segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Açougueiros bandidos bucaneiros da J&F estão a um passo de confessar o crime de "insider trading"

O acordo de leniência ficou em xeque após os irmãos terem sido presos pela Polícia Federal em investigação que apurou que eles se valeram de informações da própria delação premiada deles para obterem lucros milionários no mercado financeiro. Em seguida, os dois foram denunciados pelo Ministério Público Federal paulista pelo episódio e, em meados de outubro, tornaram-se réus por uso indevido de informação privilegiada (insider trading) e manipulação de mercado.

Representantes do grupo e procuradores da República de Brasília e de São Paulo já têm tido conversas informais a fim de discutirem os termos de uma eventual renegociação do acordo de leniência. Segundo a fonte do MP, o valor de 10,3 bilhões de reais em multas é um “piso” para o início da repactuação. Mas essa fonte destacou que o novo acordo poderá envolver outras cláusulas de obrigação da leniência para a J&F, uma vez que é preciso ter em conta a capacidade de pagamento da holding e que o interesse dos envolvidos não é de trazer dificuldades de financiamento para a empresa.

As cláusulas de um novo acordo precisam ser acertadas entre as várias instituições envolvidas nas conversas. Se as negociações avançarem, a expectativa é que um grupo específico para lidar com esse assunto seja criado, disse a fonte. A avaliação da fonte é que, embora a pena para esse tipo de crime em caso de condenação seja baixa e geralmente é convertida em serviços comunitários, o processo pode abrir margem para que a leniência da J&F seja contestada ou até mesmo rescindida. Por isso, um novo acordo, com uma confissão de novos delitos, poderia ser mais mais vantajoso.

Tremenda irresponsabilidade das autoridades de segurança pública gaúchas, permitir a organização terrorista MST acampada quase em frente ao TRF 4



As autoridades de segurança pública do Rio Grande do Sul e também as federais localizadas no Estado cederem miseravelmente às pressões dos bandidos membros da organização terrorista comunista clandestina MST e permitiram os membros desse movimento revolucionário acampassem no chamado Anfiteatro Por do Sol, em Porto Alegre, à beir ado Rio Guaíba. Esse local fica a menos de 400 metros de distância do prédio do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, na capital gaúcha, conforme assinalados os dois locais no mapa acima. Entre o Anfiteatro Por do Sol e o prédio do TRF 4 não há qualquer barreira de outros prédios, apenas a área do Parque da Harmonia no meio deles. É uma temeridade o que essas autoridades fizeram, o que só se explica e se justifica pelo medo da organização terrorista MST, que já degolou um brigadiano, o soldado Valdeci, da Brigada Militar, em 1990. Esses terroristas deveriam ter sido impedido de acampar a menos de cinco quilômetros de distância da sede do TRF 4. Os terroristas do MST chegaram na manhã desta segunda-feira a Porto Alegre, em uma marcha pela BR 290. Não passam de 300 pessoas, mas intimidam as autoridades da área de segurança pública gaúcha.



Carris, empresa estatal de ônibus de Porto Alegre apresenta gigantesco prejuízo de 74 milhões, é o fim da sua carreira


A Cia. Carris, maior empresa de ônibus de Porto Alegre, que é uma estatal municipal, fechou seu balanço do ano passado com novo prejuízo, desta vez de R$ 74,2 milhões. No ano anterior, em 2016, e estatal já tinha apresentado prejuízo também, de R$ 50,7 milhões. A receita bruta em 2017 foi de R$ 155,5 milhões. Portanto, o faturamento foi muito maior do que a despesa. Não tem como se admitir um prejuízo nessas condições. Este valor demonstra a gravidade do prejuízo. A Companhia Carris não tem salvação e precisa ser vendida imediatamente. Ela é cronicamente mais dirigida por políticos e não tem salvação. 

Comuno-petistas tentaram invadir a sede da Rede Globo no Rio de Janeiro nesta manhã de segunda-feira


O PT promove claro ataque à liberdade de imprensa ao promover a invasão da Rede Globo. Aparelhos do PT, Levante Popular da Juventude e MST, invadiram e tentaram ocupar as instalações da Rede Globo, esta manhã, no Rio de Janeiro. Os 150 comuno-petistas invasores foram postos para fora. Os aparelhos acusam a Globo pelos problemas que Lula enfrenta na Justiça. E não admitem que seu líder não passa de ladrão do dinheiro público, comandante da organização criminosa petista que assaltou a máquina pública brasileira, e que foi condenado a 9 anos e meio de cadeia, em Curitiba, porque é bandido, com processo recheado de provas. 

