quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Dirigentes do PT desafiam Justiça a decretar a prisão de Lula


Reunidos nesta quinta-feira (25) em São Paulo, dirigentes do PT desafiaram a Justiça a decretar a prisão do bandido corrupto e chefão da organização criminosa petista, Lula, sob ameaça de causar convulsão social. Lula foi condenado na quarta-feira, por unanimidade, por três juízes do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Sua pena foi aumentada dos nove anos e seis meses de reclusão determinadas pelo juiz Sergio Moro em julho passado para 12 anos e um mês. Segundo entendimento atual do STF, a determinação de prisão só pode ser efetivada quando esgotados todos os recursos na segunda instância. O senador Humberto Costa (PE) afirmou que não pagaria para ver a repercussão social em caso de detenção em um momento de insatisfação com o governo Temer. "Uma parcela significativa da população deposita esperança no retorno de Lula, para uma vida melhor. São imprevisíveis as consequências. Eu não pagaria para ver. Não sei o que pode acontecer". 

Presidente do PT no Rio de Janeiro, o hilário ex-prefeito Washington Quaquá afirma que hoje seria uma bravata prometer levar um milhão de pessoas às ruas em defesa de Lula. Mas que seria muito mais fácil trabalhar por isso se Lula fosse preso. "Atrevam-se a prender Lula", disse. "Não queremos fazer revolução. Queremos fazer um grande acordo nacional. Mas, se prenderem o Lula, a democracia no Brasil, para nós, acabou", continuou o presidente do PT no Rio de Janeiro. 

Dirigentes do PT estão desorientados sobre a melhor estratégia após a condenação unânime do bandido corrupto Lula no TRF-4. Um amigo do ex-presidente afirma que o partido está "em uma sinuca de bico", divididos entre a aposta em uma reversão na Justiça e o acirramento do discurso. Enquanto governadores petistas ainda defendem publicamente uma investida no STF (Supremo Tribunal Federal), com construção de pontes com ministros, uma ala significativa do partido duvida das chances de vitória em terceira instância e defendem um novo enfrentamento ao Judiciário.

A única saída, dizem, é buscar apoio nas ruas. O deputado Wadih Damous (RJ), por exemplo, advogado e ex-presidente do aparelhão petista OAB no Rio de Janeiro, admite: "Não vamos agir com a ilusão da institucionalidade". O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), também defende uma intensificação das atividades de ruas, incluindo o Carnaval. Para a eleição, petistas repetem que não há plano B. Vice-presidente do PT, o ex-ministro Alexandre Padilha recorre a uma analogia futebolística para justificar a manutenção da candidatura do ex-presidente. Ele diz que em um campeonato de 15 rodadas, ninguém tiraria o Pelé já no início da disputa só porque haveria o risco de expulsão na semifinal. O problema, afirma, "é que tem um juiz em campo".

Restos a pagar voltam a crescer em 2018, e estoque chega a R$ 155 bilhões

Sem conseguir pagar todas as despesas contratadas no ano passado, o governo federal vai empurrar para o Orçamento de 2018 cerca de R$ 100 bilhões em restos a pagar. Dessa forma será a primeira vez, desde 2015, que aumentará o estoque de restos a pagar —termo técnico para designar despesas contratadas pelo governo e não pagas no mesmo ano. Ao assumir, a atual equipe econômica se comprometeu em reduzir essas despesas, com o objetivo acabar com o chamado "Orçamento paralelo", criado pelo volume crescente de pagamentos adiados nas gestões do bandido corrupto e chefão da organização criminosa petista, Lula, e da mulher sapiens Dilma Rousseff. Em 2014, o estoque de restos a pagar chegou ao volume recorde de R$ 282 bilhões (a preços atuais). O volume recuou nos anos seguintes e, em 2017, alcançou R$ 153 bilhões. Porém, com a alta neste ano, o estoque voltou a crescer para R$ 155 bilhões. Descontada a inflação, a variação foi de 1,6%. Em boletim divulgado nesta quinta-feira (25), o Tesouro Nacional afirma que o aumento neste ano se deveu ao crescimento de "despesas empenhadas em 2017 e não pagas no próprio ano". Os gastos herdados de 2017, de acordo com a nova regra do teto de gastos, estarão submetidos ao limite de despesas criado pela regra do teto de gastos —que limita a expansão das despesas à inflação. Ficam de fora do limite os restos a pagar acumulados até 2015. A lei que criou o teto de gastos afirma que, caso o governo consiga obter um resultado primário mais favorável do que a meta fiscal (deficit de R$ 159 bilhões neste ano), deve usar o excedente para bancar a despesa herdada do passado.

