sábado, 7 de abril de 2018

O bandido corrupto Lula, lavador de dinheiro, chefe da organização criminosa petista, já está na cadeia, em Curitiba


O bandido corrupto, lavador de dinheiro, chefe da organização criminosa petista e ex-presidente Lula chegou na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná. Ele chegou ao Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba, às 22h06 deste sábado (7), a bordo de um avião monomotor turbohélice Cessna Grand Caravan, prefixo PR-AAC, da Polícia Federal, que decolou por volta das 20h48 de Congonhas (SP). Do Aeroporto Afonso Penna, ele seguiu de helicóptero para o prédio da Polícia Federal na capital paranaense, onde começa a cumprir a pena de 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Quando o helicóptero pouso no heliponto da Polícia Federal, um gigantesco foguetório explodiu em Curitiba. A fumaça dos foguetes quase impediu a aterrissagem do helicóptero, o qual precisou fazer uma manobra para nova aproximação do heliponto. Os paranaenses, como os brasileiros em geral, explodiram em felicidade por ver que o maior bandido da história deste País em todos os tempos acabou na cadeia, apesar de todas as chicanas tentadas e das manobras dos golpistas hermenêuticos, eternos defensores da conciliação oligárquica nacional que atrasa eternamente o Brasil e o progresso dos brasileiros.  

O bandido corrupto Lula chegou à Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, já na noite deste sábado (7) onde passou por exame de corpo de delito. Menos de meia hora depois ele já deixava o local em um helicóptero com destino ao Aeroporto de Congonhas, onde embarcou em uma avião da Polícia Federal para Curitiba, onde começa a cumprir pena de 12 anos. Ele deve ficar na sede da Polícia Federal por pelo menos 30 dias. Para ele, a Polícia Federal preparou uma cela especial, onde funcionava uma sala de policiais. 

Lula entregou-se à Polícia Federal no sindicado dos metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, após uma tremenda encenação criminosa promovida por não mais de 300 mortadeleiros que impediram a saída do carro onde eles estava. Resolveu sair do sindicato somente depois de a Polícia Federal ter dado um prazo final de meia hora, finda a qual ele seria retirado à força e decretada suas prisões preventivas nos processos a que responde em Curitiba. O trajeto do comboio de quatro caminhonetes blindadas entre São Bernardo e a sede da Polícia Federal do ABC até o bairro da Lapa, em São Paulo, durou cerca de uma hora. 

A perícia é uma exigência legal para condenados antes do ingresso no sistema penitenciário, a fim de atestar a integridade física das pessoas e a não ocorrência de abuso de autoridade, mas geralmente é realizado no Instituto Médico Legal (IML). Depois do exame, Lula deve ser transferido para Curitiba, para cumprir pena em uma cela especial na Superintendência da Polícia Federal. Para um Brasil inteiro completamente cético, que não acreditava que o bandido corrupto Lula um dia fosse colocar os seus pés dentro da cadeia, as cenas do final da tarde desde sábado até as 23 horas são altamente reconfortantes. Isso tudo ocorreu no dia 7 de abril, dia do jornalista. Estes profissionais foram violentamente agredidos e ameaçados de morte pelos criminosos petistas que se mantinham no entorno do sindicato dos metalúrgicos. Mas cumpriram seu dever. A grande recompensa daqueles que cumpriram seu dever não só neste dia, mas na vigilância e na crítica durante todo o regime criminoso do PT e de seus asseclas. foi a prisão do bandido corrupto Lula logo no dia do jornalista. Isto é impagável. 

Bandido corrupto Lula será transportado de Congonhas para Curitiba no jatinho da Polícia Federal

Helicóptero já etá a caminho do Aeroporto de Congonhas levando o bandido corrupto Lula

Helicóptero já etá a caminho do Aeroporto de Congonhas levando o bandido corrupto Lula

