sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Correios e Azul terão empresa para transporte de e-commerce

Os Correios e a empresa aérea Azul assinaram um memorando de entendimento para criação de uma empresa privada de solução de logística voltada para o transporte de produtos comercializados pela internet. As informações são da Agência Brasil. A nova empresa, que ainda não tem nome, terá participação acionária de 50,01% da Azul e de 49,99% dos Correios. A expectativa é que a operação comece em março de 2018. A partir de agora, o documento será submetido à aprovação dos órgãos e das instâncias competentes, como a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), autarquia que controla as operações na Bolsa de Valores, e o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica). De acordo com a Azul e os Correios, no início, a nova empresa deve movimentar aproximadamente 100 mil toneladas de cargas por ano. Segundo Guilherme Campos, presidente dos Correios, a parceira garantirá à empresa uma economia aproximada entre 35% e 40% do gasto de transporte de carga, hoje em R$ 560 milhões por ano. "A parceria praticamente não envolve dinheiro. Está juntando aeronaves já existentes, que já fazem vôos, com a carga dos Correios que já existe. Essa nova empresa passa a transportar a carga de encomenda postal dos Correios", afirmou Campos. "Nós vamos usar a barriga do avião." Já o presidente da Azul, David Neeleman, disse que muitos produtos que atualmente são transportados por caminhões passarão a ser entregues via aérea. A companhia aérea tem hoje uma frota de 130 aeronaves.

Jornal Diário da Franca deixa de circular após 44 anos


O jornal "Diário da Franca", de Franca (a 400 km de São Paulo), deixou de circular após 44 anos. A última edição do jornal, que iniciou as atividades em março de 1973, foi publicada no último domingo (24), com a manchete "Após quase 45 anos de vida, 'Diário da Franca' publica sua última edição". Era um dos dois jornais diários impressos de Franca, cidade com 347.237 habitantes - o outro é o "Comércio da Franca", fundado há 103 anos. Ainda em novembro, a direção do jornal começou a procurar assinantes e órgãos com os quais tinha contrato para desfazer os acordos. Assinantes receberam em casa cheques com valores proporcionais ao tempo de assinatura restante. À Câmara de Franca, o jornal pediu a rescisão do contrato para a publicação de atos oficiais a partir de 24 de dezembro, sob o argumento de que passaria por reestruturação "com o objetivo de se adequar às novas exigências legais e mercadológicas". O fechamento de jornais diários impressos é uma tendência que parece irreversível, na medida em que as pessoas hoje conseguem todas as informações de maneira instantânea, via internet, no computador, tablet, celular, e não prestam mais atenção aos jornais impressos. Até os livros são lidos em versões digitais. Cada vez mais as empresas de comunicação se fixam no meio digital e essa parece ser uma tendência irreversível.

Chinesa Geely compra parte da Volvo e vira maior acionista da fabricante sueca


A chinesa Geely pagou cerca de 3,25 bilhões de euros para o fundo de investimento sueco Cevian Capital em troca de 8,2% da fabricante de caminhões Volvo. Dona da Volvo Cars desde 2010, a Geely torna-se, então, o maior acionista da AB Volvo (Volvo Group). O acordo dará à companhia 15,6% dos direitos a votos nas decisões da holding sueca. O fundo de investimento sueco Industrivärden, que detém 6,7% das ações da fabricante, segue como o maior controlador dos direitos a votos, com 21,8% de participação. Com o novo acordo, a companhia poderá investir mais em projetos de tecnologia compartilhada, tanto em questões de condução autônoma quanto em veículos elétricos. Além disso, poderia comercializar as duas operações da Volvo juntas. Atualmente, a AB Volvo produz caminhões (Volvo Trucks, Mack, Renault Trucks), ônibus, veículos militares (Renault Trucks Defense), maquinário para obras e motores marítimos. Fabricou seu primeiro carro em 1927 e logo começou a fazer caminhões. Em 1999, separou as duas operações e comprou o negócio de veículos pesados da Renault e Nissan, antes de vender a parte de carros para a Ford, posteriormente passados para a Geely. Nas mãos da chinesa, a divisão Volvo Car ganha novo fôlego comercial a cada ano. De acordo com dados da consultoria focus2move, a montadora chinesa é a que mais cresce no mundo, com avanço de 75% nos emplacamentos de seus veículos de passeio até setembro do ano - no período, 848 mil carros da marca foram vendidos para 41 países. Em maio, o grupo chinês anunciou a aquisição de 49,9% da fabricante malaia Proton e de 51% da marca britânica de carros esportivos Lotus.

