sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Grupo comunista estudantil ataca igrejas católicas a bomba na véspera da chega do Papa a Santiago do Chile



Quatro igrejas católicas foram atacadas com bombas caseiras nesta sexta (12) em Santiago, a três dias da chegada do papa Francisco ao país. Um quinto artefato foi encontrado antes de detonar. O primeiro dos ataques com artefato incendiário ocorreu no distrito de Estação Central e atingiu a paróquia Santa Isabel da Hungria, onde foi encontrado um panfleto com uma mensagem contra o pontífice: "Papa Francisco, as próximas bombas serão na sua batina". Ninguém ficou ferido nos ataques, que causaram danos pequenos. As demais igrejas afetadas se encontravam nos bairros de Recoleta, Peñalolén e Villa Portales. 

A presidente comunista Michelle Bachelet disse que "em uma democracia, as pessoas podem se expressar, desde que seja de maneira pacifista". O papa chega ao Chile na segunda-feira (15). Uma missa em Santiago deve reunir 500 mil pessoas. Segundo a Promotoria Metropolitana Sul, a cargo das investigações, os fatos estariam ligados e teriam sido coordenados pelo Movimento Juvenil Lautaro (MJL), diz o jornal "El Mercurio". 

O movimento é acusado de fazer ataques semelhantes contra sedes políticas em novembro e dezembro, antes das eleições presidenciais. O MJL é um grupo de esquerda nascido nos anos 1980 que estaria se rearticulando e operando principalmente na capital do Chile. "Sem dúvida, são ações de caráter violento que estão destinadas a intimidar as pessoas e de alguma forma dão conta de uma forma inadequada de convivência de alguns grupos que, através dessas ações, querem manifestar seu rechaço a pessoas e credos religiosos", afirmou Raúl Guzmán, chefe da Promotoria Metropolitana Sul. Quanto à ameaça feita ao papa, disse que é "uma ação preocupante". "O Chile vai receber a visita não só do papa, mas de um chefe de Estado, e esperamos que não ocorra nenhum desses fatos." 

Os artefatos usados nos ataques são parecidos: são compostos por um extintor com pólvora, um sistema de relojoaria e um recipiente de líquido acelerante, de acordo com "El Mercurio". O estilo gráfico usado nos panfletos também é investigado. 

O Chile é o país latino-americano em que o papa Francisco é mais mal avaliado, segundo o Latinobarómetro. Numa escala de 0 a 10, os chilenos dão 5,3 ao pontífice. O número de católicos no país caiu de 74% em 1995 para 45% no ano passado, redução que se acentuou a partir de 2010, quando foram revelados casos de abuso sexual de um padre de Santiago.

Grande mídia ataca Jair Bolsonaro sem piedade, todo dia é uma denúncia, objetivo é colocá-lo na defensiva e enfraquecer sua imagem


O presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) voltou a negar que tenha uma funcionária fantasma em seu gabinete. Ele também disse que não há irregularidades no seu patrimônio e de sua família. Em entrevista para a Rede TV na noite desta sexta-feira (12), o deputado afirmou que Walderice Conceição tem como função fazer a filtragem de demandas na região da Costa Verde, litoral do Rio de Janeiro. O jornal Folha de S.Paulo, o ponta de lança dos ataques da grande mídia a Bolsonaro (é um jornal escandalosamente esquerdista, pró-petista) divulgou na quinta-feira (11) que Bolsonaro usa verba da Câmara dos Deputados para empregar uma vizinha dele em um distrito a 50 km do centro de Angra Dos Reis (RJ). A servidora trabalha em um comércio de açaí na mesma rua onde fica a casa de veraneio do deputado, na Vila Histórica de Mambucaba. 

Bolsonaro disse que a loja é da irmã de Walderice, que se chama Luciana, mas que ganhou o nome de "Wal" por sua secretária parlamentar ser uma "líder comunitária". "É hilariante. Eles (Folha de S.Paulo) tiraram a foto de uma porta só, de uma vila paupérrima, da casa do açaí. Eu busquei o endereço do local e vi que a casinha do açaí é da irmã da minha funcionária. Onde a Folha se precipitou? Se tivesse um pouquinho mais de paciência, talvez nem teria saído a matéria. Está escrito lá "AÇAÍ DA WAL", e Wal é o nome da minha funcionária, Walderice, e por que Wal? Porque a Wal é uma líder comunitária", disse Bolsonaro.

