domingo, 8 de abril de 2018

Internet e TV são os meios que mais influenciam os eleitores gaúchos

Pesquisa encomendada pelo DEM do Rio Grande do Sul ao Instituto Amostra, de Margrit Sauer, que cobre não apenas as intenções de voto para governador e senador, mas também uma gama enorme de questões ligadas a informações concretas e percepções do eleitorado quando ao pleito de outubro, traz resultados muito importantes. Em relação às influências de mídia sobre suas intenções de votos, percebe-se uma concentração poderosa de convencimento pelo que transmitem TV e Internet. Acompanhe os meios que mais influenciam (a pesquisa admitiu respostas múltiplas):
TV - 65,1%
Internet
Redes Sociais - 28,3%
Sites - 28,2%
Blogs - 7,5%
Facebooks e sites dos candidatos - 3,6%
Total - 70,6%
Jornais, 18,9%
Rádios, 20,3%

Deserto americano vira cemitério de veículos da Volkswagen

No deserto californiano, dezenas de aviões descansam em paz após o último pouso de suas carreiras no aeroporto de logísticas de Victorville, cidade de 120 mil habitantes a 140 km de Los Angeles. Desde 2017, milhares de automóveis se juntaram ao "cemitério de aviões", formando um gigantesco estacionamento de carros coloridos no meio do deserto de Mojave. A instalação é uma das 37 que a Volkswagen alugou nos Estados Unidos para guardar os veículos a diesel que comprou de volta dos consumidores após o escândalo da fraude nos testes de poluentes de 2015. Um assessor da empresa que administra o terreno disse que o lote tem capacidade para 21 mil veículos. Em 2015, a montadora admitiu uso de software ilegal para trapacear nos testes de emissões nos Estados Unidos, afetando quase meio milhão de carros. A Volks criou um programa de devolução dos veículos e disse que 340 mil consumidores haviam demonstrado interesse. No fim de 2017, ainda gastava US$ 3 bilhões para consertar os motores.

"Esses veículos estão sendo armazenados de maneira provisória e passam por manutenção de rotina para garantir sua operacionalidade e qualidade a longo prazo", informou a Volks dos Estados Unidos em um comunicado. A empresa também afirmou que os carros devem voltar ao comércio ou serem exportados quando forem aprovadas as modificações de emissões. Veículos que não podem ser modificados por causa da "idade ou condições ou outras razões serão reciclados de forma responsável". De acordo com documentos judiciais, a montadora alemã já pagou mais de US$ 7 bilhões na recompra de cerca de 350 mil veículos. Destes, 13 mil já foram revendidos e 28 mil destruídos. A crise é a maior já enfrentada nos 80 anos de história da maior montadora da Europa e provocou a renúncia do presidente mundial da empresa, em 2015. Um ano atrás, a Volkswagen foi condenada a pagar US$ 4,3 bilhões em multas e estima gastar mais de US$ 25 bilhões em danos para consumidores, agências de meio ambiente e revendedores.

Devido ao clima quente e seco, além da quantidade quase sem fim de terrenos disponíveis, a região californiana é perfeita para armazenamento de máquinas. O aeroporto Southern California Logistics, que não opera vôos comerciais, tem 288 aeronaves, algumas para serviços de manutenção, outras para reciclagem, aposentadoria ou espera para revenda. O "cemitério de aviões" guarda muitos modelos 747 e é usado por diversas companhias aéreas, como United, Air China e Lufthansa. Os automóveis começaram a chegar no começo de 2017. É possível ver o estacionamento da pequena estrada que separa Victorville e Adelanto. 

Uma grade coberta com tecido preto protege a propriedade, que se estende até a estrada perder o asfalto e virar puro deserto. Ao longe, é possível ver alguns aviões. Na parte asfaltada, há uma comunidade com casas simples, trailers e um restaurante mexicano. O motorista desempregado Michael Robuck, 43, mora na região há 30 anos e relembra a bagunça quando os veículos surgiram. "A gente nem se dá conta dos aviões, mas dos carros sim. Foram meses e meses de caminhões trazendo os carros. Às vezes dava para contar 30 caminhões num dia."

Cientistas estão lançando testes em humanos para uma “vacina” contra o câncer que curou 97% dos tumores em camundongos

 

Cientistas da Universidade de Stanford estão atualmente preparando o primeiro teste humano de uma “vacina” contra o câncer, um tratamento que eliminou até 97% dos tumores durante os testes com camundongos. Apropriadamente 35 pessoas com linfoma começarão os testes antes do final de 2018. Não tecnicamente uma vacina, o novo tratamento contra o câncer é um tipo de imunoterapia que envolve a injeção de dois agentes diretamente em um tumor. Esses agentes estimulam a produção de células T, que então combatem o câncer. Por mais promissor que o tratamento possa ser, ainda está longe de estar pronto e disponível ao público.