Mauro Corbellini é nomeado diretor técnico executivo de Itaipu

O presidente Michel Temer nomeou na quarta-feira (27) o engenheiro eletricista Mauro Corbellini como diretor técnico executivo de Itaipu Binacional. O cargo que estava vago desde março. A nomeação foi publicada na quarta-feira no Diário Oficial da União. Corbellini deve ocupar o cargo até 16 de maio de 2022. Antes, o engenheiro coordenou a área de Mudanças Climáticas da Secretaria de do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná. O novo diretor participou da implantação do sistema de telecomunicações da Telepar, de projetos de grandes usinas do Paraná e dos estudos para a interligação do sistema elétrico brasileiro. Corbellini também trabalhou no Banco Mundial. Segundo a assessoria de imprensa de Itaipu Binacional, apesar da crise hídrica, a usina deve fechar 2017 com uma produção de energia que supera 96 milhões de megawatts-hora (MWh). Em 2016, a usina atingiu um recorde mundial de produção, com 103,1 milhões de MWh. Em 2018, as 20 unidades geradoras do complexo devem ser atualizadas para aumentar a sustentabilidade da operação e do desempenho da usina.

Carga tributária chega a 32,38% do PIB em 2016, maior nível desde 2013


A carga tributária total do Brasil foi de 32,38% do PIB em 2016, informou a Receita Federal na quarta-feira (27). Foi o segundo ano consecutivo em que houve aumento. Assim, o patamar de impostos, em relação ao crescimento da economia, é o maior desde 2013, quando a carga tributária foi de 32,56% do PIB. O aumento da carga tributária está vinculado à repatriação de ativos brasileiros no Exterior, de acordo com a Receita Federal. Se esse dado não fosse computado, o índice teria caído de 32,11% em 2015 para 32,01% no ano passado.

A Receita Federal informou que a maior parte do aumento da carga tributária de 2016 ante 2015 vem da arrecadação do IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica), CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) e do IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte) dos municípios. Os tributos que incidem sobre bens e serviços, como ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), por exemplo, acompanharam o desempenho da economia e caíram em relação ao PIB. 

No ano passado, a arrecadação do governo federal representou 68,27% do total, com uma queda de de 0,09 ponto percentual ante a participação registrada em 2015. Os Estados arrecadaram 25,4% do total e tiveram uma redução de 0,01 ponto percentual ante 2015. Os municípios, ao contrário, aumentaram a participação em relação ao total arrecadado em 0,11 ponto percentual e responderam, em 2016, 6,34% do total arrecadado.

Maior acionista individual da Embraer reduz participação


A gestora de investimentos norte-americana Brandes anunciou, na quarta-feira (27), que reduziu sua participação na fabricante brasileira de aviões Embraer para 14%, ou 106,6 milhões de ações. Antes, a fatia da Brandes na Embraer era de 15%. Os maiores sócios privados depois dela são Mondrian (10,1%), BNDESPar (5,4%) e Blackrock (5%). As ações da Embraer tiveram alta de 23% na semana passada com a notícia de que a empresa estuda uma parceria com a Boeing. O governo disse, porém, que a venda da Embraer está "fora de cogitação". A União detém 35% das ações da empresa e tem a "golden share", que dá direito a veto em negociações desse tipo.

