sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Processo de divórcio do amigão do bandido mensaleiro José Dirceu revela "laranjal" da corrupção


O site O Antagonista revelou no mês passado que a Lava Jato estava de olho no advogado Luiz Carlos Rocha Gaspar, velho amigo do bandido peemedebista mensaleiro José Dirceu dos tempos de guerrilha que se refugiou na Espanha – onde o chefão da organização criminosa petista Lula e o ex-ministro manteriam contas secretas. O Antagonista descobriu agora que Gaspar teria amealhado dezenas de milhões em imóveis, participações societárias e contas bancárias. Mas manteve tudo oculto em nome da ex-mulher Eliane Aparecida Manzolli de Oliveira. Ocorre que o casal se separou em outubro de 2015, poucos meses após a prisão do ex-ministro. Como Gaspar está fora do País, a "ex" começou a liquidar o patrimônio. Agora, o advogado – que comandou por anos o Ciatec de Campinas – entrou na Justiça para reaver “seus bens”.


Na ação, ele confessa que manteve tudo em nome da mulher, inclusive o luxuoso apartamento onde viveram e cotas das empresas Hamilton Empreendimentos Imobiliários e Cominag IAD Administração, alegando ser credor de R$ 25 milhões pela permuta de terrenos com uma incorporadora chamada ACS Construções. 

Gaspar acusa Eliane de forjar sua assinatura em uma declaração de separação de bens e trocar o crédito de R$ 25 milhões por um pagamento em cash de apenas R$ 600 mil. O amigão do bandido petista mensaleiro José Dirceu diz que vive hoje de sua “parca aposentadoria”, mas não explica à Justiça por que registrou tudo em nome da esposa – diz apenas que confiava na honestidade dela.

“Como todos os bens móveis e imóveis, inclusive contas bancárias, sempre estiveram exclusivamente em nome da requerida, e o apartamento em nome das filhas dela, o requerente foi afastado de todo o patrimônio, ficando impossibilitado de usufruir e viver dos frutos do mesmo. Nem mesmo em seu imóvel residencial ele pode entrar, tendo sido trocadas as fechaduras, impedindo-o de acessar inclusive seus bens pessoais e particulares”, alegam os advogados na ação.

Importante lembrar que é justamente Eliane que aparece formalmente como sócia da Manzolli & Oliveira Consultoria e Manzolli Consultoria Empresarial, empresas destinatárias de boa parte dos R$ 7,8 milhões que o bandido petista mensaleiro José Dirceu recebeu por "consultorias" da EMS – que virou a maior farmacêutica do País durante o regime petralha. Na verdade, Eliane era "sócia" de José Dirceu nesse escritório.

As duas empresas foram alvo da Operação Pixuleco, que prendeu José Dirceu, mas as investigações sobre ela não avançaram. A Lava Jato pretende corrigir isso agora. Para integrantes da força-tarefa, a ‘briga do casal’ Gaspar e Eliane pode acabar na carceragem da Polícia Federal em Curitiba.