Donald Trump diz que está estudando cortar toda ajuda aos palestinos


O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira (25), em Davos, que pode cortar a ajuda americana aos palestinos se eles não concordarem em negociar um plano de paz com Israel. Falando no Fórum Econômico Mundial, o americano também afirmou que os palestinos tinham desrespeitado os EUA por não aceitarem se reunir com o vice-presidente Mike Pence durante a visita deste ao Oriente Médio, na semana passada. Os palestinos recusaram o encontro após o governo Trump decidir reconhecer Jerusalém como capital de Israel e anunciar a mudança da embaixada do país para a cidade, que também é reivindicada pelos palestinos como capital de um futuro Estado. 

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, havia dito que a decisão dos Estados Unidos era um "tapa na cara" e que rejeitava, a partir daquele momento, a participação desse país como mediador de conversas com Israel. O presidente americano também afirmou que seu governo está elaborando um plano de paz para a região que será "uma ótima proposta para os palestinos", pois supostamente contempla muitas das reivindicações deles. 

O premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, se encontrou com Trump em Davos e afirmou que quaisquer acordos de paz negociados entre palestinos e israelenses devem prever soberania israelense sobre uma Jerusalém unificada. "O único momento em que as três religiões, cristianismo, judaísmo e islamismo, puderam exercer sua fé com liberdade em Jerusalém foi sob soberania de Israel", disse o premiê. Dessa maneira, ele descartou a possibilidade de um Estado palestino com capital em Jerusalém Oriental, como reivindicam os palestinos. Netanyahu também descartou a possibilidade de nomeação de um mediador que não os EUA para as tratativas. "Como intermediário honesto, como um facilitador, não há outro órgão internacional que o faria."

Suecos da Saab, fabricante do caça Gripen, estão muito preocupados com as negociações da Embraer com a Boeing


A empresa sueca Saab, fabricante do novo caça da FAB, o Gripen, disse ao governo brasileiro estar "muito preocupada" com a negociação entre Boeing e Embraer –empresa que participará da produção do seu avião no Brasil. O contrato pode ser revisto se a Saab entender que segredos industriais seus podem cair na mão da concorrente americana. Uma comitiva de executivos suecos encabeçada pelo presidente da Saab, Hakan Buskhe, transmitiu a preocupação ao ministro Raul Jungmann (Defesa) e a autoridades que monitoram as conversas. Buskhe evitou falar explicitamente em risco ao contrato de 39,3 bilhões de coroas suecas (R$ 15,7 bilhões) na reunião, mas o recado ficou implícito aos presentes. "Essa discussão criou uma preocupação muito grande na Suécia, pois a Saab é tão estratégica para o país quanto a Embraer é para o Brasil", disse Buskhe a jornalistas ao fim do encontro. 

Segundo Jungmann, um comitê composto pela Defesa, pela FAB e pelo Ministério da Fazenda irá informar os suecos de quaisquer implicações ao programa do caça Gripen e usará seu poder de veto sobre negócios da Embraer para assegurar que "todas as salvaguardas sejam respeitadas, se houver acordo". O presidente da Saab se disse satisfeito com as conversas. "Queremos continuar essa parceria de qualquer forma. Nunca fizemos uma transferência tecnológica tão completa quanto a oferecida no Brasil", afirmou Buskhe. Dos 36 caças Gripen comprados pelo Brasil em acordo de 2013 e operacionalizado em 2015, 23 serão feitos parcialmente ou integralmente no Brasil. A FAB escolheu a Embraer como principal beneficiada da absorção de tecnologias do caça supersônico, que podem no futuro ser aplicadas a aviões civis. 