Em estudos com camundongos, a vacina contra o câncer eliminou tumores em 87 dos 90 camundongos, todos sofrendo de vários tipos de câncer, incluindo linfoma, câncer de mama e câncer de cólon. A vacina mostrou-se eficaz mesmo nos casos em que o câncer se espalhou para outras partes do corpo. Por mais emocionante que esse desenvolvimento possa ser, é muito cedo para avaliar adequadamente. “Temos sido capazes de curar muitos tipos de câncer em camundongos por um longo tempo”, disse a Dra. Alice Police, diretora regional de cirurgia de mama do Northwell Health Cancer Institute. 

O maior projeto de energia solar do mundo

200 gigawatts de energia solar; US$ 200 bilhões; 100.000 empregos. Esses são os números ligados ao Projeto Solar SoftBank, que está prestes a se tornar a maior fazenda solar do mundo, graças a um acordo assinado pela Arábia Saudita e o conglomerado SoftBank do Fundo de Visão. O movimento pode ajudar a Arábia Saudita, o maior exportador de petróleo do mundo, a progredir de combustíveis fósseis para energia renovável. Os sauditas e a SoftBank, assinando um memorando de entendimento, estão avançando em um enorme desenvolvimento solar que pode gerar centenas de gigawatts instalados até 2030. Masayoshi Son, fundador da SoftBank, e Mohammed Bin Salman, príncipe herdeiro saudita, revelaram o plano; o príncipe herdeiro disse: “É um grande passo na história da humanidade. É ousado, arriscado e esperamos conseguir fazer isso".

O projeto está planejado para o deserto da Arábia Saudita, disse Bloomberg. De acordo com dados da Bloomberg New Energy Finance, que poderia ser em torno de 100 vezes maior que a segunda maior desenvolvimento proposto, e poderia ser “mais do que o dobro do que a indústria fotovoltaica mundial fornecido no ano passado". O investimento de US $ 200 bilhões irá para os painéis solares, baterias de armazenamento, e uma fábrica de painéis solares da Arábia Saudita, de acordo com a Reuters. A fase inicial do projeto será de 7,2 gigawatts e custará US $ 5 bilhões.

O Projeto Solar SoftBank poderia marcar um enorme passo para longe do petróleo e para a energia limpa para a Arábia Saudita; A Bloomberg disse que o país tem apenas projetos solares de pequena escala em operação no momento e a Reuters disse que obtém uma grande parte de sua eletricidade por meio de usinas movidas a óleo, embora seja um dos países mais ensolarados do mundo.

Petrobras assina contrato para construção de UPGN em Itaboraí por R$ 1,95 bilhão

A Petrobras anunciou contrato para a construção da Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN) em Itaboraí (RJ), no valor de R$ 1,95 bilhão com a Sociedade de Propósito Específico (SPE) formada pela chinesa Shandong Kerui Petroleum e pela brasileira Método Potencial. Em comunicado, a estatal destaca que a unidade integra o projeto Rota 3, para escoamento da produção de gás natural de campos do pré-sal da Bacia de Santos. A previsão é de que as obras tenham início ainda no primeiro semestre e entrada em operação no segundo semestre de 2020. Esta UPGN será a maior do País, com capacidade de processamento de até 21 milhões de metros cúbicos por dia. “O projeto irá ampliar expressivamente a infraestrutura de escoamento e processamento de gás do pré-sal, que passará de 23 milhões para 44 milhões de m3 por dia e contribuirá para reduzir a necessidade de importação de gás natural”, segundo a Petrobras. O projeto Rota 3 envolve também construção de um gasoduto com aproximadamente 355 km de extensão, sendo 307 km de trecho marítimo – já construído – e 48 km de trecho terrestre, que escoará o gás natural do Polo Pré-Sal da Bacia de Santos até a UPGN.

Cemig triplica lucro líquido em 2017

O lucro líquido da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) no ano de 2017 cresceu 199%, para R$ 1,002 bilhão, de R$ 335 milhões em 2016. O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, ou Lajida, em português) foi a R$ 3,492 bilhões no ano, um aumento de 32,4% sobre o ano anterior. A margem também cresceu, de 14,05% em 2016 para 16,09% em 2017. A receita líquida somou R$ 21,711 bilhões, aumento de 15,6% sobre o ano anterior. 