Noruega junta-se à Dinamarca ao limitar a ajuda às ONG palestinas

A Noruega anunciou, na segunda-feira, que limitaria o seu financiamento a organizações não-governamentais palestinas (ONGs) que promovam a incitação anti-Israel, juntando-se à Dinamarca em seu apelo para se opor aos esforços de boicotar. Uma declaração norueguesa sobre o assunto afirmou que, de acordo com a política do governo de 2018, não apoiaria organizações cuja missão era promover boicotes contra a política israelense. Reiterou a crença do governo no "diálogo e cooperação para criar a confiança mútua como parte da solução para o conflito israelense-palestino", afirmando que "os boicotes criam distância". 

"Esta decisão é outra expressão da consistente oposição do governo norueguês aos boicotes contra o Estado de Israel", continuou o comunicado. Na sexta-feira, o Ministério das Relações Exteriores dinamarquês anunciou que cortará o financiamento de várias ONGs palestinas e reforçará as condições de doação de ajuda, após uma investigação que revelou que algumas das atividades das organizações eram de natureza anti-israelense. 

"É importante que haja confiança de que a assistência dinamarquesa vai para os propósitos corretos", disse Anders Samuelsen, ministro dos Negócios Estrangeiros. A revisão dinamarquesa veio depois de uma reunião em que o primeiro-ministro israelense Netanyahu forneceu a Samuelsen uma lista de organizações ligadas à campanha Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), pressionando o ministro dinamarquês a limitar o financiamento. No entanto, o ministério enfatizou que um objetivo de "alta prioridade" era "apoiar organizações da sociedade civil que se concentrassem na situação de direitos humanos dos palestinos", o que o Ministério dos Negócios Estrangeiros afirmou que faria. 

Samuelsen descreveu o anúncio como uma "conquista significativa para Israel em sua luta feroz contra as organizações que "promovem boicotes", "apresentam uma imagem distorcida de Israel" e "mantêm contato com organizações terroristas". 

Comentando a decisão norueguesa, o ministro dos Assuntos Estratégicos, Gilad Erdan, disse que "este é outro passo importante em relação às organizações de boicote", acrescentando que "o ministério continuará a agir de forma consistente para expor o financiamento europeu às organizações palestinas de deslegitimação". O anúncio dinamarquês seguiu o exemplo das palavras de Erdan, na sexta-feira, onde ele "convoca outros governos europeus para exercer a mesma responsabilidade moral e tomar medidas semelhantes".

Recenseamento mostra que ONU inflou número de palestinos no Líbano

Um censo conduzido pela Administração Central de Estatística do Líbano e pelo Escritório Central Palestino de Estatística descobriu que o número de palestinos listados pela ONU é muito mais do que a população real no terreno. De acordo com o relatório, cerca de 175 mil refugiados palestinos vivem no Líbano, enquanto a figura das Nações Unidas mostra 500 mil palestinianos vivendo no país, de acordo com a Agência das Nações Unidas de Assistência e Socorro para os Refugiados da Palestina no Oriente Médio. A figura não foi atualizada há vários anos e mudou, já que muitos palestinos deixaram o Líbano. De acordo com o recenseamento, 45 por cento daqueles listados vivem em 12 campos de refugiados e 55 por cento vivem em 156 outros locais em todo o Líbano. O censo foi realizado por 1000 funcionários libaneses e palestinos e foi desenvolvido ao longo de um ano. O censo também descobriu que 7,2% dos palestinos eram analfabetos e a taxa de desemprego entre refugiados era de 18,4%.