A preocupação dos suecos é óbvia. A Boeing é sua rival no mercado de caças, tanto que o F-18 da americana foi preterido na disputa com o Gripen e ambos os aparelhos estão em diversas concorrências mundo afora. Embora boa parte do Gripen seja composta por peças americanas, todo o seu "cérebro" eletrônico e sistemas de fusão de dados essenciais para garantir seu desempenho são produtos suecos –e a Saab quer proteger seus segredos industriais. A primeira proposta da Boeing, extraoficial pois não foi formalizada junto ao Conselho de Administração da Embraer, previa a compra de 100% do controle acionário da empresa brasileira, que vale aproximadamente US$ 6 bilhões. O governo brasileiro negou a possibilidade, acenando com o uso de sua "golden share" –uma ação especial herdada do processo de privatização da Embraer em 1994. 

Uma segunda alternativa apresentada sugeria a cisão da divisão comercial da Embraer, seu principal interesse, e a área de defesa, que hoje responde por cerca de 20% do lucro líquido da brasileira. O governo novamente disse não. O problema é que a fonte da inovação tecnológica da área civil da Embraer é o setor militar. Ele recebe investimento público em pesquisa e desenvolvimento sem as restrições que divisão civil tem sob regras da Organização Mundial do Comércio. Além disso, a Boeing apresentou como exemplos de salvaguarda de soberania nacional de terceiros sua operação na Austrália e no Reino Unido. "São coisas incomparáveis. Lá há linhas de manutenção e suprimento, aqui a Embraer é peça central da indústria", disse Flavio Basilio, secretário de Produtos de Defesa brasileiro. Além disso, ressaltou, a área militar não pode ficar sob gestão americana porque a legislação dos Estados Unidos determina amplo controle sobre esse tipo de produção. 

"Novos desenvolvimentos não poderiam ser feitos no Brasil sem autorização do Congresso americano", diz. Tanto ele quanto Jungmann e o representante da Fazenda, Mansueto Almeida, disseram que o Brasil não é contra a parceria Boeing-Embraer, mas que ainda esperam novas propostas para avaliar que negócio poderá ser feito. A Embraer precisa da Boeing para ampliar a sua penetração de vendas. Os americanos querem a brasileira porque ela tem pronta uma família nova de jatos regionais que eles não produzem, e a concorrente europeia Airbus acaba de adquirir uma linha desse tipo da canadense Bombardier. Além disso, os brasileiros têm uma geração nova e eficaz de engenheiros, algo que falta hoje à Boeing –empresa gigantesca, que vale quase US$ 200 bilhões.

Empreiteira propineira Odebrecht fecha acordo com Justiça da Guatemala para esclarecer atos ilícitos

A Odebrecht informou nesta quinta-feira (25) ter fechado um acordo com a Justiça da Guatemala para esclarecer a participação da empresas em atos ilícitos praticados no País. O novo acordo da empreiteira é o sétimo já assinado. A Odebrecht também se comprometeu a dar informações à Justiça do Brasil, dos Estados Unidos, da Suíça, da República Dominicana, do Equador e do Panamá. Em nota, a empresa afirma que visa o avanço das investigações em curso e a elucidação dos fatos contidos em sua colaboração com estes países. A empreiteira baiana é uma das maiores propineiras do mundo e foi a grande patrocinadora do Foro de São Paulo, criação de Lula e do PT, que buscava controlar o poder em todos os países da América Latina. 

Rodrigo Maia assina MP que autoriza União a doar R$ 792 mil para a Palestina


O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na condição de presidente da República em exercício, assinou nesta quinta-feira (25) uma medida provisória (MP) que autoriza a União a doar R$ 792 mil ao Estado da Palestina para a restauração da Basílica da Natividade, em Belém. A informação foi divulgada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência. Segundo a assessoria do Palácio do Planalto, a MP será publicada na edição desta sexta-feira (26) do "Diário Oficial da União".

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, a restauração é um projeto organizado pelo governo da Palestina com as igrejas que administram a basílica e a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Ao todo, acrescenta o Itamaraty, a restauração custará US$ 20 milhões e o Brasil é um dos países que decidiram participar do projeto. Após ser publicada, a medida provisória passa a valer como lei e tem até 120 dias para ser analisada pelo Congresso Nacional, que poderá aprová-la, rejeitá-la ou modificá-la. Se o Legislativo não votar a MP até este prazo, a medida perde validade. Se a MP for aprovada, seguirá para sanção presidencial e passará a ser uma lei em definitivo.