A receita de construção e infraestrutura caiu 6,2%, para R$ 1,119 bilhão, a qual a companhia diz que foi integralmente compensada pelos custos de construção, no mesmo valor, e corresponde ao investimento das Controladas, no exercício, em ativos vinculados à concessão. A quantidade de consumidores faturados cresceu para 8,347 milhões, de 8,260 milhões em 2016. Dívida. A Cemig encerrou o ano de 2017 com um endividamento consolidado de R$ 14,297 bilhões, montante 5,15% menor que os R$ 15,179 bilhões de 2016. Ao mesmo tempo em que reduziu ligeiramente suas dívidas, a companhia melhorou o prazo médio de seus compromissos, que passaram dos 2,8 anos anotados no final de 2016 para 4,1 vezes no final do ano passado.  A redução, salientou a administração em mensagem que acompanha as demonstrações financeiras, reflete as iniciativas de gestão da dívida, com a captação de recursos no exterior, no montante de US$ 1 bilhão e vencimento em 2014, e o reperfilamento de R$ 3,4 bilhões. "Essas duas iniciativas, em conjunto, equilibraram o fluxo de caixa, alongaram o prazo médio das dívidas, além de aprimorar a nossa qualidade de crédito", diz a mensagem.

Além da melhora da liquidez e redução do endividamento, a administração da companhia comentou seu plano de desinvestimento, lançado em junho de 2017, visando contribuir para a melhoria do endividamento. No entanto, dos R$ 8,046 bilhões em ativos colocados à venda, apenas R$ 1,76 bilhão foram efetivamente negociados. Ainda assim, a companhia reiterou a expectativa de sucesso de, no mínimo, 50% dos ativos listados até o primeiro semestre de 2018. "Apesar das dificuldades e complexidades inerentes aos processos de alienação, estamos confiantes de que as ações que estamos realizando trarão resultados positivos em 2018, o que permitirá a redução de forma mais acentuada e acelerada da alavancagem da Companhia", comentou.

A direção da Cemig também lembrou que ao longo do ano passado as agências de classificação de risco rebaixaram as notas de crédito da companhia e suas subsidiárias Cemig D e Cemig GT, "com base em suas percepções sobre o andamento dos planos de desinvestimentos e de reperfilamento da dívida". No entanto, a empresa disse esperar uma melhoria nos ratings neste ano por conta das ações realizadas até o final de 2017, de melhoria do perfil do endividamento.

Aprovação popular de Trump sobe a 42%


A aprovação do presidente Donald Trump subiu para 42%, de acordo com duas pesquisas recentes, um aumento que pode ser devido a dados econômicos mais otimistas dos Estados Unidos, embora a popularidade do líder republicano ainda seja menor do que a de seus antecessores. A avaliação positiva de Trump aumentou de 35% para 42% de fevereiro a março, de acordo com levantamento mensal divulgado pela CNN e outro estudo realizado em conjunto pela Associated Press (AP) e o Centro de Pesquisa de Assuntos Públicos da NORC. As duas pesquisas têm uma margem de erro de +/- 3,7-4,2 pontos percentuais.

A administração da maior economia do mundo continua a ser o ponto forte do magnata imobiliário que virou presidente: mais americanos (48%) agora aprovam como ele lida com a economia, contra 45% que desaprovam, de acordo com a pesquisa da CNN. Os cortes de impostos adotados pelo Congresso em dezembro também foram um ponto decisivo para Trump: 46% dos americanos entrevistados aprovam a política fiscal do presidente, revela o estudo da AP-NORC.

A aparente tendência ascendente nos índices de aprovação de Trump não aparece na pesquisa semanal da Gallup, onde aparece desde maio do ano passado com uma aprovação de 40%. Em comparação, após 430 dias no cargo, o democrata muçulmano Barack Obama obteve uma taxa de aprovação de 49% em março de 2010, o republicano George W. Bush 79% (no período pós 11 de setembro) em março de 2002 e Bill Clinton tinha 51% em março de 1994.

Vale aprova nova política de dividendos


A Vale informou que seu conselho de administração aprovou no fim de março uma nova política de remuneração aos acionistas, que entra em vigor a partir da publicação do resultado do primeiro semestre. A remuneração ao acionista será composta por duas parcelas semestrais, a primeira em setembro do ano corrente e a segunda em março do ano subsequente. O valor do dividendo será de 30% da geração de caixa medida pelo Ebitda menos investimento corrente, apurado no resultado do primeiro semestre, para a parcela de setembro, e no resultado do segundo semestre, para a de março. “A política foi elaborada com o intuito de ser, ao mesmo tempo, agressiva e sustentável por um longo período de tempo, podendo ser aplicada em qualquer cenário de preço, permitindo ainda, previsibilidade das datas de pagamentos e do montante a ser distribuído”, disse a Vale no comunicado. O conselho de administração ainda poderá deliberar sobre remuneração adicional, via distribuição de dividendos extraordinários.