Segundo moradores da região ouvidos, o marido dela, Edenilson, presta serviços de caseiro para o deputado. O presidenciável também foi questionado sobre a evolução patrimonial dele e de sua família. O jornal Folha de S.Paulo ainda mostrou na semana passada que ele e os três filhos que exercem mandato acumulam 13 imóveis com valor de mercado de ao menos R$ 15 milhões. Bolsonaro usou um parecer do Ministério Público para dizer que não há nada de errado com seus imóveis. 

Após ouvir Bolsonaro, a Procuradoria arquivou uma denúncia anônima que questionava o valor declarado de duas casas do deputado na Barra da Tijuca. 

Governo Temer entra com novo recurso para tentar dar posse a Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho


A Advocacia-Geral da União (AGU) informou na noite desta sexta-feira (12) que entrou com embargos de declaração no Tribunal Regional Federal da 2ª Região contra a manutenção da decisão liminar que suspendeu a posse da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) como nova ministra do Trabalho. Em uma derrota para o Palácio do Planalto, o vice-presidente do TRF2, desembargador federal Guilherme Couto de Castro, manteve na última terça-feira a decisão do juiz federal Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal de Niterói (RJ), que havia suspendido a nomeação e a cerimônia de posse de Cristiane Brasil.

Segundo a AGU, "o juízo competente para analisar o caso não era o da 4ª Vara Federal de Niterói - que concedeu a liminar em ação ajuizada às 20h11 do dia 07/01, mas o da 1ª Vara Federal de Teresópolis, que indeferiu liminar em ação de mesmo pedido ajuizada às 16h36 do dia 07/01". O embargo de declaração é uma espécie de recurso para que o tribunal se pronuncie sobre obscuridades, dúvidas, omissões ou contradições de suas decisões. O presidente do PTB, Roberto Jefferson, informou que os recursos do partido também já foram protocolados no tribunal.

Sartori se recusa a receber os comuno-petistas do PT, PSOL e PCdoB


O governador do Rio Grande do Sul, o peemedebista muito incompetente e inapetente José Ivo Sartori, teve um rompante de coragem nesta sexta-feira (12). Ele mandou dizer aos líderes comuno-petistas do PT, PCdoB e Psol, que não receberia nenhum dos deputados que lhe pediu audiência para tratar da segurança no dia do julgamento de Lula. Disse que todos fossem procurar o secretário estadual de Segurança Pública, Cezar Schirmer. E recomendou a todos os comuno-petistas: "Colaborem para que a paz e a concórdia reinem sob o reino de Deus". É óbvio que os comuno-petistas fazem ouvidos surdos para o que diz Sartori, porque o objetivo evidente deles é a busca de um confronto violento no dia 24, em Porto Alegre, de preferência com vítimas. 

Desembargador Thompson Flores tem encontro marcado com Carmen Lúcia para pedir tropas federais em Porto Alegre


A presidente do STF, Cármen Lúcia, receberá em audiência, na segunda-feira, às 10 horas, o presidente do TRF-4, desembargador Thompson Flores. A reunião já consta da agenda da ministra. Thompson Flores quer falar sobre as ações de segurança pública envolvidas com o julgamento do chefão da organização criminosa petista, Lula, no dia 24, em Porto Alegre. Hoje, o presidente do TRF-4 queixou-se de ameaças que juízes federais sofrem da parte de comuno-petistas, inclusive em redes sociais. Não está descartado pedido de Thompson Flores para que o Supremo Tribunal Federal requisite tropas federais, da Força Nacional de Segurança, da Polícia Federal e do Exército, para reforço da segurança em Porto Alegre, com ênfase para os julgadores e o prédio do TRF-4.

A ação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), conforme prevista na Constituição Federal, é realizada exclusivamente por ordem do presidente da República, por motivação ou não dos governadores ou dos presidentes dos demais poderes constitucionais. Empregada 29 vezes entre 2010 e 2017, ela ocorre quando há o esgotamento das forças tradicionais de segurança pública, em graves situações de perturbação da ordem. A "Garantia da Lei e da Ordem"  ocorre antes ou depois de atos de vandalismo e violência e visa sobretudo garantir patrimônio público, no caso o prédio do TRF-4, Porto Alegre. Reguladas pela Constituição Federal, em seu artigo 142, pela Lei Complementar 97, de 1999, e pelo Decreto 3897, de 2001, as operações de GLO concedem provisoriamente aos militares a faculdade de atuar com poder de polícia até o restabelecimento da normalidade. Nessas ações, as Forças Armadas agem de forma episódica, em área restrita e por tempo limitado, com o objetivo de preservar a ordem pública, a integridade da população e garantir o funcionamento regular das instituições.