Rodrigo Maia está no exercício da Presidência da República porque o presidente Michel Temer está no Exterior. Temer passou os últimos dias em Davos (Suíça), onde participou do Fórum Econômico Mundial, e deverá chegar a Brasília na noite desta quinta-feira (25). A Basílica da Natividade, construída em Belém, na Cisjordânia, foi erguida onde a tradição cristã reza que nasceu Jesus Cristo. Em junho de 2012, a basílica entrou para o patrimônio mundial da Unesco. Construída no Século IV, a Basílica da Natividade é uma das igrejas mais antigas da Igreja Cristã. A inclusão na lista da Unesco garante, por exemplo, ajuda para a restauração. O templo é administrado pela Igreja Ortodoxa Grega, pela Igreja Apostólica Armênia e pelo Patriarcado latino de Jerusalém.

Justiça nega novo pedido para soltar Maluf, um simples batedor de carteira


O desembargador Jesuino Rissato, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal, negou nesta quinta-feira (25) um novo pedido de liberdade apresentado pela defesa do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP), atualmente considerado um simplório batedor de carteira, se comparado com a roubalheira promovida pelo petista Lula e sua quadrilha. A defesa afirma que o sistema penitenciário "desumano e desprepeparado" não tem condições de dar segurança a Maluf. Os advogados do parlamentar recorreram à Corte de segunda instância após terem um pedido de prisão domiciliar rejeitado, no último dia 17, pelo juiz Bruno Aielo Macacari, da Vara de Execuções Penais. No despacho desta quinta-feira, Rissato rejeitou um pedido de liminar (decisão provisória), no qual a defesa apresentava os mesmos argumentos: queria que ele cumprisse a pena em casa por causa da idade avançada (86 anos) e “doenças graves e permanentes”.

Segundo a defesa de Maluf, o deputado tem problemas cardíaco e ortopédico, além de câncer de próstata e diabetes. No pedido, o advogado Antonio Carlos de Almeida Castro dizia que Maluf não busca qualquer privilégio, mas que o presídio da Papuda, onde cumpre pena desde o fim do ano passado, não tem “condições adequadas” para o deputado, que, segundo a defesa, precisa de “acompanhamento ambulatorial especializado”.

Na decisão, o desembargador não viu necessidade de medida urgente para conceder a liminar – posteriormente, o pedido deverá ser analisado com mais profundidade pelo TJ-DF. Além disso, afirmou que a “prisão domiciliar humanitária”, concedida a maiores de 80 anos doentes, só é possível quando a pessoa está presa sem condenação. Depois, citou decisão do próprio juiz de primeira instância apontando que Maluf, apesar das doenças, tem condições de permanecer na Papuda, que conta com estrutura médica.

“Embora o ora paciente conte com oitenta e seis anos de idade, com doença coronariana estável, hipertenso e portador de câncer de próstata, não ficou comprovada a situação excepcional que poderia justificar a concessão de prisão domiciliar, pois o quadro de saúde do reeducando reclama cuidados que podem ser prestados no interior de estabelecimento prisional”, escreveu.

Mais antigos restos humanos fora da África são encontrados em caverna de Israel


Uma mandíbula parcial com sete dentes, descoberta em uma caverna em Israel, representa o que cientistas estão chamando de os mais antigos vestígios conhecidos de Homo sapiens fora da África, mostrando que a nossa espécie caminhou para fora daquele continente muito antes do que se pensava anteriormente. Pesquisadores anunciaram nesta quinta-feira (25) a descoberta do fóssil estimado entre 177 mil e 194 mil anos, e disseram que os dentes carregam traços característicos do Homo sapiens que não eram presentes em relativos humanos próximos vivos na época, inclusive Neandertais.

O fóssil da parte esquerda da mandíbula superior de um jovem adulto - o sexo da pessoa ainda não está claro - veio da caverna de Misliya nas encostas oeste do Monte Carmel, cerca de 12 quilômetros ao sul de Haifa. Dentro da grande caverna desmoronada, uma vez habitada por humanos, também foram encontradas lâminas e outras ferramentas de pedra que eram sofisticadas para a época, diversas lareiras e ossos queimados de animais.


O Homo sapiens apareceu pela primeira vez na África, com os fósseis mais antigos já conhecidos de cerca de 300 mil anos. Um importante marco foi quando a nossa espécie pela primeira vez saiu da África a caminho de cantos extremos do globo. Até agora, os fósseis mais antigos de Homo sapiens fora da África tinham vindo de outras duas cavernas em Israel, incluindo uma também no Monte Carmel, de cerca de 90 mil a 120 mil anos.