Exportações de máquinas e equipamentos cresceram 39,8% fevereiro

As exportações do setor de máquinas e equipamentos tiveram alta de 39,8% em fevereiro em comparação com o mesmo mês do ano anterior. Segundo o balanço divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), as vendas para o Exterior totalizaram US$ 848,64 milhões no mês. No acumulado do primeiro bimestre, a comercialização de bens de capital para outros países chegou a US$ 1,67 bilhão, um crescimento de 58,7% na comparação com o mesmo período de 2017. O faturamento total do setor cresceu 2,2% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano passado. As indústrias do ramo tiveram receita líquida de R$ 5,07 bilhões em fevereiro e de R$ 9,5 bilhões no primeiro bimestre, uma expansão de 1,1% sobre 2017.

Segundo a gerente de Economia e Estatística da Abimaq, Cristina Zanella, foram as exportações que impulsionaram o aumento do uso da capacidade instalada do setor, que ficou em 74% em fevereiro, 6,7% maior do que no período equivalente de 2017. “O mercado doméstico ainda está patinando um pouco. Ele cresceu em fevereiro em relação a janeiro, mas no bimestre ainda continua acumulando uma queda importante. Esse aumento do uso da capacidade instalada está relacionada a um aumento da produção que está sendo direcionada para o mercado externo”, destacou.

A América Latina é o maior destino das máquinas brasileiras, respondendo por 34,8% do total. Os Estados Unidos são responsáveis por 24,2% das compras no exterior e a Europa por 19,4%. Do total vendido para outros países, 35,1 % foram equipamentos para a construção civil. O ramo cresceu 83,3% no acumulado dos primeiros dois meses do ano em relação com 2017. 

Custo da dívida pública federal é o menor desde 2010

O custo médio da dívida pública federal – que inclui o endividamento interno e externo do Brasil – atingiu o menor patamar desde abril de 2010, de acordo com os dados divulgados pela Secretaria do Tesouro Nacional, do Ministério da Fazenda. O custo médio acumulado nos últimos 12 meses passou de 10,06% ao ano, em janeiro, para 10,01% ao ano, em fevereiro. Em abril de 2010, a taxa era 9,79% ao ano. O custo médio mede o quão rapidamente a dívida pública federal vai crescer, caso seja mantido o cenário econômico atual. "Quando o custo é menor, a dívida cresce, mas não tão rapidamente quanto em um cenário com juros maiores. O custo médio mais baixo significa que a dívida vai crescer, mas não tão aceleradamente", diz o coordenador-geral de Planejamento Estratégico da Dívida Pública, Luiz Fernando Alves. Em valores, no mês de fevereiro, a dívida chegou a R$ 3,582 trilhões, o que representou um aumento de 1,53% em relação a janeiro.

De acordo com Alves, a redução do custo se deve principalmente à queda na taxa Selic, principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A Selic no início de 2018 estava em 7% ao ano. No mês passado, foi reduzida a 6,75% e recentemente, foi a 6,5% ao ano. A taxa é o indexador do título Tesouro Selic (LFT), no qual está concentrada importante parcela da dívida. Além da Selic, a própria inflação – que é outro indexador dos títulos e está em patamares baixos – também tem impacto na redução do custo médio da dívida.

Apesar da redução do custo, segundo Alves, a projeção ainda é de crescimento da dívida, porque para este, ano a meta é que as contas do governo fechem no negativo, com déficit primário de R$ 159 bilhões. "Recentemente, tem-se falado muito na necessidade da aprovação de reformas, como a da Previdência. Esse tipo de reforma contribui para melhorar o cenário fiscal e melhorar o cenário da dívida", disse o coordenador. Já a dívida pública, de acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF), poderá fechar este ano entre R$ 3,78 trilhões e R$ 3,98 trilhões. 