Mortes causadas pela febre amarela sobem para 36 no Estado de São Paulo

O número de mortes causadas por febre amarela no Estado de São Paulo subiu para 36 desde janeiro de 2017, segundo novo balanço da Secretaria Estadual de Saúde, divulgado na noite de sexta-feira (19). Há uma semana o número era de 21 óbitos em decorrência da doença. Com isso, o número de casos confirmados da doença também cresceu, de 40 para 81, no período. A cidade de Mairiporã, na região metropolitana concentra mais da metade dos casos, chegando a 41. Juntas Mairiporã, Atibaia (9) e Amparo (3), totalizam dois terços dos casos - não há confirmação de casos na capital paulista. Apesar do aumento de casos e óbitos provocados pela febre amarela, o governo estadual alerta que as pessoas que estão fora da área considerada de risco não têm necessidade de buscar a imunização. Elas poderiam se expor em regiões afetadas e prejudicar o atendimento às pessoas que de fato precisam da vacinação.

As outras cidades com casos da doença são: Águas da Prata, Américo Brasiliense, Batatais, Bragança Paulista, Caieiras, Campinas, Itatiba, Itapecerica da Serra, Jarinu, Jundiaí, Mococa, Cássia dos Coqueiros, Monte Alegre do Sul, Nazaré Paulista, Santa Cruz do Rio Pardo, Santa Lucia, São João da Boa Vista e Tuiuti.

O Estado de São Paulo já havia anunciado na quinta-feira (18) uma nova antecipação do mutirão que disponibilizará doses fracionadas da vacina para 54 cidades paulistas para 25 de janeiro. Apenas na capital, onde 16 distritos também entrarão na campanha, a antecipação será para o dia 26, devido ao ferido pelo aniversário da cidade. A Prefeitura de São Paulo chegou a solicitar, também na quinta-feira (18), 150 mil doses da vacina contra a febre amarela ao Ministério da Saúde, o que, segundo o secretário, vai garantir o abastecimento dos postos até o início do mutirão, que iniciará a aplicação das doses com 0,1 ml da vacina -a dose padrão tem 0,5 ml.

As vacinas fracionadas têm o mesmo efeito da padrão, mas menor tempo de duração. Enquanto a dose padrão vale para a vida toda, a fracionada deverá ser reforçada em oito anos, segundo estudos apontados pelo Ministério da Saúde. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, a campanha seguirá até 17 de fevereiro e se estenderá por 54 municípios, sendo que nos dias 3 e 17 do próximo mês os postos deverão operar em regime especial para intensificar a imunização -  serão dos "Dias D" da campanha.

O mutirão vai alcançar as regiões da Grande São Paulo, Vale do Paraíba e Baixada Santista. Na capital, a campanha estará em 15 distritos das zonas leste e sul: Campo Limpo, Capão Redondo, Cidade Dutra, Grajaú, Jardim São Luís, Pedreira, Socorro e Vila Andrade, na sul; e Cidade Líder, Cidade Tiradentes, Guaianazes, Iguatemi, José Bonifácio, Parque do Carmo, São Mateus e São Rafael, na leste.

Nas áreas do Estado onde já há vacinação em razão da circulação do vírus, como a zona norte da capital, a imunização seguirá com a vacina padrão. Na última terça (16), a OMS (Organização Mundial da Saúde) incluiu todo o Estado de São Paulo no mapa de risco de febre amarela e recomendou a vacinação de viajantes internacionais com destino a qualquer município paulista, seja em área urbana ou de mata. 

Lava Jato tem o maior sistema de cadastramento de corruptos do mundo inteiro



A Operação Lava Jato, conduzida por uma força tarefa reunindo membros da Polícia Federal e do Ministério Público Federal montou um banco de dados monumental, em conjunto com a Receita Federal e o Coaf. “O SisLava, como é conhecido, guarda mais de quatro milhões de páginas, o equivalente a 40% do acervo digital da Biblioteca Nacional, localizado no Rio de Janeiro. O SisLavaJato armazena nomes de 58 mil pessoas físicas e empresas que, em algum momento, foram citadas na Lava Jato. Registra quem carregou a mala ou a mochila de dinheiro, quem recebeu, quem são os operadores das contas e empresas usadas para lavagem de ativos no Exterior e até quem comprou um carro com pagamento parcelado — como foi o caso do doleiro Alberto Youssef, que presenteou, em maio de 2013, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, com um utilitário Land Rover no valor de R$ 250 mil. Ou seja, nem um décimo dos envolvidos na Lava Jato foram investigados, indiciados e processados até agora. Mas muitos outros inquéritos estão sendo abertos. Um desses, obrigatoriamente, precisará pegar a máfia do lixo existente no Brasil, na qual pontificam duas megalixeiras, os grupos Estre e Solvi, respectivamente, dos empresários megalixeiros Wilson Quintella Filho e Carlos Leal Villa. A corrupção, no Brasil, começa e termina sempre no lixo.