percentual causa impactos nos consumidores. “Esse ágio vem pressionando ainda mais os custos de negócios que têm o GLP entre seus principais insumos”, diz a entidade.

TSE pune o PHS por usar fundo partidário até para pagar chope

Decisão unânime do Tribunal Superior Eleitoral desaprovou a prestação de contas do Partido Humanista da Solidariedade (PHS) de 2012. O Plenário suspendeu por um mês o repasse da cota do Fundo Partidário à legenda, a ser cumprida em duas parcelas iguais e consecutivas. O TSE determinou também que o PHS devolva ao erário recursos empregados sem a devida comprovação.

A Corte Eleitoral detectou a aplicação irregular de recursos do Fundo Partidário no percentual de 6,89% das verbas recebidas pela legenda em 2012. Foram identificadas ainda irregularidades como a falta de documentos fiscais de despesas quitadas com recursos de doações diversas e de filiados, no valor de R$ 477.408,63. O total de impropriedades nas contas chegou a 13,46% de receitas da sigla no exercício de 2012. 


Relator da prestação de contas do PHS, o ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto afirmou que, quanto ao pagamento com recursos públicos de seis barris de chope, nas contas da sigla “há provas cabais, aptas a comprovar que houve desvio de finalidade” com o que determina a legislação.

“Nesse ponto, a meu sentir, há fortes indícios de fraude, uma vez que consta no documento fiscal um fornecimento de água e refrigerante com o valor correspondente aos mesmos barris de chope ofertados pela empresa”, o que, aponta o ministro, compromete a transparência das contas.

Segundo o relator, embora de pequena monta, a nota “possui contornos de falsificação e/ou fraude de natureza grave, a reclamar o encaminhamento à Procuradoria Geral Eleitoral, com a recomendação de que seja devidamente apurada pelos órgãos competentes”.

O órgão técnico do TSE identificou ainda nas contas do PHS de 2012 a falta de esclarecimentos sobre a origem de determinadas receitas e a não apresentação de documento fiscal dos comprovantes bancários de gastos realizados.

“As falhas no seu conjunto comprometem a regularidade das contas e ostentam gravidade, principalmente no que se refere a possível adulteração do objeto de nota fiscal”, destacou o ministro Tarcisio Vieira.

Depois de roubar uma refinaria do Brasil, com conivência de Lula e do PT, agora ditador Evo Morales quer aumentar preço do gás com ameaças


O ditador indio trotskista cocaleiro da Bolívia, Evo Morales, o mesmo que mandou seu exército invadir e tomar na força a refinaria na qual a Petrobras investiu cerca de R$ 3 bilhões, desapropriando-a em seguida, tenta ser recebido pelo presidente Michel Temer, contra quem fez declarações agressivas, para exibir sua melhor expressão de “coitadinho” e pedir reajuste nos valores do Acordo do Gás entre Brasil e Bolívia, que expira em 2019. 

O indio trotskista cocaleiro Evo Morales, forte expoente do Foro de São Paulo e títere da ditadura comunista de Cuba, pode ser dono de um ar de pés geladíssimos: Michel Temer baixou hospital duas vezes às vésperas de suas visitas. Nem precisa Evo Morales aparecer em Brasília, no dia 5: Michel Temer fará “cara de paisagem” diante do pires estendido. A posição do governo é não negociar “politicamente” o acordo do gás. Considera uma transação entre Petrobras e a estatal boliviana YPFB.

O esperto ditador comuno-trotskista cocaleiro Evo Morales quer o Brasil pagando acima do preço de mercado pelo gás, mas o excesso de oferta tem empurrado os preços para baixo no mercado mundial.

Deputados e senadores da Bolívia denunciam a Michel Temer as violações do ditador indio trotskista cocaleiro Evo Morales


O presidente Michel Temer recebeu nesta sexta-feira (1º) uma carta assinada por inúmeros deputados e senadores da Bolívia denunciando a sequência de golpes aplicados pelo regime do ditador índio trotskista cocaleiro Evo Morales contra a Constituição, para se manter no poder, e solicitam a inclusão nos temas das conversações bilaterais a reafirmação do compromisso de ambos os países com a Carta Democrática Interamericana e com a Cláusula Democrática do Mercosul.

As manobras do ditador Evo Morales seguem o modelo da ditadura da Venezuela, onde os governantes “bolivarianos” Hugo Chávez e depois Nicolás Maduro alteram a legislação e as regras do jogo, até substituem o parlamento eleito pela população, para impor sua continuidade. Tudo isso mediante forte repressão política. O golpe mais recente de Morales contou com a parceria do Tribunal Constitucional da Bolívia, controlado pelo ditador, autorizando-o a disputar o quarto mandato presidencial. A Constituição boliviana proíbe mais de uma reeleição e um plebiscito consagrou esse entendimento. Os bolivianos saíram ás ruas para protestar contra as investidas do ditador indio trotskista cocaleiro Evo Morales contra a Constituição. Durante passeata em La Paz, que incluiu passagem diante da sede do governo, milhares de bolivianos protestaram contra o atual governo, incluindo o refrão “isto não é Venezuela”.