Em nota, Dilma diz que Lula virou preso político




A ex-presidente Dilma Rousseff divulgou uma nota na madrugada deste domingo sobre a prisão do bandido corrupto, lavador de dinheiro, chefe da organização criminosa petista e ex-presidente Lula, no sábado (7). A ex-presidente, que permaneceu ao lado do petista durante toda a vigília no Sindicado dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo, diz que ele é vítima de perseguição política implacável. E que os adversários querem desqualificar seu papel na história. Leia a íntegra da nota:

“O Brasil assistiu neste sábado, 7 de abril, a um dos mais tristes episódios de sua história: a injusta e cruel prisão de Luiz Inácio Lula da Silva, o mais importante líder político brasileiro desde a redemocratização do país, reconhecido mundialmente pela sua imensa capacidade de promover inclusão social e fazer política em benefício dos mais necessitados. Lula tornou-se um preso político, vítima de uma perseguição implacável de adversários, que lançam mão do lawfare para calá-lo e destruí-lo, no esforço de desqualificar seu papel perante a história e o povo brasileiro. A mídia brasileira golpista tenta, de forma vergonhosa, negar-lhe a condição de preso político. Assim como negou a ocorrência do Golpe de 2016 e finge não enxergar a ascensão do fascismo no País e a violência da extrema direita. Prenderam-no sem provas. Condenaram-no injustamente. Promovem a injustiça usando o sistema judiciário. Tentam impedi-lo de voltar pelo voto ao poder. Há poucos dias, até um atentado com tiros foi montado para tentar calar Lula. O país segue dividido, diante de uma escalada fascista e perigosa, com o risco da implantação em definitivo de um Estado de Exceção. Lula foi preso porque é o líder da corrida presidencial. Querem impedi-lo de reconquistar pelo voto direto e popular a Presidência da República. Sua prisão é mais uma etapa do golpe iniciado em 2016 com o meu impeachment, aprovado pelo Congresso Nacional sem que houvesse sequer qualquer tipo crime cometido. Nossa resistência permanece e não vamos nos calar diante do arbítrio e da injustiça. Somos a sua voz, somos o seu corpo e sua alma, somos a sua luta. Nossa frágil democracia brasileira está gravemente ameaçada, mas será defendida nas ruas, nas praças, nos parlamentos e nos tribunais. Denunciamos a prisão política, injusta e arbitrária de Lula, que os golpistas tentam esconder. Lula é inocente! #LulaÉPresoPolítico #LulaLivre 
Dilma Rousseff

O preso Lula, bandido corrupto, vai ver o jogo do Corinthians em sua cela, na cadeia


O bandido corrupto, lavador de dinheiro, chefe da organização criminosa petista e ex-presidente Lula vai ver a final do Campeonato Paulista de 2018, entre Corinthians e Palmeiras, neste domingo, 8, pela televisão, em sua cela, na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. A pedido da defesa, o juiz federal Sérgio Moro autorizou a instalação de uma televisão de sinal aberto na sala especial no último andar do prédio da Polícia Federal em Curitiba, onde o bandido corrupto petista Lula iniciou na noite deste sábado o cumprimento da pena de 12 anos e um mês de reclusão no processo do triplex do Guarujá. 

Após sua primeira noite na prisão, ele recebeu o café da manhã, pão com manteiga, às 7h45. Como não houve acordo sobre alimentação exclusiva para o bandido corrupto, ele é destinatário de uma das 21 marmitas dos presos da Lava Jato que ocupam as celas da carceragem da Polícia Federal, que fica isolada da sala especial reservada a Lula. A sala transformada em "cela" para receber Lula foi preparada há 15 dias. Com 15 metros quadrados, o espaço já foi usado como alojamento de policiais federais em passagem por Curitiba. No quarto andar do prédio, a sala de Estado-maior exigida por Moro para guardar Lula em razão da ‘dignidade do cargo que ocupou’ é despojada, mas com banheiro próprio, com pia, vaso sanitário e chuveiro quente. As janelas, pequenas e de vidro, com grades de segurança doméstica. No dormitório, como é tratado o cárcere de Lula por policiais, há uma cama, com um colchão e um armário embutido.

No alojamento, antes de ser preparado para a recepção de Lula, não havia mais televisão. A defesa pediu ao juiz federal Sérgio Moro para a instalação da TV para Lula. O magistrado autorizou. Lula tentou negociar via emissários a garantia de poder cumprir pena em São Paulo, até segunda-feira, 9, para assistir o jogo do seu Corinthians. Não será o juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, o responsável pelo processo da execução da pena de Lula. Cumprida a ordem de prisão do petista, o caso deixa de ser responsabilidade da 13ª Vara Federal (de Moro) e passa para a 12ª Vara Federal, responsável pela execução penal. “Após o cumprimento dos mandados, expeçam-se em seguida as guias de recolhimento, distribuindo ao Juízo da 12ª Vara Federal”, registra o despacho de Moro. Será neste processo que a defesa terá que pleitear sua transferência para uma unidade prisional perto da residência do ex-presidente, em São Bernardo do Campo (SP). Agora, as decisões ficam com juiz titular da Vara, Danilo Pereira Junior, ou com sua substituta, Carolina Lebbos.