Petrobras inicia fase vinculante de venda de 90% de participação na TAG

A Petrobras iniciou a fase vinculante do processo de venda de 90% de sua participação acionária na subsidiária Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG). Nesta etapa do projeto, os interessados habilitados na fase anterior receberão cartas-convite com instruções detalhadas sobre o processo de desinvestimento, incluindo as orientações para a realização de due diligence e para o envio das propostas vinculantes. A companhia informa que “a presente divulgação ao mercado está em consonância com a sistemática para desinvestimentos e está alinhada às orientações do Tribunal de Contas da União (TCU)”.

Bento Gonçalves quer instalar usina de queima de lixo e geração de energia elétrica



A prefeitura de Bento Gonçalves encerra no próximo dia 3 de janeiro o prazo para inscrição de empresas interessadas no projeto que visa à implantação de uma usina para queima de lixo e transformação em energia elétrica, por meio de uma Parceria Público-Privada. As empresas interessadas no credenciamento devem entregar a documentação necessária, conforme edital disponível no link: http://bit.ly/2iWU8v6 na Secretaria de Desenvolvimento Econômico. Depois deste prazo, os investidores terão 90 dias para apresentar suas propostas de projetos. As propostas serão analisadas pelo Comitê Gestor, no período máximo de 30 dias, para posterior publicação do edital para concessão do projeto escolhido.

A iniciativa consiste na concessão do terreno pelo Poder Público, e em contrapartida a empresa deverá construir e administrar a usina pelo prazo de até 25 anos. Após este período, o patrimônio será incorporado aos bens da Prefeitura. 

Com a implantação da usina, a prefeitura pretende eliminar dois contratos, o do transporte por caminhões e o da destinação do lixo no aterro da CRVR (Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos, empresa do megalixeiro grupo Solvi, do empresário Carlos Leal Villa: a diretoria inteira do Grupo Solvi está neste momento presa na penitenciária de Belém, no Pará).

O projeto foi elaborado pelas secretarias de Desenvolvimento Econômico, de Meio Ambiente, de Finanças, de Administração e Governo, Procuradoria Geral e Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico do município.

Secretaria do Tesouro Nacional inclui prefeitura de Porto Alegre na sua lista de ficha suja

O secretário municipal da Fazenda, o auditor fiscal e peemedebista Leonardo Busatto (da Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul, filho de Cezar Busatto), não se surpreendeu com a notícia de que a prefeitura de Porto Alegre teve a nota rebaixada de B para C pelo Tesouro Nacional. Com isto, Porto Alegre ficou impossibilitada de contrair empréstimos internacionais. A classificação avalia a capacidade de pagamento de Estados e municípios com base em dados do ano anterior. Entre as negociações em andamento que devem ser prejudicadas, destacam-se duas: um financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para reforma de escolas e outro do Banco Mundial para revitalização do 4º Distrito. Diz Leonardo Busatto: "É simplesmente o retrato da situação falimentar do município de Porto Alegre. A cidade não fez o dever de casa ao não enfrentar a questão estrutural das finanças. Para subir a nota, não tem mágica: precisa ter mais receita do que despesa". Situação semelhante enfrentou o ex-prefeito José Fogaça, que recebeu herança maldita dos ex-prefeitos do PT, Tarso Genro e seu vice João Verle. Ele precisou de dois exercícios para equilibrar as finanças públicas e limpar a ficha da prefeitura, que estava até com inscrição no Cadim.

Corte Suprema da Alemanha determina que o nazista contador de dinheiro em Auschwitz vá para a cadeia


A corte constitucional da Alemanha decidiu que um alemão de 96 anos deve ser preso devido à sua participação nos assassinatos em massa cometidos no campo de extermínio nazista de Auschwitz durante a Segunda Guerra Mundial, se recusando a reverter a determinação de uma instância inferior. Oskar Groening, conhecido como "contador de Auschwitz" por ter se encarregado de contar o dinheiro apreendido das vítimas do campo, foi condenado a quatro anos de prisão em 2015, mas discussões a respeito de sua saúde e idade adiaram o início do cumprimento de sua pena.

