terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Cadastro que permite bloqueio de celular furtado tem adesão de 80% dos Estados



Mais de 80% dos Estados já aderiram ao Cadastro Nacional de Estações Móveis Impedidas (Cemi), que permite o bloqueio de celulares extraviados, furtados ou roubados. Apenas Acre, Alagoas, Amapá, Maranhão e Pará ainda não aderiram ao sistema. Em novembro, 48,9 milhões de celulares foram bloqueados. Os números foram divulgados hoje (5) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), cuja área técnica tem mantido contato com os estados que ainda não aderiram ao cadastro para que integrem o projeto. O registro no Cemi permite que o bloqueio dos aparelhos seja feito diretamente pelas polícias estaduais, sem necessidade de o cliente procurar a prestadora de serviço telefônico. O bloqueio é feito por meio de ambiente online, diretamente na base de dados de registro dos aparelhos. O bloqueio também pode ser feito por comerciantes, distribuidoras ou fabricantes de celular que tiverem cargas roubadas, bastando para isso acionar também os órgãos de segurança. Até o momento, 147,6 mil aparelhos foram bloqueados por solicitação de órgãos de segurança. Outros 8,9 milhões foram bloqueados por usuários das operadoras no Brasil.

Além do bloqueio, a agência reguladora tem adotado medidas para dificultar o uso de aparelhos não homologados no País, os chamados piratas. No final de novembro, a Anatel definiu que o bloqueio começará a ser aplicado no dia 9 de maio do ano que vem. Inicialmente, a medida afetará apenas os aparelhos irregulares em operação no Distrito Federal e em Goiás. Nas demais regiões do País, o bloqueio ocorrerá em duas fases, programadas para 8 de dezembro de 2018 e 24 de março de 2019.

A Anatel considera piratas os aparelhos não certificados pela agência ou então que tenham o chamado Imei (International Mobile Equipment Indentity), que é o número de identificação do aparelho, adulterado, clonado ou que tenha passado por outras formas de fraude. Além de celulares, a medida deve abranger outros dispositivos, como tablets e máquinas de cartão de crédito, que usam chip para acessar a rede de dados das operadoras. A iniciativa, de acordo com a Anatel, visa inibir o furto, roubo ou contrabando de aparelhos.

Lucio Vieira Lima pede para ser ouvido pelo Supremo antes de análise de cautelar



A defesa do deputado federal Lucio Vieira Lima (PMDB-BA) e de sua mãe, Marluce Vieira Lima, pediu prazo, na tarde desta terça-feira (5), ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, para que possa apresentar manifestação contrária à aplicação de medidas cautelares contra os dois. Na segunda-feira (4), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu que Lucio Vieira Lima seja proibido de sair de casa quando não estiver exercendo suas funções na Câmara dos Deputados, bem como que seja determinada a prisão domiciliar de Marluce Vieira Lima. Ambos foram denunciados pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa, junto com o ex-ministro Geddel Vieira Lima. A denúncia está relacionada à apreensão de R$ 51 milhões em espécie, feita pela Polícia Federal, em um apartamento em Salvador. Para Raquel Dodge, Lúcio age para manipular provas e obstruir as investigações.  Relator do caso, Fachin pode acatar de imediato os pedidos da Procuradoria Geral da República, sem intimar a defesa, caso julgue haver a urgência necessária, embora o mais comum seja dar oportunidade à defesa para se manifestar. Entretanto, o advogado Gamil Foppel, que representa Lúcio e Marluce, adiantou-se, solicitando a garantia do direito. “Os peticionários jamais praticaram qualquer ato que pusesse em risco a instrução criminal ou a aplicação da lei penal”, escreveu Foppel para justificar seu pedido.

A imposição de medidas cautelares contra parlamentares foi alvo de julgamento no plenário do Supremo em outubro. Na ocasião, a maioria dos ministros entendeu que qualquer cautelar que atrapalhasse o exercício do mandato deveria ser submetida ao aval do Congresso antes de se tornar efetiva. O tema chegou ao plenário do Supremo após a Primeira Turma da Corte ter imposto o recolhimento noturno contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), mesma medida agora solicitada por Raquel Dodge contra Lúcio Vieira Lima.