A nova descoberta apoia a idéia de que humanos migraram da África por meio de uma rota ao norte, vale do Nilo e leste da costa mediterrânea, e não por uma rota sul através do estreito Bab al-Mandeb, costa da Árabia Saudita, subcontinente indiano e leste da Ásia, disse o paleoantropologista da Universidade de Tel Aviv, Israel Hershkovitz, que liderou o estudo.

"Esta é uma descoberta emocionante que confirma outras sugestões de uma migração anterior para fora da África", acrescentou o paleoantropologista Rolf Quam, da Universidade Binghamton em Nova York, co-autor do estudo publicado na revista Science.

Rodrigo Maia, o "Bolinha", presidente em exercício, assina decreto que facilita a privatização da Cesp


O presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, o "Bolinha", assinou nesta quinta-feira (25) um decreto que facilita e torna mais atrativa aos investidores a privatização de empresas públicas que controlam usinas geradoras de energia, como hidrelétricas. Um dos alvos do decreto é a Companhia Energética de São Paulo (Cesp). O governo paulista chegou a publicar o edital do leilão da empresa pública, mas em setembro passado o processo acabou suspenso. A Cesp vinha negociando com a União uma solução para a renovação das concessões da empresa, como uma forma de garantir mais interessados no processo de privatização da companhia. O decreto garante ao grupo privado que assumir o controle de uma empresa pública contrato de 30 anos de concessão sobre as usinas geradoras que passar a operar.

Isso significa que os investidores que assumirem a Cesp, por exemplo, vão poder explorar as usinas hoje sob o controle da empresa, como a hidrelétrica de Porto Primavera, por um período de 30 anos, mesmo que o contrato original (assinado pela Cesp) vença antes desse prazo. A prorrogação, porém, só valerá quando o contrato da usina tiver um prazo de vencimento superior a 60 meses no momento de privatização da empresa. O decreto permite essa renovação de concessão no caso de privatização de empresas federais, estaduais e municipais. Segundo informou o Ministério de Minas e Energia, ele não se aplica à privatização das usinas e sim das concessionárias.

Além disso, o decreto não poderá ser aplicado para as usinas que tiveram suas concessões renovadas em 2013 e que entraram no regime de cotas. Entre essas usinas estão as da Eletrobras, que serão ofertadas durante o processo de privatização da estatal.

Justiça Federal em Brasília proíbe o bandido corrupto Lula de sair do País e determina a cassação de seu passaporte pela Polícia Federal


O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal, determinou nesta quinta-feira (25) a apreensão do passaporte do bandido corrupto e chefe da organização criminosa petista Lula e o proibiu de deixar o País. A decisão judicial está sob sigilo, mas a Polícia Federal confirmou no início da noite que já recebeu a ordem de apreensão do passaporte. A determinação não tem relação direta com a condenação do bandido corrupto Lula pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e foi tomada no âmbito do processo que apura tráfico de influência de Lula na compra, pela Força Aérea Brasilia (FAB), de caças suecos Gripen. Em dezembro de 2016, Lula se tornou réu no processo. De acordo com o Ministério Público, os crimes teriam sido praticados entre 2013 e 2015, quando o bandido petista corrupto Lula, como ex-presidente, teria participado de um esquema para beneficiar empresas junto ao governo Dilma Rousseff. 

Advogado protocola pedido no TRF 4 para que seja cassado o passaporte do bandido corrupto Lula

O advogado Rafael Costa Monteiro entrou com um pedido no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) no início da tarde desta quinta-feira (25) para que o bandido corrupto e chefe da organização criminosa petista Lula seja proibido de deixar o País e seja intimado a entregar o passaporte. O ex-presidente teve a sentença confirmada na acusação de receber propina da empreiteira OAS por meio de um tríplex no Guarujá (SP). A petição do advogado Rafael Costa Monteiro foi protocolada às 13h02 e juntada ao processo julgado nesta quarta-feira em decisão unânime dos juízes da 8ª turma. O tesoureiro do PT, Emídio de Souza, já havia manifestado o receio de que o passaporte de Lula fosse apreendido por decisão judicial. Lula tem uma viagem internacional programada para esta sexta-feira (26) para participar de um debate na cidade de Adis Abeba, na Etiópia, sobre ações de combate à fome. A agenda foi confirmada antes que o julgamento do recurso fosse marcado, mas aliados petistas têm recomendado o cancelamento para evitar desgaste. O ex-presidente confirmou a viagem nesta quinta-feira, ao participar da reunião do PT que oficializou sua pré-candidatura a presidente em outubro. O bandido corrupto e lavador de dinheiro petista disse que sairá do Brasil à 1h desta sexta-feira. 