A corte constitucional rejeitou o argumento dos advogados de Groening de que o aprisionamento em uma idade tão avançada violaria seu direito à vida, acrescentando que a gravidade de seus crimes faz com que haja uma necessidade especial de vê-lo punido. "O requerente foi considerado culpado de ser cúmplice de assassinato em 300 mil casos relacionados, o que significa que existe uma importância especial de se cumprir a sentença que o Estado exigiu", escreveram os juízes, mantendo a decisão da corte regional de Celle.

Não é possível apelar do veredicto da corte constitucional, que entretanto deixa em aberto a possibilidade de libertar Groening se sua saúde se deteriorar. Em uma batalha jurídica vista como um dos últimos julgamentos do Holocausto, procuradores disseram em 2015 que, embora o próprio Groening não tenha matado ninguém quando trabalhava em Auschwitz, ele ajudou a apoiar o regime responsável pelos assassinatos em massa organizando o dinheiro apreendido dos judeus que chegavam ao campo. Cerca de 6 milhões de judeus foram assassinados durante o Holocausto, sob o comando de Adolf Hitler, dentro da ´política da "Solução Final", que visava exterminar todos os judeus em assassinatos em massa.

Justiça Federal proíbe acampamento de terroristas e manifestantes na frente e imediações do TRF 4 no dia do julgamento de Lula


O juiz federal Osório Ávila Neto determinou que seja estabelecida uma área onde os manifestantes deverão ficar nas imediações do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre, no dia do julgamento do recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em segunda instância, em 24 de janeiro de 2018. O magistrado ainda citou que deverá haver um isolamento para o trânsito nas vias próximas ao prédio. Em maio, durante o primeiro depoimento do chefão da organização criminosa petista, Lula, como réu em Curitiba, as autoridades do Paraná montaram um esquema de segurança em função das manifestações de apoiadores e grupos contrários ao ex-presidente.

A ação civil pública foi protocolada pelo Ministério Público Federal e solicitava que o Parque Maurício Sirotski Sobrinho, situado em frente ao TRF4, fosse interditado, para evitar protestos no local. O pedido foi atendido parcialmente pelo juiz. No despacho, publicado na quinta-feira (28) à noite, Neto proibiu a instalação de acampamento da organização terrorista Movimento de Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na área do parque e nos terrenos vizinhos, até três dias após o julgamento.

"Uma vez que a ocupação do Parque da Harmonia por particulares necessita de prévio assentimento do Poder Público, mas não a circulação de pessoas por ali, e dado o caráter auto-executivo que caracteriza o poder de polícia, defiro a proibição de formação de acampamento no interior do Parque Maurício Sirotski Sobrinho, e em seus terrenos e estacionamentos lindeiros, cabendo ao Poder Público, mormente suas forças policiais, zelar pela cumprimento desta decisão", escreveu.

No texto, o juiz defendeu o direito às manifestações, mas repetiu que os atos devem ser previamente informados. "O direito de manifestação está garantido constitucionalmente, para tanto basta que seja previamente informado o local de reunião às autoridades e se desenvolva de modo ordeiro", sustentou o juiz. O Ministério Público Federal também solicitava que o Parque da Redenção fosse designado para receber protestos a favor de Lula, e o Parque Moinhos de Vento recebesse apenas manifestantes contrários ao petista, mas o pedido foi negado pelo juiz federal. 

Por meio de nota, a organização terrorista MST informou que continuará com a mobilização marcada para a semana em que acontece o julgamento do recurso, e que não deve recorrer da decisão. "O Movimento não vai recorrer da decisão do juiz Osório Avila Neto, que proibiu a instalação de acampamento de Trabalhadores Rurais Sem Terra e a realização de manifestações nas proximidades do prédio do Tribunal na capital gaúcha, mas reafirma a importância da unidade de trabalhadores e trabalhadoras e a legitimidade de promover suas livres manifestações de apoio político junto com outros movimentos populares, centrais sindicais e militantes de partidos políticos", diz o comunicado. Ou seja, os terroristas estão procurando o confronto, o que é uma especialidade deles, desde que promoveram o assassinato do soldado Valdeci de Oliveira, da Brigada Militar, em 1990, com um foiçaço no pescoço, em plena Avenida Borges de Medeiros, no centro de Porto Alegre. 