Fifa diz que banimento do esporte do presidente do Comitê Organizador da Copa da Russia não afeta o mundial de futebol


O COI (Comitê Olímpico Internacional) baniu nesta terça-feira (5) Vitali Mutko de estar presente em qualquer Olimpíada pelo resto de sua vida por envolvimento no escândalo de doping da Rússia na época que era ministro do Esporte, entre 2012 e 2016. Mutko é o presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo de 2018. Mas, para a Fifa o seu banimento pelo COI não terá nenhum impacto na preparação para o Mundial. 

O nome do cartola não foi citado em comunicado emitido pela entidade. "A Fifa tomou conhecimento da decisão do COI relativa à participação de atletas russo na próxima Olimpíada de Inverno. A decisão não tem nenhum impacto na preparação para a Copa do Mundo de 2018 pois seguimos trabalhando para entregar o melhor evento possível". "Como sempre foi dito quando se trata de medidas antidoping, a Fifa toma a sua responsabilidade muito a sério e está investigando as alegações feitas no Relatório McLaren. Neste processo, a Fifa está trabalhando em cooperação com a Wada (Agência Mundial Antidoping) e tem mantido contato com o Prof. McLaren", diz outro trecho da nota. 

Em que pese não citar o nome de Mutko, a Fifa diz que qualquer tipo de punição a envolvidos com doping será feito pelos seus órgãos competentes. "Quando se fala de questões éticas ou disciplinares envolvendo indivíduos específicos, será responsabilidade dos respectivos órgãos da Fifa avaliá-las. Por favor, entendam que qualquer informação sobre questões como estas serão comunicadas uma vez que sejam tomadas pelo comitê", diz a nota. 

A Fifa informou também que assim como aconteceu na Copa das Confederações deste ano, todos os atletas participantes da Copa do Mundo de 2018 serão testados. As amostras de sangue e urina serão analisadas em um laboratório credenciado pela Wada fora da Rússia.

Deputados do PMDB fecham questão pela votação favorável da reforma da Previdência


A bancada do PMDB na Câmara dos Deputados decidiu, nesta terça-feira, fechar questão a favor da reforma da Previdência e deve formalizar pedido para a Executiva Nacional do partido oficializar a decisão. O anúncio deve ser feito pelo líder da bancada, Baleia Rossi (SP), já que mais da metade dos deputados do partido defende a posição. Para ser formalizado, no entanto, o fechamento de questão precisa ser homologado pela Executiva Nacional do partido. O presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), está em viagem internacional, voltará a Brasília na manhã desta quarta-feira. O fechamento de questão obriga os integrantes da bancada a votarem de acordo com a orientação do partido, sob o risco de sofrerem penalidades, como a expulsão da sigla. A reforma da Previdência enfrenta resistência mesmo entre parlamentares da base, mas o governo ainda trabalha no convencimento de aliados.

Trump pode reconhecer amanhã Jerusalém como a capital de Israel


O presidente americano Donald Trump pode reconhecer nesta quarta-feira Jerusalém como a capital de Israel, segundo autoridades americanas. As especulações sobre um pronunciamento definitivo de Trump sobre o tema aumentaram após o mandatário ter perdido a data limite em que deveria justificar a permanência da embaixada americana em Tel Aviv. Uma lei de 1995 determina que a representação dos Estados Unidos fique em Jerusalém e estipula que a cada seis meses Washington justifique, por motivo de segurança nacional, o porquê da manutenção da representação em Tel Aviv. O prazo para anúncio se esgotou na última sexta-feira, sem que houvesse uma manifestação oficial sobre o assunto. 

Na segunda-feira, o porta-voz da Casa Branca, Hogan Gidley, garantiu à imprensa que a decisão de Trump, após ter sido postergada, será anunciada “nos próximos dias”. O pronunciamento sobre o status da embaixada americana é aguardado com desconfiança e pode ser o passo definitivo para que Donald Trump reconheça Jerusalém como capital do estado judaico.  

O ditador da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse nesta terça-feira que o país poderia romper os laços diplomáticos com Israel caso os Estados Unidos tomem uma decisão nessa direção. “Senhor Trump, Jerusalém é a linha vermelha para os muçulmanos”, disse o mandatário turco em uma reunião de governo. “É uma violação da lei internacional tomar uma decisão apoiando Israel enquanto as feridas da sociedade palestina ainda estão sangrando”. Erdogan é um psicopata que tenta reconstruir o califado otomano. 