Valeska Teixeira Martins, da equipe de defesa de Lula, disse que "não tem restrição nenhuma": Seria muito arbitrário se restringisse". O Brasil não possui acordo bilateral de extradição com a Etiópia, mas, segundo o Ministério da Justiça, isso não impede um processo de extradição entre os dois governos com base no princípio da reciprocidade – ou seja, um país atender ao pedido de outro na expectativa de ter uma solicitação atendida no futuro. A sentença de Lula foi elevada pelo colegiado para 12 anos e um mês de prisão, pena que deve começar a ser cumprida assim que julgados todos os recursos na corte. Com isso, o corrupto ex-presidente petista fica inelegível com base na Lei da Ficha Limpa.

Lula, bandido corrupto, lavador de dinheiro e chefe da organização criminosa petista, confirma pré-candidatura à Presidência da República


Ao confirmar sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto, o bandido corrupto, lavador de dinheiro e chefe da organização criminosa petista, ex-presidente Lula, disse em reunião das lideranças nacionais do PT nesta quinta-feira (25) que a campanha presidencial do partido tem que seguir mesmo que aconteça uma "coisa indesejável". Nesta quarta-feira o petista corruptor (pleonasmo) teve sua condenação no caso do tríplex do Guarujá confirmada por unanimidade no TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), o que o torna inelegível. 

"Espero que essa candidatura não dependa do Lula", afirmou o ex-presidente. "Essa candidatura só tem sentido se vocês forem capazes de fazê-la mesmo que aconteça uma coisa indesejável. É colocar o povo brasileiro em movimento. E nós temos uma arma poderosa. É cobrar deles, do Judiciário, todo santo dia, que eles apresentem uma prova de qual foi o crime que eu cometi", seguiu o corrupto Lula, que acusou os juízes do TRF-4 de formarem um "cartel" em seu julgamento. 

O desembargador Leandro Paulsen, revisor do processo do corrupto Lula no tribunal, mencionou em seu voto que a prisão do ex-presidente poderá ser pedida assim que forem julgados os embargos de sua defesa. É o que determina a súmula 122 do tribunal: "Encerrada a jurisdição criminal de segundo grau, deve ter início a execução da pena imposta ao réu, independentemente da eventual interposição de recurso especial ou extraordinário". 

O rigor da sentença encurtou o cronograma projetado pelo PT para brigar pelo registro do nome do bandido corrupto Lula na disputa pelo Planalto, mas o partido reitera a intenção de seguir com a candidatura dele. "Nós não estamos jogando sozinhos no campo", afirmou o petista no evento. "Nós temos outros candidatos, e as pessoas que me julgaram ainda têm a caneta com tinta e certamente vão tentar criar obstáculo para evitar que o Lula continue andando pelo País falando mal deles". 

A presidente nacional da sigla, senadora Gleisi Hoffmann (PR), ré em processo também por corrupção, voltou a negar no encontro que o PT trabalhe com a possibilidade de um plano B. "Lula é o nosso candidato às eleições de 2018", confirmou ela no palco, antes de colocar em votação a candidatura do ex-presidente, aprovada por aclamação pelo auditório reunido na sede nacional da CUT (Central Única dos Trabalhadores), na região central de São Paulo. 

"O dom Pedro criou o Dia do Fico e eu vou dizer o 'dia do aceito'. Eu aceito a indicação de pré-candidato pelo partido", afirmou Lula. Em outro momento, enquanto criticava a Operação Lava Jato, disse que "certamente o PT não ia querer ter como candidato alguém que tivesse roubado". O ex-presidente disse ainda que a candidatura não é uma tentativa de se proteger das ações judiciais e que sua maior defesa é sua inocência. Lula falou que às vezes tem a impressão de que as investigações contra ele são "a maior injustiça cometida na humanidade". "Não é verdade", prosseguiu. "Jesus Cristo foi condenado à morte sem dizer uma palavra, recém-nascido. E se o José não corre ele tinha sido morto. Era a tentativa de julgar alguém que vinha para fazer alguma coisa boa". O vagabundo corrupto não deixa por menos, ele procurar se igualar a Jesus, e trata José como se fosse o seu colega metalúrgio. 