O julgamento do recurso apresentado pelo chefão da organização criminosa petista e ex-presidente Lula no processo do triplex em Guarujá será realizado às 8h30 do dia 24 de janeiro de 2018, na sede do Tribunal Regional da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre. A data foi marcada 12 de dezembro pela 8ª Turma da Corte. 

Em julho, Lula foi condenado pelo juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância, a 9 anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo envolvendo o triplex. A acusação foi de ocultação da propriedade do imóvel, recebido como propina da empreiteira OAS em troca de favores na Petrobras. Outros dois réus no mesmo processo também foram condenados, e quatro, absolvidos.

A Justiça Federal no Paraná também determinou o bloqueio de R$ 16 milhões, estabelecido como dano mínimo, e o sequestro do apartamento. Lula também teve bloqueados mais de R$ 600 mil de contas bancárias e cerca de R$ 9 milhões que estavam depositados em dois planos de previdência privada. 

A sentença publicada no dia 12 de julho permite que o petista recorra em liberdade. Caso os desembargadores decidam manter a decisão da primeira instância, eles podem determinar a prisão de Lula – que, no caso, seria executada por Moro em Curitiba – ou decidir que o ex-presidente só irá para a prisão após todos os recursos terem sido esgotados. De acordo com a assessoria do TRF4, a marcação do julgamento ocorreu pela necessidade de prazo hábil mínimo para intimação das partes e por conta do recesso do tribunal, que será de 20 de dezembro a 6 de janeiro.

No dia 15 de dezembro, o TRF4 publicou um despacho do presidente da corte Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz com informações sobre os processos julgados neste ano, até o dia 13. Segundo o documento, mais de 49% dos casos foram concluídos em menos de 150 dias – no caso do ex-presidente, a demora será de 127 dias.

Suprema Corte da Africa do Sul manda abrir processo de impeachment contra o presidente comunista corrupto Jacob Zuma

A Justiça sul-africana decidiu nesta sexta-feira (29) que o Parlamento nacional falhou em sua obrigação de fiscalizar o presidente comunista muito corrupto Jacob Zuma, acusado de usar dinheiro público para reformar sua casa. Com isso, a Corte Constitucional ordenou que o legislativo inicie um processo que pode levar ao impeachment do presidente. A decisão desta sexta-feira segue o entendimento que o próprio tribunal teve em 2016, quando decidiu que Zuma tinha violado a Constituição ao ter se beneficiado indevidamente de um financiamento estatal para fazer reformas em sua casa, que fica próxima a cidade de Nkandla –por isso, o caso foi apelidado pela imprensa local de "Nkandlagate". "Nós concluímos que a Assembleia não responsabilizou o presidente por seus atos", disse Chris Jafta, um dos juízes da Corte Constitucional, ao ler a decisão. 

O tribunal definiu que o Parlamento agora deve estabelecer as regras para a remoção do presidente de seu cargo. Em nota, o Congresso anunciou que vai seguir a decisão. A Aliança Democrática, principal partido de oposição, defendeu que seu pedido de impeachment contra Zuma seja debatido "assim que possível". A decisão da corte cita um tópico da Constituição que estabelece que o Parlamento pode remover o presidente do cargo com uma maioria de dois terços dos votos por "sérias violações" da lei. 

A decisão diz ainda que as obrigações constitucionais devem ser cumpridas imediatamente e sem atrasos. A revelação do uso indevido de dinheiro público é apenas um dos escândalos em que Zuma está envolvido e que ajudaram a derrubar sua aprovação e o apoio a seu partido, o comunista CNA (Congresso Nacional Africano), que governa o país desde o fim do Apartheid, em 1994. 