Lulistas emporcalham prédios da Justiça no Rio de Janeiro e juízes protestam


Manifestantes que protestavam contra o decreto de prisão do bandido corrupto, lavador de dinheiro, chefe da organização criminosa petista e ex-presidente Lula picharam os prédios que sediam a Seção Judiciária do Rio de Janeiro e do Centro Cultural Justiça Federal, na Cinelândia no Centro do Rio de Janeiro, na noite da sexta-feira, 6. As pichações - "Lula livre" e "Pela Democracia" eram algumas delas - foram feitas no fim de uma passeata que começou na Candelária e desfilou pela Avenida Rio Branco. Lula foi condenado a 12 anos e 1 mês de reclusão, em regime fechado, no caso do tríplex do Guarujá (SP) e teve prisão decretada na quinta-feira (5), pelo juiz Sérgio Moro. Em nota, a Ajufe (Associação dos Juízes Federais do Brasil) repudiou o ato. Veja a íntegra: "A Associação dos Juízes Federais do Brasil - Ajufe, entidade nacional representativa dos magistrados federais do Brasil, vem a público repudiar o ataque realizado ao prédio onde funciona a Justiça Federal no Estado do Rio de Janeiro. As instituições estão sofrendo agressões que colocam em risco o Estado Democrático de Direito no Brasil. O récem criado Ministério da Segurança Pública deve tomar as providências urgentes para a garantia da ordem pública e da integridade física das pessoas que enfrentam a corrupção. Fatos dessa natureza são inadmissíveis e intoleráveis, exigindo-se a imediata identificação e punição exemplar dos autores".

Ministro Edson Fachin negou novo pedido da defesa de Lula para evitar prisão


O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, negou neste sábado (7) um novo pedido apresentado pela defesa para evitar a prisão do bandido corrupto, lavador de dinheiro, chefe da organização criminosa petista e ex-presidente Lula. Com a decisão, fica mantida a ordem de prisão decretada na última quinta (5) pelo juiz Sergio Moro, a ser cumprida pela Polícia Federal. O bandido corrupto, que se recusou a se entregar nesta sexta-feira, permanecia na manhã deste sábado (7) na sede do Sindicato do Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo (SP). A Polícia Federal tentava negociar a apresentação de Lula, a fim de evitar conflito com apoiadores de Lula que cercavam o prédio. 

Nesta sexta-feira, o ministro Félix Fischer, do Superior Tribunal de Justiça, também negou um pedido de Lula para evitar a prisão. Na decisão liminar (provisória), o ministro disse que a defesa não provou que ainda tinha prazo para recorrer da condenação em segunda instância. No novo pedido encaminhado ao STF, os advogados alegam que poderiam apresentar novo recurso contra a condenação de Lula no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) até a próxima terça-feira (10). Por isso, Moro teria ordenado a prisão antes do “exaurimento” dos recursos na segunda instância. A defesa pediu que Lula ficasse em liberdade pelo menos até o julgamento desse recurso (chamado embargos de declaração) pela 8ª Turma do TRF-4 – mesmo colegiado que confirmou a condenação do petista e já rejeitou um primeiro recurso. Ainda não há data prevista para o julgamento desse recurso.


Ao negar a pretensão da defesa, o ministro Fachin, relator do pedido, disse que, conforme o atual entendimento do STF, a pena só não começa a ser cumprida após condenação em segunda instância se houver recurso a um tribunal superior (STF ou STJ) com efeito suspensivo – o que ainda não ocorreu no caso. “O cumprimento da pena, em tais circunstâncias, constitui regra geral, somente inadmitido na hipótese de excepcional concessão de efeito suspensivo quanto aos efeitos do édito condenatório”, escreveu o ministro no despacho. No pedido ao STF, os advogados argumentavam que a ordem de prisão de Lula, mesmo após a condenação em segunda instância, não foi motivada, ou seja, na interpretação da defesa, não havia elementos concretos que a justificassem.

Na decisão, Fachin não analisou esse ponto, mas lembrou que, no julgamento do habeas corpus pelo plenário do STF na última quarta (4), a maioria dos ministros entendeu não haver ilegalidade ou abuso de poder na prisão de Lula. O ministro também citou precedentes do STF apontando que os embargos de declaração – recurso que a defesa ainda pretendia apresentar ao TRF-4, de segunda instância – não têm efeito suspensivo e não impedem a execução da pena. “A deflagração da execução penal na hipótese em que admissível, em tese, o manejo de novos embargos de declaração, instrumento recursal despido, ordinariamente, de eficácia suspensiva, não contraria o ato apontado pela defesa como paradigma”, concluiu.

Secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia pede demissão

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, pediu exoneração do cargo. O pedido formal foi encaminhado na quinta-feira (5) ao presidente Michel Temer, por intermédio do ex-ministro Fernando Bezerra Coelho, que também deixou o cargo para concorrer a um mandato de deputado. Paulo Pedrosa era o preferido de Fernando Bezerra para sucede-lo no Ministério. Com a decisão do Presidente Michel Temer de entregar o Ministério para o MDB, Paulo Pedrosa decidiu deixar o cargo. O novo ministro deverá ser Moreira Franco, hoje na secretária-geral da Presidência da República. A segunda opção seria o deputado Saraiva Felipe (MDB-MG). O presidente da Empresa de Planejamento e Energético (EPE), Luiz Barroso, também decidiu deixar o cargo.