Para gargalhadas da platéia na convenção, arrematou: "E olha que não tinha empreiteira naquele tempo, não tinha Lava Jato". "Eu sei que amanhã a imprensa vai dizer: 'Lula se compara a Cristo'. Longe disso. Mas eu tô apenas querendo relembrar a vocês. Não vai ser uma tarefa fácil. Esse partido passou um monte de tempo gritando que não ia ter golpe e teve golpe". Para o ex-presidente, o PT é "vítima de uma trama premeditada" a partir "de um pacto entre Poder Judiciário, a mídia e as instituições outras do Estado brasileiro que constroem uma versão". "E eles encontraram uma coisa que detona qualquer político: corrupção. Corrupção é uma desgraça. Mesmo os amigos da gente, quando a gente é denunciado, num primeiro momento, até a gente provar que não é, as pessoas falam: 'E se for?'." "Não é uma coisa simples você andar na rua e alguém gritar que você é ladrão. Isso é o que mais coloca a minha honra acima da pele, porque eu aceito me chamar até de corintiano, mas não posso aceitar que um canalha qualquer nesse País me chame de ladrão".

O vagabundo corrupto vai ter então que aceitar muito sapo barbudo garganta abaixo, porque ele será chamado de "ladrão", "vagabundo", "corrupto", "lavador de dinheiro", "chefe de organização criminosa" a todo instante, como está sendo chamado aqui e agora por Videversus. 

Ao se defender, o pré-candidato disse ainda ser vítima de um "cartel" dos juízes do TRF-4 que confirmaram a sentença de primeira instância aplicada pelo juiz Sergio Moro e aumentaram a pena. "Um cidadão ficou seis meses com o processo, o outro teve seis dias, e o outro nem tinha pegado para ler. E eles construíram um cartel para dar uma sentença unânime para evitar o tal embargo infringente. Eles formaram um cartel para tomar uma decisão com o pretexto de apressar a possibilidade de evitar que o PT tenha o Lula como candidato a presidente da República ou de evitar que a gente volte a ganhar as eleições." "Somente ontem (quarta-feira) eu compreendi o que era um cartel. Dava até para mandar para o Cade (órgão do governo que investiga a formação de cartéis)", disse ele. 

O discurso, de 35 minutos, foi recheado de ataques à Lava Jato e de frases em que o petista diz estar de consciência tranquila após a sentença dos magistrados. "Eles sabem que o que eu estou falando é verdade", disse o petista, acrescentando que estaria pedindo desculpas aos integrantes do partido se tivesse cometido algum crime. "Toda vez que qualquer instância do Poder Judiciário julgar as coisas com base nos autos do processo, respeitando a Constituição, eu serei o mais respeitador das decisões do Poder Judiciário", afirmou o pré-candidato. "Este ser humano simpático que está falando com vocês não tem razão, não tem nenhuma razão, para respeitar a decisão de ontem. Porque, quando as pessoas se comportam como juízes, eu sempre respeitei. Mas, quando as pessoas se comportam como se fossem dirigentes de partido político, contando inverdades a respeito da pessoa, não citando sequer a razão pela qual tem um processo, lamento que eu não posso respeitar." E emendou: "Se eu respeitar essa decisão, eu perderei o respeito da minha neta de seis meses, do meu neto de quatro, do meu neto de oito, da minha filha, do meu filho e perderei o respeito de vocês. E eu não vou perder o respeito de vocês". 

O vagabundo já perdeu o respeito dos brasileiros em sua gigantesca maioria, e também do mundo inteiro, com exceção da criminosa mídia nacional e estrangeira, quase toda ela esquerdista. Após reunião fechada com o ex-presidente corrupto, o comando do PT divulgou uma resolução em que determina formação de ampla aliança. O documento não restringe partidos aos quais se aliar. A nota prega "aprofundar o diálogo e manter a unidade com partidos e forças sociais, buscando formar ampla e sólida aliança, com todos que se coloquem de acordo com o programa de governo que estamos construindo e apresentaremos ao País". Segundo petistas, Lula acompanhou a redação da nota, que afirma que o ex-presidente é vítima de "violência judicial".