Além da Turquia, a Liga Árabe e países como a Jordânia e a Arábia Saudita advertiram os Estados Unidos que o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pode destruir o processo de paz na região. O presidente francês, Emmanuel Macron, ligou para Trump na segunda-feira e, seguindo a mesma linha, afirmou o compromisso de uma resolução do conflito entre israelenses e palestinos por meio de negociações de paz entre os dois governos. 

“Não sei se isso provocará distúrbios, mas haverá, sem dúvida, manifestações populares em toda parte”, disse Nabil Chaath, oficial de alto escalão do gabinete do presidente palestino, Mahmoud Abbas, sobre a possível decisão de Trump. A medida, se implementada por Washington, “será o fim do papel desempenhado pelos americanos neste processo”.  

Israel estabeleceu o seu domínio sobre o leste de Jerusalém na Guerra dos Seis Dias, em 1967, quando foi invadido por forças militares de todos os países árabes, derrotadas fragorosamente a seguir. O território foi anexado e declarado como capital israelense. Israel é o lar multi milenar dos judeus, nunca foi uma terra palestina. Aliás, não existe Palestina, nem palestinos, viviam na região árabes sob domínio da Jordânia, razão pela qual a região era denominada de TransJordânia. A área foi perdida pela Jordânia, derrotada na guerra que iniciou, e não por palestinos. 

Socialite Carmen Mayrink Veiga morre aos 88 anos no Rio de Janeiro


Morreu no domingo (3) a socialite Carmen Mayrink Veiga, aos 88 anos. Ela sofria havia anos de paraparesia espástica tropical, uma doença infecciosa que atinge o cérebro e compromete os movimentos. Ela esteve recentemente internada no Hospital Samaritano, no Rio de Janeiro, e morreu em casa. Sua filha, a atriz Antônia Frering, lamentou a morte em uma rede social, postando uma foto da mãe tendo por legenda um coração partido. Antônia estava em Nova York e embarcou para o Brasil. O corpo foi velado no Rio de Janeiro, até as 13 horas, na Capela Celestial do Memorial do Carmo, onde também ocorrerá a cremação.

Carmen Mayrink Veiga foi considerada uma das mulheres mais elegantes do País a partir de meados dos anos 1950 – em 1981, figurava na lista das mais bem vestidas do mundo da revista "Vanity Fair". Natural de Pirajuí, no interior de São Paulo, ela era de família tradicional. Seu pai era um financista em São Paulo e foi cônsul honorário do então Reino da Itália. Carmen Mayrink Veiga já frequentava desfiles de alta costura quando se casou com o empresário Tony Mayrink Veiga. O casal permaneceu junto até 2016, quando Tony morreu. Tornaram-se conhecidos pelas recepções que davam em seu apartamento com vista para o Pão de Açúcar ou no de Paris – frequentadores do jet-set, eles foram certa vez apontados pela revista "Vogue" como o casal mais chique da América do Sul. A família Mayrink Veiga também teve uma rádio, fechada durante a ditadura militar (1964-1985). Entre os que conviveram com o casal estava o escritor Truman Capote. O artista americano Andy Warhol retratou a socialite em um quadro, assim como fez Portinari. Carmen foi ainda a primeira personalidade brasileira entrevistada por David Letterman no seu "Late Show".

Causou polêmica com outra entrevista, que deu à revista "Veja", em 1996, quando a fortuna da família decaía. Nela, rejeitou ser chamada de "dondoca", "grã-fina" e "socialite", "termos pejorativos horrorosos". "Sempre trabalhei como uma negra, grátis, sem ter férias nem salário. Você acha que ser dona de casa é pouco?" - perguntou ela.

PGR mostra que peemedebista Geddel comprou imóveis para lavar dinheiro

Na denúncia protocolada ontem no Supremo Tribunal Federal, a Procuradoria Geral da República acusa Geddel Vieira Lima, Lúcio Vieira Lima, e Marluce Vieira Lima, mãe dos dois, de usarem diversos imóveis para lavagem de dinheiro de origem ilegal. O trio adquiriu sete apartamentos por meio de empresas de Luiz Fernando Machado da Costa Filho, que atuou como laranja. Um dos imóveis é o famoso apartamento no edifício La Vue ladeira da Barra, em Salvador, pivô da crise que levou à queda de Geddel do governo Temer. Marcelo Calero, ex-ministro da Cultura, denunciou as gestões de Geddel para obter autorização do Iphan para o empreendimento. Além do perdimento dos R$ 51 milhões e do pagamento de mais R$ 51 milhões por dano mora, a Procuradoria Geral da República pediu o sequestro dos R$ 12,8 milhões usados para a compra desses bens. Veja abaixo os recibos apresentados espontaneamente pelo empresário, que decidiu colaborar com o Ministério Público:

Papiro com "ensinamentos secretos" de Jesus para seu irmão Tiago é encontrado


Estudiosos britânicos encontraram a mais antiga cópia grega de um texto cristão apócrifo que reúne os "ensinamentos secretos" de Jesus para Tiago, que historiadores acreditam ter sido seu irmão. A cópia foi descoberta em meio ao acervo da Universidade de Oxford, uma das mais antigas do mundo. O manuscrito é uma edição rara, em língua grega, de uma história apócrifa da época do Novo Testamento chamada "Primeiro Apocalipse de Tiago", que até agora parecia ter sido preservada apenas na língua copta — uma língua egípcia evoluída de hieróglifos. 

O texto foi proibido depois que Atanásio, bispo de Alexandria, definiu o cânone dos 27 livros conhecidos hoje como o Novo Testamento. Todas as outras histórias, como aquelas encontradas na coleção Nag Hammadi, foram consideradas heréticas. "Textos gnósticos como o "Primeiro Apocalipse de Tiago" foram banidos por causa de sua "compreensão diferente" da importância de Jesus", diz Brent Landau, pesquisador de estudos religiosos de Universidade do Texas em Austin. "Eles entendem Jesus muito mais em termos de ser um revelador da sabedoria humana do que como um messias. De acordo com esses textos gnósticos, Jesus ensinou que o mundo material é realmente uma prisão criada por um ser maligno, algo muito parecido com o filme "Matrix", essencialmente.

No texto, Jesus descreve esta prisão terrena para seu "irmão". Ele revela que o mundo é protegido por figuras demoníacas chamadas "archons", que estão bloqueando o caminho entre o mundo material e a vida após a morte. Grande parte dos escritos apócrifos aos quais temos acesso atualmente estão em copta. Até hoje, pouquíssimos textos foram encontrados em grego, seu idioma original de composição: uma coleção de 13 livros gnósticos coptas descobertos em 1945 no Alto Egito, que formam atualmente a biblioteca de Nag Hammadi. 

No entanto, Landau e outro pesquisador de estudos religiosos de Universidade do Texas em Austin, Geoffrey Smith, adicionaram à essa lista a descoberta de fragmentos gregos datados do século V do que é conhecido como "Primeiro Apocalipse de Tiago". Os estudiosos fizeram a descoberta no início do ano, mas só agora divulgaram o feito em publicação científica. Eles apresentaram suas conclusões no Encontro Anual da Sociedade de Literatura Bíblica, em Boston. O trabalho ainda não foi analisado por outros pesquisadores.

"Dizer que ficamos entusiasmados quando percebemos o que tínhamos encontrado é pouco", disse Smith, professor assistente em estudos religiosos, que encontrou o pequeno fragmento no início deste ano entre os arquivos da Universidade de Oxford. "Nunca suspeitamos que os fragmentos gregos do Primeiro Apocalipse de Tiago tivessem sobrevivido à Antiguidade. Mas lá estavam eles, bem na nossa frente". 

A narrativa do texto encontrado descreve o que seriam ensinamentos de Jesus para seu "irmão" Tiago, discorrendo sobre como seria o reino celestial e revelando eventos futuros, incluindo a morte de Tiago. "O texto complementa o relato bíblico da vida e do ministério de Jesus, permitindo-nos o acesso a conversas que supostamente ocorreram entre Jesus e seu irmão Tiago. Ensinamentos secretos que permitiram que Tiago fosse um bom professor após a morte de Jesus", afirma Smith.

O achado pertence a uma coleção de mais de 200 mil documentos de papiros da Universidade de Oxford, na Inglaterra. Antes de chegarem lá, eles foram escavados de um antigo depósito de lixo egípcio, espalhados entre pilhas de manuscritos do século V, antigos recibos de impostos e contas de venda de vagões e burros. Esse depósito ficava na cidade egípcia de Oxyrhynchus, e os documentos foram retirados de lá e levados para Oxford no final do século XIX. Smith e Landau estudaram os achados Oxyrhynchus por mais de dois anos.