Apesar disso, Zuma sobreviveu aos pedidos da oposição para que o Congresso o removesse do cargo, já que o CNA tem ampla maioria na Casa. Isso levou um grupo de oposicionistas a recorrerem à Corte Constitucional, pedindo a abertura de um processo de impeachment contra Zuma. A série de escândalos minou também o apoio do presidente dentro de seu partido. No último dia 18 o CNA apontou o atual vice-presidente Cyril Ramaphosa como seu novo líder, no lugar de Zuma. Ramaphosa, que fez campanha com críticas a corrupção, derrotou na disputa Nkosazana Dlamin Zuma, aliada e ex-mulher do presidente.

IBGE anuncia que caiu a taxa de desemprego no País

O índice de pessoas sem trabalho ficou em 12% em novembro, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). São12,6 milhões de pessoas desempregadas no trimestre encerrado em novembro. A informação foi divulgada na manhã desta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A taxa é a maior para os trimestres encerrados em novembro desde o início da série da Pnad Contínua, em 2012, embora seja a menor do ano. Em igual período de 2016, a desocupação era de 11,9%.

A renda média real do trabalhador, segundo a pesquisa, ficou em R$ 2.142,00. O resultado representa alta de 2,6% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os dados apontaram ainda que o mercado de trabalho no país perdeu 857 mil vagas com carteira assinada no período de um ano. O total de postos de trabalho formais no setor privado encolheu 2,5%, em comparação com o mesmo período de 2016. Já o emprego sem carteira no setor privado teve aumento de 6,9%, com 718 mil empregados a mais. O total de empregadores cresceu 5,8% ante o trimestre até novembro de 2016, com acréscimo de 243 mil pessoas.

O trabalho por conta própria cresceu 5% no período, com 1,1 milhão de pessoas a mais nessa condição. A condição de trabalhador familiar auxiliar aumentou 6,7%, com 141 mil ocupados a mais. O setor público gerou 142 mil vagas, aumento de 1,2% na ocupação nessa categoria. Houve aumento de 250 mil pessoas na condição do trabalhador doméstico, 4,1% de ocupados a mais nessa função.

Iman do Texas ameaça, "o dia do julgamento não começará até que os muçulmanos combatam os judeus na Palestina"


O fundador de um grupo islâmico em Houston no Texas, afirmou que o "Dia do Julgamento não começará até que os muçulmanos combatam os judeus na Palestina". Ele falou durante um sermão e condenou a decisão do governo Trump de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, no início deste mês. O sheik Raed Saleh Al-Rousan, do Instituto Tajweed, disse que "os judeus mataram os profetas e os mensageiros de Allah", de acordo com um vídeo traduzido pelo Middle East Media Research Institute.

Al-Rousan lançou dúvidas sobre afirmações de que os judeus "viveram na Palestina por milhares de anos", afirmando: “a Grã-Bretanha trouxe judeus de diferentes países para viver na Palestina. Então não me diga que a Palestina é o país dos judeus". Al-Rousan, que estudou na Universidade Islâmica de Al-Madina, na Arábia Saudita, e fez mestrado em Estudos Islâmicos na Fundação Teológica de Graduados em Indiana - também citou um ditado atribuído ao profeta islâmico Muhammad (Maomé), onde afirma que "O dia do julgamento não virá até que os muçulmanos combatam os judeus: Os muçulmanos matarão os judeus e os judeus se esconderão atrás das pedras e das árvores, e as pedras e as árvores dirão: Oh muçulmano, oh servo de Deus - há um judeu escondido atrás de mim, venha matá-lo".