Dívida pública brasileira, em trajetória explosiva, sobe 14,3% em 2017, alcança R$ 3,55 trilhões, e bate recorde

A dívida pública federal, que inclui os endividamentos do governo dentro do Brasil e no Exterior, teve aumento de 14,3% em 2017, alcançando R$ 3,55 trilhões, informou a Secretaria do Tesouro Nacional nesta quinta-feira (25). Trata-se do maior patamar da série histórica, que começa em 2004. No fim de 2015 e de 2016, a dívida estava em R$ 2,79 trilhões e em R$ 3,11 trilhões, respectivamente. A dívida pública subiu R$ 447,15 bilhões no ano passado. Desse total: a) R$ 328,14 bilhões referem-se às despesas com juros da dívida pública; b) R$ 119 bilhões se referem à emissão líquida (acima do volume de resgates) de títulos públicos no mercado.

A dívida pública é a emitida pelo Tesouro Nacional para financiar o déficit orçamentário do governo federal, ou seja, pagar por despesas que ficam acima da arrecadação com impostos e tributos. Quando os pagamentos e recebimentos são realizados em real, a dívida é chamada de interna. Quando tais operações ocorrem em moeda estrangeira (dólar, normalmente), é classificada como externa.

No caso da dívida interna, foi registrado um aumento de 14,43% em 2017, para R$ 3,43 trilhões. Neste caso, o crescimento foi de R$ 449 bilhões. Já no caso da dívida externa brasileira, resultado da emissão de bônus soberanos (títulos da dívida) no mercado internacional e de contratos firmados no passado, o governo contabilizou uma queda de 0,09% em 2017, para R$ 123,78 bilhões. A redução da dívida externa foi de R$ 2,73 bilhões.

Segundo os dados do Tesouro, nos últimos 10 anos a dívida pública mais que dobrou: em 2007, o estoque da dívida estava em R$ 1,33 trilhão e, agora, está em R$ 3,55 trilhões.

Desse crescimento de R$ 2,22 trilhões verificado no período de 10 anos, mais de R$ 400 bilhões referem-se a emissões de títulos públicos para capitalizar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), instituição controlada pelo governo federal e que foi responsável por financiar grandes projetos de infraestrutura no país nos últimos anos.

Porém, parte desse valor (R$ 150 bilhões) já retornou para o Tesouro Nacional, que utilizou os valores para baixar a dívida pública. Para 2018, há a expectativa de uma nova devolução no valor de R$ 130 bilhões. 

Os números do Tesouro Nacional também revelam que a participação dos investidores estrangeiros na dívida pública interna registrou queda no ano passado. Em dezembro de 2017, os não residentes detinham 12,12% do total da dívida interna (R$ 416 bilhões) contra 14,33% (R$ 427 bilhões) no fim de 2016. Com isso, os estrangeiros seguem na quarta colocação de principais detentores da dívida pública interna, atrás de: a) fundos de previdência (R$ 874 bilhões ou 25,4% do total); b) fundos de investimento (R$ 864,9 bilhões, ou 25,18% do total); c) e das instituições financeiras (22,3% do total, ou R$ 766 bilhões).

Em dezembro de 2017, o percentual de papéis prefixados somou 36,3% do total, ou R$ 1,04 trilhão, contra 36,8% no fechamento de 2016 (R$ 1,1 trilhão). Os números foram calculados após a contabilização dos contratos de "swap cambial".

Os títulos atrelados à taxa Selic (pós-fixados), por sua vez, tiveram sua participação elevada em 2017. No fim do ano passado, representaram 30,3% do total (R$ 1,04 trilhão). No fechamento de 2016, estavam no patamar de 26,57% (R$ 793 bilhões). A parcela da dívida atrelada aos índices de preços (inflação), por sua vez, somou 30,6% no fim de 2017, o equivalente a R$ 1,05 trilhão, contra 34,3% no fechamento de 2016, ou R$ 1,01 trilhão. Já os ativos indexados à variação da taxa de câmbio, por sua vez, somaram 2,72% do total no fim de 2017, ou R$ 93,3 bilhões, contra 3,37% no fim de 2016, ou R$ 100 bilhões. A queda da dívida em dólar se deve ao resgate, por parte do Banco Central, de contratos de "swap cambial" - na esteira do processo de queda da cotação do dólar no Brasil.