Centrais sindicais suspendem greve geral prevista para o dia 5, falta dinheiro para a mortadela


As centrais sindicais decidiram suspender a greve nacional convocada para terça-feira (5), "após o cancelamento da votação da reforma da Previdência no dia 6", disseram seis entidades — CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB — em nota nesta sexta-feira (1º). "Diante da informação que a proposta de reforma da Previdência não será votada na próxima semana, decidimos suspender a greve marcada para 5 de dezembro", afirmaram.

A idéia inicial do governo era votar a proposta na quarta-feira (6), mas agora já se trabalha com a data de 13 de dezembro, perto das férias parlamentares. Na quinta-feira (30), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o governo ainda está longe de atingir o número necessário de votos para aprovar as mudanças. Com o fim do imposto sindical as centrais também estão com bem menos dinheiro para gastar em mortadela para os manifestantes pagos.

Chineses assumem controle de 20% do mercado de sementes de milho no Brasil


O fundo chinês Citic Agri Fund anunciou nesta sexta-feira (1º) que concluiu na quinta-feira (30) a compra por US$ 1,1 bilhão do negócio de sementes de milho da Dow Agrosciences no Brasil, que passa a se chamar LP Sementes. O anúncio foi feito em Ribeirão Preto (a 313 km de São Paulo) e, com a concretização do negócio, os chineses assumem 20% do mercado nacional de sementes de milho e ocupam a terceira colocação no ranking nacional. 

É a concretização de um negócio fechado em julho, quando o grupo Dow Chemical vendeu parte do seu negócio de produção de sementes de milho no País ao Citic. A negociação foi feita para atender exigência do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) devido à fusão da Dow com a Dupont. A negociação inclui a aquisição de ativos da Dow no Brasil, o acesso total ao banco de germoplasma de milho brasileiro, a marca Morgan e a licença para utilização da marca da Dow Sementes por 12 meses. Neste período, a empresa lançará uma nova marca, para substituir a marca licenciada. 

Presidente-executivo da Long Ping, braço agrícola do fundo chinês, Zhang Xiukuan afirmou que o acordo prevê que não haverá demissões sem justa causa nos próximos cinco anos. Ele exercerá a mesma função na LP. "É importante que os funcionários trabalhem num ambiente tranquilo e que tenham estabilidade em seu trabalho e em seu lar", disse. 

A Long Ping é líder global no segmento de arroz híbrido - tem participação de mercado de 30% na China - e, segundo Xiukuan, sementes de arroz devem ser trazidas para o Brasil. A empresa chinesa terá sede em São Paulo e manterá o escritório em Ribeirão Preto. 

Gerente-geral da LP Sementes, Vitor Cunha disse que o uso de tecnologia é importante como ferramenta de manejo, "mas não é a salvação da lavoura". "Todos sabemos que as tecnologias que temos hoje demandaram bastante tempo e investimento, mas não são a única forma. É uma ferramenta de manejo, outras práticas culturais devem ser adotadas", disse. 

De acordo com ele, a tecnologia e a genética contribuíram de forma significativa para o desenvolvimento do setor. "Há menos de dez anos, a safrinha, que era a segunda safra no Brasil, tinha média de 4 milhões de hectares e produtividade média de 55, 60 sacos por hectare. Hoje essa safrinha, que não é mais safrinha, é safrona, tem quase 11 milhões de hectares e produtividade de 120, 130 sacas por hectare".

Brasil registra o melhor mês de novembro na venda de veículos novos desde 2014


A venda de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus novos no Brasil subiu 0,7% em novembro ante outubro e avançou 14,6% na comparação com um ano antes, informou nesta sexta-feira, 1º, a associação de concessionários de veículos Fenabrave. Os licenciamentos do mês passado somaram 204.188 veículos, maior marca para o mês desde as vendas de 294.651 unidades vendidas em novembro de 2014. “A alta nos índices de confiança e a contínua queda na inadimplência fizeram com que o comprador voltasse às concessionárias. O aumento da oferta de crédito também tem impulsionado o crescimento do mercado neste momento e incentivado o cliente a efetivar sua compra”, disse em comunicado à imprensa o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.

No acumulado do ano, as vendas de veículos novos somam 2,027 milhões de unidades, alta de 9,8% sobre o período de janeiro a novembro do ano passado. A General Motors manteve liderança no mercado de carros e comerciais leves em novembro, com vendas de 37.354 unidades, alta de cerca de 14% sobre um ano antes. A Volkswagen teve emplacamentos de 25.569 unidades, alta de quase 60% sobre um ano antes, quando a empresa enfrentou problemas no fornecimento de autopeças que afetaram a sua produção. A Fiat ficou em terceiro, com queda de 9% sobre um ano antes, para 24.791 veículos. Incluindo a outra marca do grupo, Jeep, as vendas da empresa em novembro somaram 32.803 unidades. A Ford emplacou 20.328 carros e comerciais leves em novembro, crescimento de 22% sobre um ano antes, enquanto a Hyundai vendeu 17.987 veículos, avanço de cerca de 2%.