Al-Rousan reiterou a mesma mensagem em inglês: "A hora do julgamento não começará até que os muçulmanos combatam os judeus na Palestina. Eles conhecem esse fato e os muçulmanos terão a vitória ". Al-Rousan recusou-se a esclarecer se as suas opiniões refletiam o pensamento do Instituto Tajweed. Originário da Jordânia, Al-Rousan chegou aos Estados Unidos em 2007 e estabeleceu o primeiro ramo do instituto na Flórida, em 2013, com intuito de "difundir as habilidades do Tajweed (recitação adequada do Alcorão) a todos os muçulmanos, jovens e velhos". Ele é o último Iman nos Estados Unidos a ser pego fazendo observações inflamatórias sobre judeus em resposta ao reconhecimento do presidente Donald Trump de que Jerusalém é a capital do Estado judaico.

Também em 8 de dezembro, o iman Aymen Elkasaby, do Centro Islâmico de Jersey City, chamou os judeus de "macacos e porcos" e exortou seus seguidores a "contá-los um por um e matá-los até o último". 


"Elkasaby já havia sido suspenso, há um mês, e agora será obrigado a treinar com líderes muçulmanos com mais experiência inter-religiosa", disse Ahmed Shedeed - presidente do Centro Islâmico. O anúncio da suspensão ocorreu dias depois que o senador Cory Booker, de Nova Jersey, que já havia parabenizado o trabalho inter-religioso de Shedeed, ter expressado "angústia sobre as declarações abomináveis do iman Aymen Elkasaby sobre nossos irmãos e irmãs judeus".

Governo da Itália aprova missão militar no Níger


O Conselho dos Ministros da Itália aprovou nesta quinta-feira (28) uma proposta do premier Paolo Gentiloni para autorizar a participação do país em missões internacionais em 2018. O texto diz respeito à operação que as Forças Armadas italianas pretendem realizar no Níger, na região africana do Sahel, para combater o tráfico de seres humanos e o terrorismo. A medida, que ainda precisa do aval do Parlamento, é mais uma ação de Roma para tentar fechar a rota migratória clandestina do Mediterrâneo Central, que já teve uma drástica redução após o acordo para treinar e equipar a Guarda Costeira da Líbia. 

“Iremos ao Níger após um pedido do governo local feito no início de dezembro”, declarou Gentiloni nesta quinta, em sua coletiva de imprensa de fim de ano. Segundo o primeiro-ministro, o objetivo será “consolidar o controle do território e das fronteiras” nigerinas e “reforçar a polícia local”. “O Níger é um país mais pronto que outros para colaborar na questão migratória, até por ser uma nação de trânsito. Se dermos nossa contribuição para a consolidação da capacidade daquele país, faremos algo sacrossanto para o interesse italiano”, acrescentou.  

Nação de grandes dimensões e fronteiras porosas, o Níger fica no Sahel, espécie de cinturão árido que separa a África Subsaariana, de onde parte a maioria dos migrantes forçados que têm a Itália como destino, da costa mediterrânea do continente. 

Gentiloni já havia anunciado uma ajuda de 50 milhões de euros para reforçar as divisas nigerinas e determinado a abertura de uma embaixada na capital do país, Niamey. Recentemente, a União Europeia também prometeu 50 milhões de euros para a criação de uma força conjunta de cinco países do Sahel, que ainda inclui Burkina Fasso, Chade, Mali e Mauritânia. 

Além disso, Niamey participou, a convite de Roma, da última cúpula do G7, em maio, na cidade italiana de Taormina. As Forças Armadas da Itália já iniciaram uma missão de reconhecimento no país africano, mas a missão só deve começar após o aval do Parlamento, que foi dissolvido pelo presidente Sergio Mattarella nesta quinta-feira, para as eleições legislativas de 2018. 

A Itália trabalhará em conjunto com a França e as Nações Unidas (ONU), que já possuem contingentes em Niamey, e a operação envolverá até 470 militares, usando parte das forças que estão alocadas hoje no Iraque. (ANSA)